Blog do Praetzel

Arquivo : Corinthians

Roberto de Andrade: “Carille é o meu técnico até o final da gestão”
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

O Corinthians está na final do Campeonato Paulista para enfrentar a Ponte Preta, em duas partidas. O time chega à decisão com um esquema tático baseado no conjunto e na força defensiva, trabalho determinado pelo técnico Fábio Carille. O blog entrevistou o presidente Roberto de Andrade, que garantiu Carille até o final da sua gestão, em fevereiro de 2018, e ainda previu Campinas e Itaquera, como locais das partidas. Acompanhem abaixo.

O Corinthians mereceu chegar na final?

“Muito merecido. Não é pouco não. Jogou, ganhou dentro de campo, se empenhou, mostrou, jogou com grandes. Não foi jogo fácil, nenhum jogo foi fácil, jogamos no Morumbi, enfrentamos o São Paulo no nosso estádio, tem um grande time, as dificuldades são imensas. Mesmo ao longo do campeonato, todo mundo sabe, o Paulista é dificílimo de jogar, basta ver que nos últimos anos, um time do interior chegou sempre na final, até conquistando título. Então, acho muito merecido”.

Decisão em Campinas e na Arena do Corinthians?

“É isso aí. Se tudo correr normal, é assim que tem que ser”.

Como o Sr. analisa o time da Ponte Preta?

“Vejo forte. É um time forte, muito difícil de jogar. Vocês viram o jogo com o Palmeiras. O Palmeiras ficou pratimente 50, 60 minutos com a bola no pé e não conseguia furar aquela defesa da Ponte. É um jogo bem difícil. Então, não dá para falar que a Ponte é favorita, nem o Corinthians. É um jogo que nós temos que esperar e ver o que vai acontecer, mas é difícil”.

A aposta no Fábio Carille foi certeira?

“Acho que sim. Acho que vem fazendo um bom trabalho. O grupo assimilou bem tudo o que ele quer, tudo o que ele pede. Os resultados estão aparecendo. Isso ajuda também, né. Isso deixa o treinador com um pouco mais de tranquilidade para trabalhar e o elenco também. Estou muito contente”.

O título paulista fortalece a sua gestão, por ser no último ano?

“Não precisa de título para fortalecer gestão nenhuma. Independentemente disso, aquilo que estou fazendo pelo Corinthians, tenho convicção de que é o melhor para o Corinthians. Se vier um título, óbvio que é melhor. Nós já temos um Brasileiro na minha gestão. Se vier um Paulista, será muito bem-vindo”.

Carille é o seu treinador até o final da sua gestão?

“É. Meu treinador até o final da gestão”.

Houve muito prejuízo com a eliminação na Copa do Brasil?

“Não é muito representativo financeiramente, a não ser que você seja campeão, aí você tem um prêmio. Pensando de outra forma, qualquer dinheiro é bem-vindo. Como terá o dinheiro do Paulista, acaba tendo uma compensação. Eu acho quer perder, nunca é bom. Nunca ninguém quer, mas não dá para ganhar tudo. Infelizmente, não conseguimos passar nos pênaltis e estamos fora, mas estamos na final do Paulista”.

Roberto de Andrade tem mandato até o final de fevereiro de 2018. Além de estar na decisão do Paulista, o Corinthians ainda disputa a Copa Sul-Americana e terá o Brasileiro, a partir de 13 maio.


Carille e Ceni merecem crédito, independente de quem seja eliminado domingo
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Fábio Carille e Rogério Ceni começaram a temporada como grandes apostas de seus clubes. O ex-auxiliar virou técnico no Corinthians, após maus trabalhos de Cristóvão Borges e Oswaldo de Oliveira, num intervalo de quatro meses. Rogério Ceni assumiu com pompa e circunstância e enorme expectativa pelo seu grande passado no futebol e por ideias inovadoras. Quatro meses de trabalhos e os dois se encontram na semifinal do Paulista, decidindo uma vaga na decisão. Dá para compará-los? Acho que sim.

Carille tem mais experiência em comissão técnica e aproveitou bons ensinamentos táticos de Tite, na passagem vitoriosa pelo Corinthians. Definiu uma forma de jogar, mas acho que ainda demora para buscar outras alternativas, durante as partidas. O Corinthians tem padrão defensivo definido e venceu adversários assim, fazendo um gol e se fechando com eficiência. Agora, quando precisou atacar e variar seu esquema, não conseguiu. Cito o confronto diante do Brusque-SC, quando quase perdeu, e a eliminação contra o Inter, onde fez 1 a 0 e se retraiu, quando poderia ter matado o jogo. Depois de levar o empate, se desesperou, apesar de criar chances e não conseguiu ganhar nos 90 minutos. A derrota para o Inter expôs que o Corinthians precisa de opções, principalmente, para o Campeonato Brasileiro.

No São Paulo, Rogério Ceni adotou um modelo forte no ataque, correndo riscos na defesa. Tem jogadores de boa qualidade técnica e aproveita isso, com posse de bola e troca de passes. Agora, dá generosos espaços para os contra-ataques adversários. Já vimos o São Paulo dominar partidas, mas levar gols em momentos-chaves, pela falta de equilíbrio entre os setores. É possível agredir bastante, mas é preciso saber se recompor. Acho que isso ainda não foi encontrado por Rogério Ceni, que não abre mão da sua escolha inicial. No Brasileiro, o São Paulo será bastante atacado no Morumbi ou fora de casa e o sistema defensivo será mais exigido. No gol, Renan Ribeiro é o titular da hora, mas não duvido que o São Paulo busque um reforço para a posição.

Neste domingo, Carille ou Rogério Ceni? Um dos dois ficará pelo caminho no Estadual. Quem perder, merece ser detonado? Eu acho que não. São profissionais competentes. Podem e devem fugir um pouco das suas convicções, porque vão precisar de resultados também. Tomara que as diretorias pensem da mesma forma.


São Paulo e Corinthians. As eliminações influenciam para domingo?
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

São Paulo e Corinthians foram eliminados da Copa do Brasil e se enfrentam domingo, no jogo de volta das semifinais do Paulista, em Itaquera. O Corinthians tem a vantagem de 2 a 0 e pode perder até por um gol, que estará classificado para a decisão. O São Paulo precisará superar mais um desafio, após não conseguir passar pelo Cruzeiro, numa situação parecida. A quarta-feira terrível interfere no fim de semana?

Pelas atuações, o São Paulo ganhou moral para fazer o impossível. Fez sua melhor partida do ano. Encarou o Cruzeiro desde o início, abriu o placar e dominou o primeiro tempo. Na segunda etapa, manteve o ritmo, criou oportunidades e poderia ter ampliado. Levou um gol de falta, em desvio de Cueva, matando Renan Ribeiro. Não se intimidou e marcou o segundo gol com Gilberto, impedido. Pressionou até o fim e caiu de pé. Não sei se serve de consolo, mas o tricolor deu mostras de que pode conseguir o improvável: ganhar do Corinthians pela primeira vez, na Arena corintiana. Mas por dois gols? O ânimo mudou.

No Corinthians, em 180 minutos, o time jogou menos do que o Inter. No Beira-Rio, foi sufocado e poderia ter voltado derrotado. O empate em 1 a 1 virou uma grande vantagem em São Paulo. Marcelo Lomba fez três defesas, mas o Inter teve consistência e aumentou a dificuldade do confronto, na sua melhor performance de 2017.

Ontem, o Corinthians fez o gol cedo e esperou o Inter se abrir, para fechar a conta. Mais uma vez, confiou muito na única forma de jogar: fechado, buscando contra-ataque. Deu o campo para o Inter e sofreu o gol, após o volume muito maior da equipe gaúcha. Quem via o jogo, sentia que o Inter chegaria ao empate, pelo recuo corintiano. Depois da igualdade, parece que o Corinthians despertou, correndo como nunca e perdendo três chances claras. Marcelo Lomba defendeu, mas Cássio também foi exigido. A decisão por pênaltis foi justa pelo modelo dos dois times. Aí, veio o castigo. O Inter, se reorganizando para encarar uma Série B, eliminou um Corinthians que só sabe jogar de uma maneira. Quando precisou de qualidade e eficiência, não conseguiu, num torneio de maior expressão.

Corinthians e São Paulo, domingo. Corinthians deve carimbar a vaga, mas o São Paulo voltou a criar expectativas para dificultar as coisas para rival. Promessa de um bom duelo. A conferir.


Cássio destaca Corinthians eficiente e pede: “tem de se impor contra Inter”
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

O Corinthians vive uma semana decisiva em duas competições. Enfrenta o Inter, nesta quarta-feira, às 21h45 (de Brasília), em Itaquera, podendo empatar por 0 a 0 para se classificar para as oitavas de final da Copa do Brasil. No domingo, irá receber o São Paulo com vantagem de dois gols, para tentar confirmar sua presença na final do Campeonato Paulista. O blog entrevistou o goleiro Cássio com exclusividade. Ele projetou os dois confrontos, falou sobre a postura do time e minimizou o rótulo de “Quarta força” no Estado. Acompanhem abaixo:

O jogo contra o Inter será mais difícil do que o confronto diante do São Paulo?

“É difícil. Como a gente está pensando jogo a jogo, teve uma evolução boa nos últimos jogos, mas contra o Inter, será um jogo difícil. É na nossa casa, tenho certeza que o nosso torcedor vai lotar o estádio, vai ajudar a empurrar a equipe. O Inter é um time qualificado, mas com todo o respeito, nós vamos jogar diante da nossa torcida e temos que nos impor e buscar a classificação”.

Os resultados do Corinthians são melhores do que as atuações do time?

“Eu acho que sim. Em momentos, se tu fores considerar estatisticamente, de repente, vai te responder essa pergunta. Muitas vezes, a gente não tem a maior posse de bola. Em alguns jogos, a gente estava errando muitos passes, não estava conseguindo segurar a bola, controlar os jogos, deixava muito os adversários nos atacar. Hoje, já tem uma consistência. Contra o São Paulo e o Inter, a gente conseguiu controlar, errar menos passes, criar mais oportunidades e tendo mais chances de gols. Lógico, concordo contigo. Às vezes, têm jogos que a gente vai jogar por uma bola, se defender e fazer o gol. A gente cansou de perder partidas tendo dez chances, contra o Inter foi o jogo que a gente teve mais chances claras e conseguiu fazer um gol. Contra o São Paulo, a gente teve duas, três e conseguimos marcar dois gols. Ficamos felizes pela eficiência, porque no final das contas o que se vê são as vitórias. O que mantém a tranquilidade na equipe são as vitórias”.

É natural projetar uma final entre Corinthians e Ponte Preta, pelas vantagens obtidas?

“Muito próxima até, mas até a gente não confirmar essa classificação, a gente não pode falar. A outra semifinal, a gente tem que deixar de lado. Temos que focar na nossa decisão. Demos um grande passo, mas tem a segunda partida. Vamos respeitar a equipe do São Paulo, pensar no Inter, e no final de semana fazer o melhor para confirmar a vaga na final”.

O título paulista será uma resposta pelo rótulo de “Quarta força” do Estado?

“Não, não. A gente respeita muito, respeito tua opinião. Se fala muito, mas teoricamente o Palmeiras é a equipe que mais investiu, teoricamente é o favorito. Em outros anos, a gente contratou mais e se tornou o favorito, mas eu penso que no conjunto geral, não interessa a qualidade individual dos jogadores. Interessa o comprometimento com a equipe. Os jogadores que chegaram estão com grande comprometimento e isso faz a diferença. Muitas vezes, tu vês os 11 jogadores defendendo, um cai, o outro tenta cobrir a função. O que vale é o grupo. De maneira alguma, não é demérito nenhum, cada um tem sua opinião e nós jogadores sempre acreditamos que a gente pode chegar cada vez mais longe e trabalhamos para isso acontecer”.

Cássio é um dos líderes da equipe e remanescente do grupo campeão da Libertadores da América e Mundial, em 2012. Em 2017, levou apenas 11 gols, ajudado pela boa defesa composta por Balbuena e Pablo.


R. de Andrade diz que “seria legal pegar a Ponte” e já estuda reforços
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

O Corinthians pode ser Campeão Paulista, sem apresentar um futebol brilhante, mas simples e eficiente. A vitória de 2 a 0 sobre o São Paulo, deixou o time próximo de mais uma decisão estadual. O blog conversou com o presidente Roberto de Andrade, sobre a possibilidade de mais uma conquista, no último ano de gestão, um possível confronto com a Ponte Preta, 40 anos depois, e a projeção para o Campeonato Brasileiro, competição em que acredita que o time precisa contratar dois ou três reforços para fortalecer o elenco. Leia abaixo.

Como o Sr. define o time do Corinthians hoje?

“Eu não tenho uma definição própria. Eu vou muito atrás do que vocês falam. Vocês dizem que é a quarta força e eu acredito que é a quarta força. Então, vamos aguardar. Estamos aí, trabalhando, brigando, somos a quarta força”.

O Sr. acha que o time está pronto para ser campeão ou ainda é cedo para falar isso?

“É muito cedo. Foi apenas o primeiro jogo contra o São Paulo, tem o jogo de volta, São Paulo é um grande time. Como nós ganhamos no Morumbi, o São Paulo pode muito bem ganhar no nosso estádio. Então, pés no chão, vamos trabalhar. Acredito que demos um passo importante, mas vamos aguardar o segundo jogo”.

Inter será mais difícil que o São Paulo, nesta quarta-feira, pela Copa do Brasil?

“Não sei fazer uma análise. Acho que os dois jogos serão difíceis, tanto Inter, quanto São Paulo no domingo. Eu acho que se o Corinthians repetir as últimas duas atuações, vai ser difícil tirar o Corinthians das duas competições. Vamos aguardar”.

O Sr. ficará satisfeito se o Corinthians for campeão com o futebol atual, apresentado pela equipe?

“Lógico. O título é o objetivo de qualquer clube e o nosso não é diferente. Acho que é um clube que vem num crescente, a cada jogo, os atletas estão se dedicando bastante, trabalhando muito. Eu acho que nós estamos no caminho certo”.

A final será Corinthians e Ponte Preta pelas vantagens dos primeiros jogos?

“É um bom caminho, mas no futebol já vimos de tudo. Então, é bom sempre ficar com os pés no chão, aguardando. As vitórias de Corinthians e Ponte Preta foram muito boas, mas em se tratando do Palmeiras, que é um grande time, pode fazer três gols também. Tudo pode”.

Seria legal enfrentar a Ponte Preta, 40 anos depois da histórica decisão de 1977?

“77 foi o título mais importante que eu vi. Estava no estádio, com 17 anos. Nunca tinha visto o Corinthians ser campeão. Mexeu com todos os corintianos e até hoje é o título mais importante para mim. Pelo simbolismo, seria legal porque estaríamos comemorando os 40 anos do título, seria muito legal. Mas enfrentar a Ponte seria muito difícil, jogar em Campinas é super complicado, não é brincadeira. Tem o lado positivo para a Ponte também. Esperar 40 anos para uma grande revanche, nunca foi campeã paulista. Seria uma festa legal”.

Qual a projeção que o Sr. faz para o Campeonato Brasileiro?

“Acredito eu, a nossa ideia é trazer mais dois ou três jogadores, para deixar o elenco mais forte. Acabando o Paulista, a gente vai se dedicar nisso também, para deixar o time mais forte no Brasileiro. O Brasileiro sempre é difícil. Esse ano, a gente está vendo aí quatro, cinco, meia dúzia de clubes, e queremos estar dentro desse grupo, que tem chance de conquistar o título. Então, nós vamos nos preparar para isso”.

O seu vice-presidente André Olíveira divulgou vídeos onde afirma que está de olho em todo mundo e que sabe quem se aproveitou do clube. O que o Sr. acha sobre isso?

“Acho que você tem que perguntar para ele, porque eu também não sei. Eu li a matéria, me encontrei com ele no jogo, mas não perguntei a ele e nem sei o que ele quis dizer. Conheço o André. A gente sabe que ele gosta de provocar os adversários. Estamos num ano político, não podemos esquecer isso no Corinthians. Então, deve ser mais um fato relacionado à política”.

Roberto de Andrade termina seu mandato, em fevereiro de 2018. O Corinthians foi campeão brasileiro em 2015, mas viveu um 2016 complicado. Em 2017, Roberto escapou de um processo de impeachment no Conselho Deliberativo, em fevereiro.

 


Na mira do Corinthians, atacante vê Ponte forte para ganhar o Paulista
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

A Ponte Preta luta por um título na sua história centenária. Terá a oportunidade de conquistá-lo, abrindo as semifinais contra o Palmeiras, neste domingo, em Campinas. O time evoluiu com a chegada do técnico Gilson Kleina e eliminou o forte Santos, nas quartas-de-final. Um dos destaques da equipe é o atacante Clayson. Aos 22 anos, o garoto vem apresentando boas atuações desde 2016. Nos planos do Corinthians para o restante da temporada, Clayson concedeu entrevista exclusiva ao blog, admitindo a pressão por uma conquista da Ponte, os confrontos diante do Palmeiras e o interesse corintiano no seu futebol. Leia abaixo.

Chegou a hora da Ponte Preta ganhar um título ou o time é inferior aos adversários?

“Acho que na minha opinião, chegou a hora da Ponte Preta ganhar um título. Vem fazendo bom trabalho, durante anos, plantando coisas boas. Então, acho que chegou a hora. A gente sabe que não é fácil, mas estamos batalhando muito para isso e se vier, com certeza, será felicidade de todo mundo que está esperando esta grande conquista”.

Como fazer para segurar o Palmeiras em dois jogos?

“Olha, a gente sabe que o Palmeiras é o time que mais investiu no Brasil, porém, a gente sabe da nossa força dentro de casa, da qualidade do nosso elenco e pode ter certeza que a gente vai dar o nosso máximo para poder conseguir uma vantagem no primeiro jogo e conseguir chegar na final do Campeonato Paulista”.

A mudança de técnico teve influência no bom momento da Ponte Preta ou não?

“Acho que cada um plantou o que teve de melhor e a gente pôde absorver aquilo que era fundamental para gente. Claro que o Felipe Moreira foi muito importante no momento em que esteve aqui, mas o Gilson também chegou, deu uma cara nova para o time e com certeza, também vem sendo muito importante nessa reta final do campeonato”.

Há muita pressão pelo primeiro título da Ponte Preta, mesmo com dificuldades pela frente?

“Num time da grandeza da Ponte Preta, sempre haverá pressão, independentemente de título ou em cada jogo. Mas a pressão é inegável, sempre vai existir, mas a gente age naturalmente, a gente está focado para buscar esse título tão sonhado pela Ponte Preta”.

Corinthians te procurou para reforçar o time, após o Paulista?

“Isso eu deixo para o meu representante resolver, lógico que estou sabendo via internet, mas até mim, não chegou nada oficial. Então, tenho contrato longo com a Ponte Preta, meu foco é aqui. Acho que não é nem hora de falar sobre isso, a gente está numa semifinal de Paulista. Então, estou muito focado aqui. Meu contrato vai até o final de 2020. O foco é a Ponte Preta, depois meu representante pode ver isso”.

Clayson foi revelado na base do União São João de Araras. Passou por Grêmio e Ituano, até chegar à Ponte Preta, em 2015. Já disputou mais de 80 jogos e virou titular da equipe.


Inter e Corinthians virou rivalidade nacional. Episódios mostram isso
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Inter e Corinthians virou uma rivalidade nacional, após quatro momentos importantes em duas gerações diferentes. Em 1976, quando comecei a entender o futebol, os dois decidiram o Campeonato Brasileiro, em jogo único no Beira-Rio. O Corinthians não ganhava títulos desde 1954 e chegava a Porto Alegre, após a histórica invasão da torcida ao Maracanã, na semifinal contra o Fluminense. Só que o Inter era mais time e confirmou o bicampeonato com vitória por 2 a 0, gols de Dario e Valdomiro, de falta, com reclamações dos corintianos de que a bola não havia entrado. Entrou, bastante. Em 1977, duelaram duas vezes pela Libertadores da América, a primeira do Corinthians, com um triunfo colorado e um empate. O Inter se classificou e o Corinthians foi eliminado.

Em 2005, 28 anos depois, o polêmico Brasileiro dos 11 jogos anulados, com o escândalo da arbitragem, protagonizado pelo ex-árbitro Edilson Pereira de Carvalho. A determinação do STJD, beneficiou o Corinthians e prejudicou o Inter, que era líder e passou para o quarto lugar, num intervalo de duas horas. A bronca se acirrou com o empate de 1 a 1, em novembro, no Pacaembu. O goleiro Fábio Costa fez pênalti escandaloso em Tinga e o árbitro Márcio Resende de Freitas não apitou e ainda expulsou Tinga. O resultado foi fundamental para o Corinthians ser campeão na última rodada, com o Inter como vice-campeão. Apesar do Corinthians não ter influência na anulação das partidas, o Clube claramente levou vantagem na competição. Este episódio jamais será esquecido pelos colorados e serviu para acirrar os ânimos. Qualquer confronto entre os dois, passou a ser encarado como diferente em relação aos demais.

Em 2007, o Corinthians foi rebaixado e até hoje, nomes importantes corintianos acusam o Inter de ter entregue o jogo para o Goiás, no Serra Dourada, num acordo entre o falecido Fernandão, o goleiro Clemer e o atacante Iarley com os goianos, sob o comando de Abel Braga. A derrota colorada salvou o Goiás e ajudou a rebaixar o Corinthians. O treinador e os ex-atletas negam tudo.

Em 2009, uma final de Copa do Brasil. O Corinthians de Ronaldo diante do Inter de D’Alessandro. Muita rivalidade e título corintiano, depois de uma vitória e um empate. A decisão até hoje é lembrada pelo DVD apresentado pelo ex-presidente Fernando Carvalho, apontando erros de arbitragem a favor do Corinthians, antes do segundo confronto. Eu estava lá e falei a Carvalho que aquilo não tinha nexo naquele momento, porque as coisas se definiriam em campo. O Inter fez um jogo razoável e o Corinthians mereceu a conquista.

De lá para cá, qualquer episódio serve para acirrar os ânimos. O último foi o negócio envolvendo a troca Valdívia por Giovanni Augusto. Apesar dos desmentidos, tudo estava encaminhado, mas com o vazamento na mídia, a transação não andou e as duas diretorias trocaram acusações.

Agora, duas partidas pela quarta fase da Copa do Brasil. Corinthians na Série A e Inter na Série B. Podem esperar que serão dois embates com muita competição e entrega. Quem passar, certamente, vai gozar o outro e será assim eternamente. Torço para que tudo sempre se decida entre as quatro linhas.

 

*Curso de Jornalismo Esportivo em São Paulo, no mês de maio. Informações pelo cursojoresportivo@gmail.com

 


Ex-coordenador nega que base seja tomada por empresários no Corinthians
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

O Corinthians surpreendeu sócios, torcedores e imprensa, quando mudou todo o comando das categorias de base, em março. Profissionais que participaram do título da Copa São Paulo Jr. acabaram dispensados ou rebaixados. O diretor Fausto Bittar saiu para dar lugar a Carlos “Nei” Nujud.

O ex-lateral Coelho virou técnico do Sub-20 e voltou a ser auxiliar, menos de 30 dias depois. O coordenador Rodrigo Leitão foi contratado em novembro e foi mandado embora, em março. Há quem diga no clube que a “entrega” do departamento de base a um grupo político, ocorreu em troca de apoio para assegurar a permanência do presidente Roberto de Andrade, com o fim do processo de impeachment, no Conselho Deliberativo, dia 20 de fevereiro.

O blog entrevistou Rodrigo Leitão com exclusividade sobre sua rápida passagem, os processos de avaliação e se há corrupção no setor. Leia abaixo.

Por que saíste do Corinthians tão rápido?

A nova direção optou por outro profissional. O que posso dizer é que em pouco tempo enquanto estive no Clube, em conjunto com todo o grupo de trabalho, houve muitos e significativos avanços. Continuo torcendo para a sequência do que estava em construção. Sob o ponto de vista dos processos técnicos, conseguimos por exemplo:

a) Delineamento de um planejamento de curto, médio e longo prazo (plurianual);

b) Definição de conteúdos de trabalho para cada faixa etária, de acordo com a fase sensível de desenvolvimento e      aprendizagem de cada categoria (respeitando etapas de iniciação, especialização, alto rendimento e transição);

c) Organização de treinos para o desenvolvimento das habilidades motoras, cognitivas, emocionais, sociais e     educacionais, com integração entre os profissionais de cada categoria;

d) Caracterização do perfil (físico-fisiológico-técnico-tático-psicológico) do jogador de base desejado pelo Clube;

e) Construção de Centro de Inteligência (CADI2) que além de monitorar o desenvolvimento dos jogadores de base do Clube, passou a ser um dos pontos de apoio do Departamento de Captação na avaliação prévia de jogadores de base;

f) Em conjunto com o Departamento de Captação definição de parâmetros observáveis e concretos para avaliação de jogadores (com objetivo de minimização de erros);

g) Efetivação do trabalho do Departamento de Fisiologia da base;

h) Efetivação da utilização do Centro de Treinamento da base.

(e isso tudo sem mencionar resultados esportivos: a conquista da Copa São Paulo, dos Torneios Preparatórios para o Campeonato Paulista SUB15 e SUB17).

Então estou certo de que há grande potencial para que as coisas sigam avançando exponencialmente.

A base do Corinthians está tomada por empresários? Só joga quem é indicado ou tem padrinho?

Não. Estive no Corinthians por cinco anos (na minha primeira passagem – até janeiro de 2015). Voltei agora para um projeto de caráter técnico-metodológico. Campo total.

Deve jogar quem está melhor, deve jogar quem tem merecimento para tal. E para não haver dúvida sobre a conduta de cada pessoa do grupo técnico de trabalho, é preciso ter muita clareza sobre como se dá a construção de processos, procedimentos e critérios que norteiam a decisão de todos (desde a aprovação de um jogador em avaliação até a escalação de jogadores para jogos).

Com clareza, com processo sólidos e bem construídos e com grupo de trabalho qualificado e bem treinado é quase impossível qualquer desvio da rota. Se faltam processos, procedimentos e critérios, se não há clareza técnica, haverá grande possibilidade de erro. E em um clube de tamanha grandeza o erro vai dar margem para interpretações diversas. Por isso não pode haver erro. Não aceitaria implementar um projeto técnico no Clube se houvesse qualquer chance de interferência de empresários.

Muito se fala que a gestão do Fausto Bittar, com teu apoio, estava “limpando” a base contra corrupção no departamento. Concordas com isso?

Voltei para o Clube com objetivo de ajudar a implementar ideias, processos, procedimentos, conteúdos e critérios de ordem técnica. Promover integração efetiva do grupo de trabalho no desenvolvimento dos jogadores. Meu trabalho esteve o tempo todo voltado para o campo.

Fausto tem uma visão moderna, séria e muito responsável sobre gestão e queria clareza sobre os processos e procedimentos, institucionalizá-los, tê-los com objetivos bem definidos para não dar margem para qualquer erro ou possível “desvio de conduta”.

Por que o Corinthians aproveitou poucos meninos de cinco anos para cá, mesmo com vários títulos nas categorias?

“O processo de desenvolvimento dos jogadores de base não termina quando eles são promovidos da categoria SUB20 ao profissional. Ele continua na equipe profissional com paciência e qualidade de trabalho. O Corinthians vem conquistando títulos e promovendo jogadores. O aproveitamento vai se dando aos poucos.

Esse ano em partida contra o Red Bull pelo Campeonato Paulista, seis jogadores promovidos da base do Clube recentemente iniciaram o jogo (além do Jô). O processo de formação do jogador com perfil Corinthians é aquele que quer formar jogadores vencedores esportivamente falando. Chegar longe nas competições (para garantir maior minutagem competitiva).

Disputar “finais” para garantir exposição durante o processo de formação à momentos decisivos. Não é o vencer a qualquer custo. É o vencer como consequência lógica de um trabalho muito bem feito para o máximo desenvolvimento das potencialidades dos jogadores. A maior atenção a etapa de transição base/profissional, e a consciência de que o processo de formação continua na equipe principal, vão a médio prazo aumentar cada vez mais a utilização de jogadores formados no Clube, sem dúvida”.

Como se revelam bons jogadores, na tua opinião.

Falando em linhas gerais, sem levar em conta um clube em especial:

a) Antes de mais nada: clareza no perfil de jogador que se quer desenvolver, clareza sobre o perfil do jogador que se deve captar, e claro, conexão entre essas duas coisas. Formar bons jogadores sem perfil para um clube será bom para outro clube;

b) Ambiente de aprendizagem apropriado;

c) Qualidade do trabalho (o trabalho faz sim a diferença – para isso bons profissionais);

d) Controle de qualidade preciso sobre o trabalho e sobre o desenvolvimento dos jogadores;

e) Compreensão de que o jogador, antes de ser jogador é “ser humano” que joga, como indivíduo integral e total, que tem necessidades, anseios, problemas;

f) Processo claro, definido e coerente de promoção de jogadores categoria a categoria até chegada na equipe profissional;

g) Entendimento de que o processo de desenvolvimento continua mesmo quando o jogador é promovido das categorias de base para a equipe profissional;

h) Integração efetiva nos clubes “base-profissional”;

i) Estrutura adequada para construção do Ambiente de Aprendizagem e para boas condições de treino e convívio.

Quem destacarias a médio e longo prazo, hoje.

Esse é o tipo de informação que é estratégica do Clube. Então não posso responder.

Vais trabalhar na CBF, ao lado de Edu Gaspar?

Não que eu saiba. Apesar das especulações em torno do meu nome não recebi nenhum contato da CBF sobre essa questão.

É possível ter gestão profissional na base com os clubes brasileiros envoltos em problemas financeiros e políticos?

Sim, claro! Mas essa é uma discussão longa e profunda que resultaria em horas de conversa porque passaria pelo debate sobre modelos de gestão, sobre novas soluções para problemas antigos, sobre fazer mais e melhor dentro das condições atuais dos clubes (o que é diferente de fazer “o possível”), mas não só dos clubes… do país de uma forma geral. Então proponho em nova oportunidade uma conversa sobre o tema.

Leitão já tinha trabalhado como técnico da base corintiana de 2010 a 2015. Hoje, o Corinthians tem Guilherme Arana e Maycon como titulares do profissional, além de Jô, que saiu e voltou. Léo Príncipe, Pedro Henrique, Mantuan, Pedrinho, Marciel e Léo Jabá também estão integrados.

 

*Curso de Jornalismo Esportivo em São Paulo, no mês de maio. Informações pelo cursojoresportivo@gmail.com


Corinthians tem melhores resultados do que atuações. Será suficiente?
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

O Corinthians está nas semifinais do Campeonato Paulista, após vencer o Botafogo, em mais uma jornada de um futebol simples, sem muitos atrativos. É verdade que tem a segunda melhor campanha na classificação geral, mas os resultados são bem melhores do que as atuações do time.

Em 14 jogos, marcou apenas 15 gols. Pouco para uma equipe que tem dificuldades, quando precisa furar bloqueios defensivos dos adversários. É justo dizer que a defesa é eficiente, com nove gols sofridos, mesmo número do rival Palmeiras. Passou invicto pelos clássicos, com bom desempenho diante do Santos e vitória sobre o Palmeiras, nos acréscimos, com um homem a menos.

Num regulamento de mata-mata, nem sempre o elenco superior fica com a taça. O Corinthians pode ser campeão paulista? Pode. Pegará São Paulo ou Ponte Preta, decidindo em casa, provavelmente(se a Ponte Preta fizer 3 a 0 no Santos, decidirá fora). Joga fechadinho para não perder e depois leva a vantagem para o segundo confronto, diante da torcida. É uma estratégia que pode funcionar contra equipes menos qualificadas e se baseando no equilíbrio tático e eficiência num lance de jogo. Porque quando depende do talento, o Corinthians pena dentro de campo.

Alguns corintianos lembram da “empatite” do técnico Tite, em 2013, para justificar o trabalho atual. Ora, aquele grupo ganhou tudo em 2012 e o Paulista e Recopa, em 2013. Vinha de um fim de ciclo e de uma ressaca no relacionamento. Não dá para comparar.

Fábio Carille brincou que não poderemos mais dizer que o Corinthians é a quarta força, porque chegou entre os quatro. Nome por nome e elenco, o Corinthians está atrás de Palmeiras, Santos e São Paulo e foi amassado pela Ponte Preta, na primeira fase, apesar do 1 a 1.

Eu não gosto desta maneira de jogar. Não me atrai. Talvez, sirva para o Estadual, mas certamente enfrentará muitos obstáculos no Brasileiro e até na Copa do Brasil e Copa Sul-Americana, onde o Corinthians será constantemente atacado. Os resultadistas estão felizes e o Corinthians pode colocar a história à prova, onde já foi campeão sem ter um bom time. Respeito quem defende este modelo, mas acredito que só isso não será suficiente.


Primeiro reforço do ano, meia ainda não estreou no Corinthians após 4 meses
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

O primeiro reforço do Corinthians para 2017 ainda não estreou. Em dezembro do ano passado, o meia-atacante Luidy chegou do CRB de Alagoas como um nome de potencial para atuar no grupo, normalmente. Quatro meses depois, Luidy não disputou nenhuma partida e não foi inscrito no Campeonato Paulista e Copa Sul-Americana.

“Isso estava previsto. O Luidy veio com déficit físico e fez um trabalho especial. Ganhou 4kg de massa muscular e está treinando forte, aguardando uma oportunidade. Foi muito bem recebido pelos atletas,  sempre o apoiando e o elogiando pela vontade no dia-a-dia”, afirmou o empresário de Luidy, Marcos Fialdine.

Luidy assinou contrato de quatro anos, mas pode ser emprestado para ganhar experiência. “Vou conversar com o Alessandro (gerente de futebol). Estamos tranquilos. É aguardar a decisão do treinador. Já houve procura por parte de alguns clubes interessados, inclusive paulistas. O Luidy segue trabalhando e está satisfeito no Corinthians”, ressaltou.

Luidy foi contratado pelo ex-diretor de futebol, Eduardo Ferreira. Em 2016, fez boa temporada pelo CRB, chamando a atenção com bom desempenho na Série B do Brasileiro.