Blog do Praetzel

Arquivo : Osmar Loss

Loss será menos cobrado, se houver desmanche. Matias ganha espaço
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

A principal novidade no trabalho de Osmar Loss é a escalação de Matheus Matias como titular do Corinthians, no amistoso contra o Cruzeiro. O atacante veio do ABC-RN e ganhou espaço com o novo técnico.

Na gestão de Fábio Carille, Matias foi praticamente ignorado, pelo fato de ter sido uma contratação da diretoria, sem o aval do ex-treinador. Torcedores postavam pedidos pelo menino, nas redes sociais, mas Matias era preterido por Roger e Júnior Dutra.

Diante do Grêmio, Matias entrou e fez um gol, no segundo tempo. Parece que caiu nas graças do torcedor e ganhou espaço. Agora, se ele está melhor que os outros, no dia a dia, merece a oportunidade. A vinda de Matias é uma política cada vez mais usual nos clubes brasileiros. Sem dinheiro, buscam nomes baratos, com potencial futuro, mas precisam testá-los. Loss está fazendo isso. Talvez o custo-beneficio seja superior a Roger, Kazim e Júnior Dutra(os dois últimos estão indo embora). Jônatas chegou agora e ainda será testado.

A partida amistosa de logo mais é mais um bom teste para Loss. O time já perdeu Maycon, Balbuena e Sidicley. Se Fagner, Rodriguinho e Romero saírem, as reposições dificilmente serão no mesmo nível. Com tudo isso, Loss já será absolvido, caso o trabalho não dê muitos resultados.

Pelo que eu vejo, o Corinthians apostará tudo na Copa do Brasil. Faltam seis jogos e a premiação de R$ 50 milhões será o alívio financeiro para 2019.


Treinador de goleiros do Corinthians vê legado positivo e confiança em Loss
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Mauri Lima está deixando o Corinthians. O treinador de goleiros vai integrar a comissão técnica de Fábio Carille, no Al Wedha, da Arábia Saudita . Aos 53 anos, com dez anos de Corinthians, Mauri resolveu aceitar o desafio de trabalhar numa escola diferente e implantar uma nova filosofia de trabalho. Em entrevista exclusiva ao blog, Mauri falou sobre seu legado, o desafio de Osmar Loss no clube e a vida que o espera no mundo árabe, além de escolher seus dois goleiros preferidos na Copa do Mundo. Confira a seguir.

Qual é o legado que deixas no Corinthians?

Acho que é um legado de um trabalho bem feito, vitorioso, um trabalho que não foi feito só dentro de campo. Toda uma equipe com funcionários, torcida, a interação, o conhecimento, o carinho de todos. Tudo aquilo que eu vivi aqui dentro desse CT. As pessoas me ajudando a construir as formas de trabalho, meio malucas, mas sempre comprando a ideia. De ter feito um trabalho bom com aqueles goleiros que passaram por aqui. A gente tem vários goleiros que estão jogando, que saíram e passaram por aqui. De ter deixado esses que aqui estão. Cássio numa seleção brasileira, Walter já mostrou a qualidade que tem, Caíque foi campeão brasileiro jogando, tem o Felipe e os demais que estão subindo da base, que a gente sempre traz para cá para poder fazer um trabalho no revezamento. Um legado de um trabalho grande, vitorioso, honesto e que procurou o máximo possível, colocar e fazer com que todos tivessem a condição de melhorar e crescer como profissional e homem, também.

O que mais pesou para seguir com Carille?

Na verdade, o Carille, no dia que ele saiu, ele disse que se tivesse possibilidade, queria que eu fosse com ele e perguntou o que eu achava. Falei para ele que a gente ia esperar. Aconteceu, ele fez o convite, houve a proposta. O lado financeiro é um lado que pesa, por caausa do tempo que nós temos também. Do profissional, da vida útil. Então, eu tenho 53 anos, posso trabalhar mais uns dez anos em alto nível e a vida que a gente leva, é essa. Um pouco desgastante. O treinador de goleiros, todos sabem. Também tenho minha família, minhas filhas. Então, uma filha já se formou em Arquitetura esse ano. A outra já entrou para a faculdade. É o começo para a minha filha mais nova. Então, nesse momento, a gente tem que pensar na família, naquilo que a gente pode fazer, porque as vezes a gente não faz as coisas pela gente, faz pelos nossos filhos e quem é pai, mãe, sabe disso. Foi uma coisa que optei, também para poder buscar uma escola diferente, aprender lá fora e tentar implantar o que nós fizemos aqui, na expectativa de que eles possam gostar. Nós sabemos que é uma vida diferente, mundo diferente, um trabalho que vai ser implantado. E por aquilo que o Carille disse pelo projeto, o que o mundo árabe está pensando, de quando começaram as contratações, abrindo a janela para várias contratações e, inclusive, para goleiros.

O que dizer de Osmar Loss no desafio de substituir Carille?

Osmar já é um profissional de qualidade, experiência, é um cara muito bom mesmo no trato com as pessoas e dentro de campo. Trabalho perfeito de fazer as partes que necessita para você colocar em prática, dentro do campo de jogo. É um desafio grande para ele, mas tenho certeza que ele vai conseguir alcançar esse objetivo dele, que é merecedor. As pessoas que estão com ele, sempre procurando ajudar, os atletas também. As vezes, as coisas não acontecem do jeito que a gente quer. A gente torce para que ele possa ter a felicidade de conseguir os objetivos dele. Pelo trabalho que ele está fazendo, os frutos serão colhidos. Pode ter certeza disso. As vezes, fica um peso pelo Carille ter saído, ter sido campeão paulista, brasileiro, e fica um pouco pesada essa parte. Eu acho que tem tudo para dar certo sim. Pela qualidade que ele é, como pessoa, profissional, e acredito que aos poucos ele vai implantar a filosofia dele e os atletas também vão entendendo aquilo que ele quer. A partir daí, as vitórias virão e os títulos também continuarão surgindo. Ele tem capacidade sim para seguir como comandante do clube.

Vais trabalhar com goleiros árabes. Como é a escola deles?

A escola deles é de dificuldades, por aquilo que a gente vê em alguns jogos, até na própria Copa também. Mas como abriu brecha lá, até para poder contratar um goleiro estrangeiro, foi contratado um egípcio para o nosso time. Um goleiro de 25 anos. Então, a gente tem uma possibilidade de trabalhar com ele de uma forma, com uma idade boa, onde dá para corrigir e poder aprender. Primeiro ver como será a maneira de como cada um vai se encontrar, a qualidade técnica de cada um depois do começo do trabalho. Procurei ver vídeos de alguns que estão no clube para que a gente possa ter uma noção. Para falar a verdade, só chegando lá para a gente saber e ver o que nos espera. mas é uma parte que a gente vai ter que começar, praticamente do zero, mas de uma forma geral é bom, porque você vai implantando, o crescimento de cada um a cada dia e isso te dá uma tranquilidade grande do trabalho que você está fazendo. É procurar fazer, implementar trabalhos diferentes para que eles possam se sentir bem, dentro das condições de cada um. Sabemos também que existe todo um processo por causa da religião, dos horários das suas rezas. Então, a gente tem que adaptar tudo, para que nada saia do normal daquilo que é a vida deles lá, tanto na parte particular como na ligada ao futebol.

Quem é o melhor goleiro da Copa?

Está recheada de grandes goleiros, desta vez. Eu vi vários jogos. Gostei muito do Muslera, do Uruguai. Está sobressaindo e fazendo uma grande Copa. Gosto muito do Courtois, da Bélgica. Baita de um goleiro. Frio, qualidade técnica dele muito boa. Então, eu colocaria os dois, que estão se destacando de uma forma melhor. Têm outros com boas participações, mas esses dois eu tenho visto, acompanhado, com grandes atuações. O próprio Ochoa, do México, também. Acho que o nível está muito alto, em relação aos goleiros. A gente sabe que tem aqueles com qualidade inferior, mas no geral, o nível está altíssimo.

Mauri Lima participou de todos os títulos importantes do Corinthians, de 2009 a 2018. Chegou ao clube, em 2008, numa indicação de Antonio Carlos Zago, que havia trabalhado com ele, no Juventude.


Corinthians ganhou um ponto. Santos “perdeu” dois. Gabigol não matou o jogo
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Corinthians e Santos empataram em 1 a 1, na Arena corintiana. O resultado foi injusto para o Santos, pelo desempenho das duas equipes. Gabriel Barbosa, o Gabigol, perdeu dois gols incríveis, que certamente, dariam a vitória ao Santos. Walter ainda fez boas defesas contra Rodrygo e Vanderlei pegou um bom chute de Pedrinho. Resumindo, o Corinthians ganhou um ponto e o Santos “perdeu” dois, pelas circunstâncias do clássico.

Se antes do jogo, avaliávamos a pressão maior em cima de Jair Ventura, parece que Loss equilibrou esse nível, depois da partida. O Corinthians começou com uma formação mais ofensiva, com a volta de Romero, Pedrinho aberto e a presença de Roger como referência na área. O Santos manteve sua escalação, com três atacantes. O primeiro tempo foi nivelado e o Santos teve a grande chance com Gabriel, ao desviar a bola por cima da meta, quase na risca do gol. Uma oportunidade absurdamente perdida.

No segundo tempo, logo no início, Gabriel ficou cara a cara com Walter e bateu para fora, desperdiçando mais uma chance imperdível. Como quem não faz, leva, o Corinthians abriu o placar com Roger, em bola tocada por baixo, após vencer a marcação de Lucas Veríssimo. O Corinthians a la Corinthians, superando dificuldades e a superioridade do adversário. Só que o time cansou de novo e o Santos partiu para o empate. Rodrygo cresceu, criando jogadas perigosas e atormentando a vida de Balbuena e Mantuan.

De tanto insistir, Rodrygo cruzou e Victor Ferraz igualou o escore, de cabeça, nas costas de Rodriguinho, que fazia a cobertura na grande área. Empate justo pela atuação santista. Depois, o Santos ainda pressionou e terminou o jogo mais perigoso. Loss sacou Pedrinho, novamente, mas Rodriguinho poderia ter saído antes. O meia parece bastante desgastado.

Em linhas gerais, Jair Ventura respira mais no cargo, com o Santos melhor do que o adversário. Loss marca passo em termos de resultados com uma vitória, um empate e três derrotas. É preciso tranquilidade porque não seria fácil para ninguém substituir Fábio Carille.


Loss, Pedrinho não pode sair. E Kazim não pode entrar
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

O Corinthians perdeu o terceiro jogo em quatro disputados sob o comando de Osmar Loss. O técnico, efetivado pelo presidente Andrés Sanchez, resolveu escalar o time com três meias e apenas um atacante de lado, na derrota para o Flamengo. Contra o América-MG, o Corinthians venceu com sofrimento e não foi bem, com a mesma formação.

Claramente, o Corinthians melhorou com Roger na frente, no lugar de Jadson, machucado. Com uma referência, o Corinthians atacou mais o Flamengo e teve alguém para tabelar com Pedrinho e segurar a bola na frente. Antes, o Corinthians ficou muito recuado e assistiu o Flamengo jogar.

Loss pode adotar um estilo próprio. Não precisa querer repetir Fábio Carille, até porque isso será muito difícil. Não fique preso ao trabalho vitorioso do antecessor. Pode ter luz própria e fazer o simples.

O simples é manter Pedrinho em campo. Deixe o menino jogar. Foi o único a tentar alguma jogada diferente e puxar o Corinthians para o ataque. É melhor deixá-lo se exaurir do que substituí-lo. Num lance, Pedrinho pode decidir. Já deu mostras de que é diferenciado.

Contrário senso, não aposte em Kazim. O centroavante estava fora dos planos, recentemente. Lançá-lo, pareceu pensamento mágico, de que ele poderia supreender. Não. A novidade seria a entrada de Matheus Matias, jovem e com bons treinamentos. Não deu para entender a opção de Loss.

Ah, e ele gostou do desempenho do time. Carille não hesitava em apontar as falhas e erros, depois dos jogos. É preciso saber por que ganha e por que perde. Loss tem tempo para aprender isso. Mas o Corinthians terá que esperar.

 


Erro de Mantuan fez jus à má atuação do Corinthians. Derrota justa em POA
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Osmar Loss conheceu sua segunda derrota em dois jogos no comando técnico do Corinthians. O time perdeu para o Inter por 2 a 1, de virada, justamente. O Corinthians abriu o placar aos quatro minutos do primeiro tempo e recuou, como fez em outras ocasiões. Carille já adotava essa postura e Loss repetiu.

No entanto, há jogos em que a equipe será empurrada para a defesa, e foi isso que aconteceu, em Porto Alegre. O Corinthians deu a bola para o adversário e apenas marcou. É verdade que o Inter não criou muito, mas teve mais posse de bola e acampou no campo corintiano.

No segundo tempo, o panorama não mudou. O Inter continuou em cima e o Corinthians especulava um contra-ataque. Odair Hellmann sacou o lateral-esquerdo Iago e colocou o atacante Nico López. Patrick foi para a lateral e o Inter ganhou espaço pelos lados, ainda com vantagem no meio-campo. Dominou a partida e empatou com o oportunismo de Leandro Damião, sem chances para Walter. O goleiro evitou a virada em chute de Rodrigo Moledo, na sua frente. Antes, Matheus Vital perdeu a única chance de gol criada pelo Corinthians, cabeceando para defesa de Danilo Fernandes. Pouco, muito pouco para o Corinthians. Loss tentou deixar o time mais ofensivo, mas o Inter seguiu dono do jogo.

Nos acréscimos, o erro do garoto Mantuan, com colaboração de Walter. Parece que faltou comunicação. Mantuan foi matar a bola e escorregou, permitindo a conclusão de Rossi, com Walter fora do gol. O menino desabou, mas o goleiro também ajudou. Mantuan recebeu o apoio de todos os companheiros e alguns adversários e precisa levantar a cabeça. O empate estava praticamente definido e seria um ponto ganho para o Corinthians.

Por linhas tortas, a virada do Inter deu justiça ao placar. Resta ao Corinthians reagir e jogar mais. Loss vai seguir a linha de Carille ou vai implantar seu modelo e filosofia? O Corinthians pode atuar de outras maneiras, sem dúvida. Caberá ao treinador.

 


Presidente que trabalhou com Loss no Inter o elogia e prevê sucesso
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

O Corinthians enfrenta o Inter, neste domingo, no estádio Beira-Rio. Será o segundo jogo de Osmar Loss, no comando técnico da equipe. Loss começou suas atividades como treinador da base, no próprio Inter. Quem trabalhou com ele, foi o ex-presidente Giovani Luigi. Avesso a entrevistas, Luigi concordou em falar com o blog, elogiou Loss, projetou uma boa carreira para ele e ainda comentou sobre o momento de reconstrução do Internacional. Confira a seguir.

O Sr. conhece Osmar Loss dos tempos do Inter e trabalhou com ele. O Sr. acha que ele está pronto para o desafio de comandar o Corinthians?

Ele trabalhou comigo quando eu era vice-presidente e um pedaço de quando eu estava iniciando na presidência. É um jovem, que se preparou muito, dedicado, passou por todas as esferas do futebol, desde os meninos. Isso, sem dúvida, ajuda muito. Trabalhou sempre num clube grande. Daqui do Inter acabou indo para o Corinthians, também passando pela base e conquistando a Copa São Paulo Júnior. Tem feito um grande trabalho. Posso dizer que é de caráter e como pessoa para lidar com o grupo, excepcional. Acredito que nesses anos que se passaram, eu já convivo mais com ele há cinco, seis anos, deve ter se aperfeiçoado mais. Está pronto, na minha avaliação. De longe, vejo que ele tem todas as condições de fazer um grande trabalho no Corinthians.

O Sr. acha que um clube grande do Brasil consegue sustentar um profissional tão jovem no comando?

Isso depende muito de dois fatores fundamentais. Um, que o presidente do clube e o vice de futebol não deixem entrar opiniões de conselheiros, outras pessoas, dentro do vestiário. O vestiário deve ser comandado pelos profissionais que estão ali e pelos cargos políticos normais e o presidente do clube. Também o grupo de jogadores, que tem uma cultura de reagir de formas diferentes. O Loss já vinha trabalhando com o Carille, tem convivido com o grupo, o tempo todo. Tempo suficiente para que a diretoria do Corinthians pudesse fazer uma avaliação do trabalho dele. Portanto, não tenho dúvidas de que a diretoria do Corinthians avaliou todas as questões. Mas eu vejo que ele tem potencial enorme para vencer e trabalhar no Corinthians.

Transportando para o Inter, com a história do Sr., o Odair Hellmann lhe agrada?

Odair também não tem tanta bagagem como o Osmar Loss, se eu fosse fazer uma comparação, mas são desses novos treinadores que estão surgindo. Nada contra os experientes, mas o mercado de treinadores estava exigindo o surgimento de novos nomes. Então, vejo que o Odair, Loss, Carille e outros, são uma safra de treinadores importantes para o futebol brasileiro. O mercado estava muito inflacionado, se repetindo, e vejo que o Odair também tem potencial. Espero que, quem está lá, tenha feito a avaliação correta e veja potencial no Odair. Na época que eu trabalhei com ele, ele era um profissional extremamente dedicado.

Como o Sr. vê a investigação do Ministério Público do RS, sobre a gestão passada do Inter, financeira e administrativamente?

Faz três anos e meio que eu saí. Então, é difícil fazer uma avaliação. Eu não tenho condições de poder dar um depoimento falando sobre questões que saem algumas coisas na imprensa. Mas eu tenho certeza que o clube tem condições muito grande, uma torcida extraordinária, foi campeão do mundo há 12 anos, já ganhou duas Libertadores, Sul-Americana, tantos títulos. Tem um estádio quitado, tinha 100 mil sócios pouco tempo atrás, agora deva ter 80, 70 mil, tem uma torcida exuberante. Tenho certeza que o Internacional, quem sabe já nesse Brasileiro, possa fazer uma grande campanha, pelo menos, chegando na Libertadores.

Na sua opinião, por que o clube caiu tanto e foi rebaixado para a Segunda Divisão?

É difícil fazer essa reflexão do por que caiu para a segunda divisão. Estou há bastante tempo fora. Talvez, qualidade do grupo, falta de união, não sei como estava a preparação física. São variáveis assim que pesam. A questão da presença da diretoria. Várias questões que podem juntas, num determinado momento, levarem o clube a esse ponto. Mas o mais importante, nesse momento, o Inter já subiu para a primeira divisão e quem está lá, tenha consciência da grandeza do clube e faça com que a gente volte, novamente, a produzir jogadores nas categorias de base. Me lembro que em 2001, nem vou falar nos tempos recentes quando surgiram Daniel Carvalho, Nilmar, Rafael Sóbis, Pato, Fred, que vai para a Copa do Mundo. Em 2001, o Inter vendeu o volante Fábio Rochembach para o Barcelona e o zagueiro Lúcio para a Europa. Dois jogadores negociados no mesmo ano. O Inter sempre foi um celeiro de ases, um clube que conseguiu produziu jogadores. Sem dúvida nenhuma, clubes da grandeza do Inter precisam produzir atletas, constantemente, para dar retorno esportivo por um, dois anos, e depois trazer retorno financeiro. O Inter possui um déficit financeiro e precisa suprir isso, vendendo ativos, e o único ativo é o direito econômico do jogador.

O Sr. é a favor da reeleição do presidente Marcelo Medeiros?

Eu vejo que o Marcelo pegou o clube numa situação dramática, em vários aspectos. Conseguiu no primeiro ano, fazer o dever de casa, que era subir o Inter para a Série A. Entendo, que nesse momento, se ele for candidato, seria justo ele buscar a reeleição e fazer com que o Inter participe de Libertadores e grandes competições internacionais.

O Sr. sempre o novo Beira-Rio com o projeto que foi aprovado. O Sr. já imaginou se o Inter tivesse reformado o estádio com recursos próprios?

Com recursos próprios, hoje, entendo que os clubes brasileiros não têm condições. Até porque nós tínhamos a Copa do Mundo. Não dava para fazer com recurso próprio, fazendo aos poucos, daqui sete, oito, dez anos, estaria tudo pronto. Nós tínhamos um prazo muito curto. Não vejo fluxo de caixa para poder honrar o clube. No final, o Inter, no meu entender, fez um grande contrato, onde hoje tem domínio total do estádio. O estádio é quitado no seu nome. O Inter deu para a construtora todas as áreas que o Inter não tinha antes. O Inter não tinha edifício-garagem, a construtora explora por 20 anos. Não tinha “Sky box”, cadeiras vips, vários restaurantes e bares, e isso foi cedido para a construtora por 20 anos. Já se passaram três anos, faltam 17. O Inter ainda tem aquele estacionamento térreo de 2.200 vagas. Isso é receita do clube, mas tem um edifício-garagem que nunca ia fazer e sempre foi uma coisa, independente de Copa do Mundo, que era super necessária. Todo mundo que ia ao estádio, reclamava que isso era importante. Então, o Inter hoje tem um edifício-garagem com três mil vagas que é explorado pela construtora, em contra-partida como ressarcimento para aquilo que ela investiu. Então, vejo que o Inter fez um grande negócio. Não fui só eu, chamei uma comissão de obras e várias pessoas ajudaram. Encontramos um modelo e se formos comparar com outros estádios pelo Brasil, o nosso negócio foi melhor ainda.

Por que o Sr. parou de frequentar o Inter e ir ao estádio? Ficou uma mágoa na sua gestão?

Eu entendo que, principalmente, naquele período que eu estive na presidência(2011/2014), houve muitas brigas políticas, muitas convocações extraordinárias do Conselho, busca incessante para tentar provar que o clube estava mal gerido, mal administrado. Essas coisas assim, fizeram com que eu talvez perdesse o romantismo. Aquilo que eu tinha desde jovem, que era torcer pelo clube, time, quando jogava fora, a gente ficava num radinho escutando. Com esse desgaste que passei, pela construção do estádio, acabou realmente me fazendo perder o romantismo daquela coisa que o torcedor tem. Agora, fico em casa, vendo os meus jogos pela TV, não preciso estar convivendo e cumprimentando certas pessoas que, quando presidente, eu tinha a obrigação pelo status do cargo. Hoje, eu sou um mero torcedor e portanto, eu posso me dar a certos luxos.

O Vitório Píffero seria uma dessas pessoas que o Sr. não gostaria mais de cumprimentar?

Não, não entro no mérito no nome de pessoas. Não é essa situação. Sempre tive um bom convívio com ele e outras pessoas. Aliás, quando eu estava na presidência, ele nem ia nas reuniões do Conselho. Enfim, são coisas que já passaram. O Inter é muito grande. Tomara que faça um grande Brasileiro e, quem sabe, chegue à Libertadores. E que no ano que vem, produza mais jogadores e seja postulante a grandes títulos.

Luigi era o presidente, quando Osmar Loss estava na base do Inter. Presidiu o clube de 2011 a 2014, com quatro títulos gaúchos e uma Recopa Sul-Americana. Enfrentou oposição forte no conselho e foi o antecessor da péssima gestão de Vitório Píffero, investigada pelo Ministério Público e que causou o rebaixamento do time para a Série B do Brasileiro.

 


Loss pode se desvincular de Carille. Paciência e respaldo em seis jogos
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Osmar Loss estreou no comando técnico do Corinthians. Derrota para o Millonarios da Colômbia, na Arena corintiana. Ainda assim, classificado em primeiro lugar no grupo, com dez pontos. A campanha foi apenas regular, com três vitórias(um 7×2 no Deportivo Lara), um empate e duas derrotas para Independiente e Millonarios, as duas em Itaquera. Aproveitamento de 55,6%. Dava para ter feito mais. Ontem, o Corinthians não jogou mal. Criou inúmeras chances e parou no goleiro Fariñez, além de um gol mal anulado.

Loss manteve a formação de Carille. Algo aceitável para alguém que assumiu o time, com um dia para treinar. Nessas horas, o importante é não querer mudar tudo de uma hora para outra. Agora, Loss precisa se desvincular de Carille. O modelo do antecessor foi vitorioso e continuaria, provavelmente. Ontem, o Corinthians seguiu com sua transição rápida e foi bem na armação. Na recomposição defensiva, a equipe pareceu mais lenta e cedeu espaços para os contra-ataques colombianos, principalmente, nas costas dos dois laterais.

No pós-jogo, Loss admitiu que seguiu a linha de Carille, porque também tinha liberdade de opinar, na comissão técnica. Claro que, se os resultados não aparecerem nos próximos seis jogos, até a parada para a Copa do Mundo, Loss será comparado ao antecessor, como alguém que não conseguiu dar seguimento ao trabalho. Por isso, o respaldo diário da diretoria, será fundamental.

Loss tem o desafio de deixar o Corinthians na ponta de cima da classificação do Brasileiro e, acredito, pode também adotar um estilo próprio de jogo. Tem condições para isso. A conferir.


Osmar Loss é o favorito para o lugar de Carille
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Com a provável saída de Fábio Carille, do Corinthians para o Al Hilal da Arábia Saudita, o favorito para assumir o cargo é o auxiliar-técnico, Osmar Loss. O blog apurou que Loss é o nome preferido de todos da diretoria, para dar sequência à metodologia de trabalho do próprio Carille. O gaúcho de 43 anos virou assistente de Carille, em 2017, depois da conquista da Copa São Paulo de Futebol Júnior. Conhece o vestiário e o pensamento dos dirigentes, além de ser um treinador barato, na questão salarial.

Loss começou nas categorias de base do Inter, em 2006, chegando ao Corinthians, em 2013. Trabalhou como técnico principal do Bragantino, numa parceria com o Corinthians, em 2015. Voltou para o clube e hoje é visto como o profissional ideal para manter o modelo de jogo da equipe, para, quem sabe, repetir a trajetória de Carille.

Loss pode assumir, assim que Carille comunicar sua decisão. A tendência é que isso seja definido, após a partida contra o Sport, domingo, em Recife. O presidente Andrés Sanchez gostaria de ter Carille até a parada para a Copa do Mundo, dia 13 de junho, com mais sete rodadas do Brasileiro.

 


Técnico do Corinthians Sub-20 elogia nova postura com a base no clube
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

O Corinthians subiu quatro jogadores das categorias de base para o profissional, na última semana. O volante Ameixa, os meias Rodrigo e Matheus e o atacante Léo Jabá começaram a trabalhar com Fábio Carille. O blog entrevistou o técnico do Sub-20, Osmar Loss, sobre a filosofia do clube e o desafio de revelar e aproveitar futuros garotos. Leiam abaixo.

É importante revelar jogadores ou ganhar títulos

“Sem dúvida nenhuma, o mais importante é revelar jogador. Agora, o tem que ficar muito claro, que não, necessariamente, uma exclui a outra possibilidade, principalmente, se a gente botar como foco principal a revelação de talentos. Para a gente revelar, a gente terá que formar bons jogadores e formando bons jogadores, normalmente, se consegue chegar nas decisões, nas partes decisivas das competições. Em contraponto, se a gente começar a pensar em só chegar às decisões, a gente não formará jogadores com alta qualidade e também corre o risco de não chegarmos nos momentos decisivos das competições”.

Momento de subir um garoto para o profissional

“A questão de estar pronto ou não estar pronto, eu não vejo esta palavra como bem colocada para a base. Eu acho que um atleta, ele efetivamente, está constantemente em evolução. Alguns atingem a maioridade emocional e a qualificação técnica mais cedo do que outros, mas mesmo assim, continuam em evolução. Então, acho que esse é um chavão que a gente deveria começar a deixar de lado. O que se coloca, talvez, seja a necessidade pelo fato de com 20 anos o jogador não pode mais jogar na base. Tem um limite etário e não um limite técnico na maioria dos casos. Os principais quesitos que a gente observa para ver se um jogador está melhor preparado do que outro são o componente técnico, o entendimento do jogo e muito importante, se emocionalmente ele está bem equilibrado.

Poucos foram aproveitados no Corinthians, após muitos títulos

“Eu não vejo como tão poucos assim sendo aproveitados nestas três temporadas que eu estive no clube. Comparado com que o Corinthians aproveitava antes da minha chegada, acho que a gente até está superando bem as expectativas. Eu acho que nós estamos passando por um processo de reformulação, o Corinthians está fazendo um bom investimento na base, fruto disso é o CT , que está em fase final de construção e o espaço que a cada temporada a base vem ganhando no time profissional. É uma mudança bastante brusca, talvez, de filosofia, passar a usar a base com maior incidência. Acho que é um processo natural. Nada a gente consegue mudar de uma hora para a outra. Não podemos deixar o fato histórico de que o Corinthians é um time comprador. Jamais vai deixar de ser, até pelo potencial financeiro que tem, mas eu acho que o espaço que a gente vem tendo da base para o profissional, ele vem evoluindo de acordo com a mudança de filosofia que o Corinthians vem fazendo. Acho que nos próximos três, quatro anos, quem sabe a gente não vai estar tratando deste assunto como uma novidade. O Corinthians mantendo esta idéia e esta filosofia de formação de atletas e integração base/profissional, vai ser um processo muito natural estar dentro do profissional do Corinthians”.

Nomes que se tornarão realidades

“É muito difícil a gente poder apontar jogadores nesta fase de maturação. Até porque nos dois últimos anos a gente tem tentado trabalhar no Corinthians com jogadores jovens, tentando diminuir até um pouquinho a margem de 20 para 19 anos, deixando sempre pelo menos um ou dois anos de evolução. A gente teve os jogadores que foram promovidos agora recentemente. Certamente, há alguns jogadores ali que podem num futuro próximo se destacar, mas apontar nomes é até uma chance muito maior de errar do que acertar, até porquê o controle não está conosco”.

Técnico da base tem o objetivo de ir para o profissional

“Tem. Eu acredito que todo treinador de base tem o objetivo de ser treinador de equipe principal, profissional. Por mais que hoje as categorias de base venham tendo um investimento e uma conotação tão profissional quanto o futebol profissional, da equipe principal, ainda assim eu acredito que todos os treinadores têm este intuito de um dia se tornarem treinadores das equipes principais dos seus clubes. Para mim, não é diferente. Eu tenho sim e estou me preparando cada vez mais, me qualificando cada vez mais, buscando me aperfeiçoar, cada dia mais, conhecendo muitas filosofias de jogo e as estruturas de clubes do futebol brasileiro e mundial”.

Osmar Loss comandou o Bragantino, no início da Série B de 2015, na parceria do clube com o Corinthians. Ficou pouco tempo e retornou para a base. Na sua gestão, despontaram nomes como Léo Príncipe, Maycon, Matheus Pereira, Guilherme Arana, Marciel e Gabriel Vasconcellos. No entanto, apenas Arana teve aproveitamento maior no time principal.

 


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>