Blog do Praetzel

Arquivo : Corinthians

Corinthians busca um meia no mercado
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

O Corinthians não esconde de ninguém que busca reforços para o Campeonato Brasileiro, mesmo com a conquista do Paulista. Além do lateral-direito Cicinho, ex-Santos e Ponte Preta, e do atacante Clayson, da Ponte Preta, a diretoria quer um meia para a reserva de Rodriguinho e Jadson.

Hoje, apenas o garoto Pedrinho é opção. Giovanni Augusto está machucado e Marquinhos Gabriel perdeu espaço, apesar dos discursos a favor do atleta. Como o dinheiro está escasso, o Corinthians vasculha o mercado brasileiro para encaminhar alguma negociação.

O presidente Roberto de Andrade também considera importante não perder ninguém, mesmo com a necessidade financeira do clube. Fagner e Guilherme Arana são nomes cotados para deixar o Corinthians, com o surgimento de ofertas do exterior.

A certeza é que os investimentos serão pequenos em contratações, com nomes pontuais e indicados pelos analistas de desempenho, fundamentais hoje para muitas comissões técnicas.


Corinthians encaminha contratação do lateral Cicinho
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

O Corinthians deve anunciar a contratação do lateral-direito Cicinho, ex-Santos e Ponte Preta. O blog apurou que o jogador está próximo de voltar ao Brasil por empréstimo de uma temporada. Cicinho está no Ludogorets da Bulgária, desde agosto de 2015. Disputou 31 partidas e marcou um gol.

Em 2017, foram 20 jogos, com 1.706 minutos em campo e três confrontos da Liga dos Campeões. Cicinho vem para ser opção a Fagner, reforçando a disputa pela posição. O garoto Léo Príncipe, reserva imediato, não agradou.

Cicinho foi revelado pelo Remo-PA. Depois passou por Juventude e Brasiliense, até chegar à Ponte Preta, onde teve boas atuações. Em Campinas, fez 75 jogos e marcou seis gols, de 2012 a 2013.

Contratado pelo Santos, foi titular e completou 100 partidas, com quatro gols, de 2013 a 2015, quando foi negociado com os búlgaros.


Jô me surpreendeu e virou o melhor jogador do Paulista
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Quando o Corinthians anunciou a contratação de Jô, confesso que não fiquei muito entusiasmado. Ele vinha em queda técnica e sob muita desconfiança, após deixar o Brasil, depois de fazer parte do elenco da Seleção Brasileira, no fiasco da Copa do Mundo de 2014. Jô ficou marcado como um jogador pouco comprometido e com problemas disciplinares, fora de campo. Foi para o mundo árabe e voltou ao Corinthians, numa contratação sem badalação, com três anos de contrato e pagamento de R$ 1,5 milhão de comissão ao empresário. As críticas foram muito grandes, na mídia e entre os torcedores.

Em setembro de 2016, Jô começou a treinar e ganhou elogios de todos, prevendo um bom ano de 2017. Fábio Carille parecia enxergar longe ao apostar no desempenho do atacante. Jô ganhou confiança, teve boas atuações e marcou cinco gols em cinco clássicos. Despontou como o principal nome ofensivo do Paulista. Claro que o Estadual não é parâmetro para maiores desafios, mas Jô foi bem contra os grandes rivais corintianos e isso fortalece sua participação. Não o vejo convocado para a Seleção Brasileira porque há opções melhores e superiores na parte técnica. Agora, aqui na terrinha, Jô foi o melhor jogador do Paulista, na minha opinião. Se vai manter a eficiência num Brasileiro competitivo e difícil, prefiro aguardar. Como futebol é momento, deixo esta avaliação.

Estendo a análise para a Seleção do torneio. Cássio; Samuel Santos(Botafogo), Pablo, Edu Dracena e Guilherme Arana; Felipe Melo, Fernando Bob(Ponte Preta), Rodriguinho e Jadson; Pottker e Jô.

Técnico: Fábio Carille. Talvez, melhor do que todo o time do Corinthians.


Corinthians será Campeão Paulista com méritos e eficiência
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

O Corinthians é o Campeão Paulista de 2017. Afirmo isso pelo que eu vi no primeiro jogo da final contra a Ponte Preta. O resultado de 3 a 0 mostrou um time consolidado, dentro da sua forma de jogar, sem nenhum sofrimento, em Campinas. Uma vitória com autoridade e amplo domínio, diante de um adversário complacente e sem vibração nenhuma. O confronto foi mais fácil do que as partidas diante de Botafogo e São Paulo. Sem sustos.

A defesa manteve seu padrão seguro e Rodriguinho e Jadson decidiram, quando tiveram as oportunidades. O Corinthians não é brilhante, mas é extremamente eficiente e vai levantar seu 28º troféu com justiça, pelos números alcançados. Mérito do técnico Fábio Carille, que apostou numa formação tática definida, baseada na forte marcação e aproveitamento dos erros dos oponentes, contando com a qualidade técnica de três nomes: Jô, Jadson e Rodriguinho.

O Corinthians nunca perdeu por três gols de diferença na Arena e não perderá por esse escore, na sua casa. Será campeão diante da sua torcida, com festa no próximo domingo, respeitando a Ponte Preta e com o regulamento debaixo do braço. Não estou desmerecendo a Ponte Preta, mas não vejo reação, nem futebol, para conseguir o improvável.

Parabéns Corinthians e sua torcida.


Fellipe Bastos vê final parelha e prevê forte pressão por título na Ponte
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

O Corinthians tem três jogadores que já vestiram a camisa da Ponte Preta: Pablo, Maycon e Fellipe Bastos. O volante foi vice-campeão da Copa Sul-Americana, em 2013, na derrota para o Lanús-ARG. O blog entrevistou Fellipe Bastos com exclusividade, sobre o clima para a decisão do Paulista, a pressão por títulos na Ponte e o respeito ao adversário na final. Acompanhem abaixo.

Você atuou na Ponte Preta e agora no Corinthians, o que achas de uma final, 40 anos depois?

“É uma final esperada por todo mundo. Desde que a Ponte conseguiu a classificação, todo mundo lembrou da decisão de 40 anos atrás, tudo o que aconteceu. Eu e o Maycon, que já atuamos na Ponte Preta, temos um carinho enorme por eles, mas a gente está defendendo o Corinthians e vamos buscar esse título”.

Como vês a Ponte hoje, após ter passado pelo clube?

“A Ponte muito mais forte, uma Ponte muito mais sólida. Quando passei lá, a gente disputou a final da Sul-Americana, mas a gente acabou caindo no Brasileiro. Não éramos tão fortes, como a Ponte Preta está hoje. Eu acho que a gente tem que ter cuidado, estudar a Ponte, para a gente não ter nenhum tipo de surpresa nas duas partidas”.

A decisão passa por Campinas ou o Corinthians leva vantagem por decidir em casa?

“Não. Pelo que a Ponte vem mostrando, pelo que vem jogando também, gente está muito equiparado. A Ponte é muito forte dentro da sua casa. Não podemos cair no mesmo erro que o Palmeiras caiu. Temos que entrar ligados para que a gente não sofra nenhum tipo de supresa”.

O que destacaria no time da Ponte Preta?

“A velocidade. A velocidade que eles têm no contra-ataque, para finalizar as jogadas. Os três jogadores da frente são muito rápidos e muito chatos, na gíria do futebol. É com isso que a gente tem que se preocupar para que a gente possa fazer um excelente jogo lá e trazer a decisão para nossa casa”.

A pressão de 117 anos sem títulos pode atrapalhar a Ponte Preta?

“Eu acho que isso sempre atrapalha. É uma pressão que os jogadores carregam de não ter conquistado e a Ponte nunca conquistou nada. Eu acho que eles estão trazendo isso de uma maneira positiva para eles e a gente não pode cair nesse erro de que a Ponte estará pressionada. A gente tem que ir muito concentrado, sabendo do que a gente vai receber lá, onde a Ponte é muito forte”.

Felipe Bastos fez 21 jogos pela Ponte Preta e marcou quatro gols. No Corinthians, chegou no final de janeiro. Disputou 11 partidas e ainda não fez nenhum gol.


Gerente corintiano vê Clayson chamar atenção, mas só falará dele após final
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

O Corinthians chegou à final do Campeonato Paulista por merecimento. A afirmação é do gerente de futebol, Alessandro Nunes. O ex-lateral do clube entende que Fábio Carille mostrou trabalho e convicções para levar o time à decisão. Em entrevista exclusiva ao blog, Alessandro rejeita favoritismo, ressalta a escolha em Carille e confirma o interesse no atacante Clayson da Ponte Preta. Leia abaixo.

Corinthians na final por merecimento ou foi uma supresa pelo rendimento do time?

“Primeiro, merecimento. Chegar numa final de Campeonato Paulista, que na minha opinião, é o Estadual mais difícil do país, no mínimo você tem que merecer. Então, esses atletas e toda a comissão técnica vêm levando esse grau de merecimento a cada jogo. Oscilou, o que é normal, numa equipe em construção. Eu fico com essa palavra até o momento, que é uma palavra, independentemente do resultado final. Nós sabemos que aqui no Brasil, tudo é premiado quando se chega numa conquista. Dizem que segundo lugar, não vale muita coisa. Mas eu olhando todo o esforço, dedicação e trabalho dos atletas e treinador, fico extremamente feliz com o resultado alcançado por eles”.

Fábio Carille foi uma aposta certeira?

“É uma certeza de ter feito uma escolha boa em dezembro. Acreditar num profissional que está há anos dentro do clube, que conhece muito bem de futebol e de gerenciar pessoas. Tem mostrado isso no dia-a-dia, inclusive, não mudou uma vírgula no seu comportamento, atitude, um cara extremamente simples. Tem suas ideias, convicções, montou uma equipe muito preparada e forte também para isso. Então, acho que está tudo indo para que ele consiga traçar uma longa carreira como treinador de futebol, daqui para frente”.

Corinthians é favorito? Ponte é uma supresa? O que você destacaria?

“Não dá para dizer que equipe nenhuma que chega numa final de Campeonato Paulista, vá ser surpresa. A Ponte está fazendo um excelente trabalho, tem um elenco muito bom. Ganhar do Palmeiras, que montou, na opinião de muitos, o melhor elenco do cenário nacional. De 3 a 0 muito expressivo, tem que ser respeitado. Administrou muito bem o jogo de volta. Uma equipe sólida, que marca muito e que a margem de erro contra uma equipe dessa, tem que ser muito pequena, se não custa muito caro”.

É curioso enfrentar a Ponte, 40 anos depois do histórico título de 1977?

“Foi um ano marcante. Foi um título que o torcedor corintiano faz questão de lembrar, de contar, de reviver. Então, não tem como, por mais que eu nem tinha nascido naquela ocasião, você não estar por dentro desta história e o torcedor corintiano deve estar olhando um pouquinho para o passado recordando esse orgulho que ele tem de lembrar. E que nós aqui, agora em 2017, possamos fazer um grande espetáculo. Que seja uma grande final de campeonato, que realmente vença o merecedor, sem melindre nenhum em falar nisso. A gente sabe o quanto é difícil chegar lá. Vai fazer dois jogos contra uma equipe que também vonquistou essa vaga na final. Então, vamos voltar para o merecimento que nos levou até agora. Que a gente consiga trabalhando e buscando merecer ser campeão agora”.

Confirmas o interesse no Clayson da Ponte, mesmo que ele esteja envolvido na final do Paulista?

“Sou sempre muito reservado em falar de atletas que a gente está conversando ou sondando ou acha que pode vestir a camisa do Corinthians. Em duas semanas tão importantes, não quero gerar nenhum desconforto, principalmente para ambas as entidades e muito menos o atleta. É um atleta, que não só o Corinthians tem gostado dele, como outras equipes, não tenha dúvida. É um jogador que vem se destacando muito bem. Está fazendo uma competição com uma regularidade muito grande e é óbvio que chama a atenção. Mas eu me reservo no direito de não falar nada porque tenho certeza que ele também está lá bastante voltado para ter duas semanas importantes, fazer um bom jogo pela equipe dele. Depois do Paulista, a gente vê o destino”.

Alessandro foi alçado à condição de integrante da diretoria, em janeiro de 2014. Começou como Coordenador Técnico e virou Gerente de futebol, após a saída de Edu Gaspar para a CBF.


Roberto de Andrade: “Carille é o meu técnico até o final da gestão”
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

O Corinthians está na final do Campeonato Paulista para enfrentar a Ponte Preta, em duas partidas. O time chega à decisão com um esquema tático baseado no conjunto e na força defensiva, trabalho determinado pelo técnico Fábio Carille. O blog entrevistou o presidente Roberto de Andrade, que garantiu Carille até o final da sua gestão, em fevereiro de 2018, e ainda previu Campinas e Itaquera, como locais das partidas. Acompanhem abaixo.

O Corinthians mereceu chegar na final?

“Muito merecido. Não é pouco não. Jogou, ganhou dentro de campo, se empenhou, mostrou, jogou com grandes. Não foi jogo fácil, nenhum jogo foi fácil, jogamos no Morumbi, enfrentamos o São Paulo no nosso estádio, tem um grande time, as dificuldades são imensas. Mesmo ao longo do campeonato, todo mundo sabe, o Paulista é dificílimo de jogar, basta ver que nos últimos anos, um time do interior chegou sempre na final, até conquistando título. Então, acho muito merecido”.

Decisão em Campinas e na Arena do Corinthians?

“É isso aí. Se tudo correr normal, é assim que tem que ser”.

Como o Sr. analisa o time da Ponte Preta?

“Vejo forte. É um time forte, muito difícil de jogar. Vocês viram o jogo com o Palmeiras. O Palmeiras ficou pratimente 50, 60 minutos com a bola no pé e não conseguia furar aquela defesa da Ponte. É um jogo bem difícil. Então, não dá para falar que a Ponte é favorita, nem o Corinthians. É um jogo que nós temos que esperar e ver o que vai acontecer, mas é difícil”.

A aposta no Fábio Carille foi certeira?

“Acho que sim. Acho que vem fazendo um bom trabalho. O grupo assimilou bem tudo o que ele quer, tudo o que ele pede. Os resultados estão aparecendo. Isso ajuda também, né. Isso deixa o treinador com um pouco mais de tranquilidade para trabalhar e o elenco também. Estou muito contente”.

O título paulista fortalece a sua gestão, por ser no último ano?

“Não precisa de título para fortalecer gestão nenhuma. Independentemente disso, aquilo que estou fazendo pelo Corinthians, tenho convicção de que é o melhor para o Corinthians. Se vier um título, óbvio que é melhor. Nós já temos um Brasileiro na minha gestão. Se vier um Paulista, será muito bem-vindo”.

Carille é o seu treinador até o final da sua gestão?

“É. Meu treinador até o final da gestão”.

Houve muito prejuízo com a eliminação na Copa do Brasil?

“Não é muito representativo financeiramente, a não ser que você seja campeão, aí você tem um prêmio. Pensando de outra forma, qualquer dinheiro é bem-vindo. Como terá o dinheiro do Paulista, acaba tendo uma compensação. Eu acho quer perder, nunca é bom. Nunca ninguém quer, mas não dá para ganhar tudo. Infelizmente, não conseguimos passar nos pênaltis e estamos fora, mas estamos na final do Paulista”.

Roberto de Andrade tem mandato até o final de fevereiro de 2018. Além de estar na decisão do Paulista, o Corinthians ainda disputa a Copa Sul-Americana e terá o Brasileiro, a partir de 13 maio.


Carille e Ceni merecem crédito, independente de quem seja eliminado domingo
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Fábio Carille e Rogério Ceni começaram a temporada como grandes apostas de seus clubes. O ex-auxiliar virou técnico no Corinthians, após maus trabalhos de Cristóvão Borges e Oswaldo de Oliveira, num intervalo de quatro meses. Rogério Ceni assumiu com pompa e circunstância e enorme expectativa pelo seu grande passado no futebol e por ideias inovadoras. Quatro meses de trabalhos e os dois se encontram na semifinal do Paulista, decidindo uma vaga na decisão. Dá para compará-los? Acho que sim.

Carille tem mais experiência em comissão técnica e aproveitou bons ensinamentos táticos de Tite, na passagem vitoriosa pelo Corinthians. Definiu uma forma de jogar, mas acho que ainda demora para buscar outras alternativas, durante as partidas. O Corinthians tem padrão defensivo definido e venceu adversários assim, fazendo um gol e se fechando com eficiência. Agora, quando precisou atacar e variar seu esquema, não conseguiu. Cito o confronto diante do Brusque-SC, quando quase perdeu, e a eliminação contra o Inter, onde fez 1 a 0 e se retraiu, quando poderia ter matado o jogo. Depois de levar o empate, se desesperou, apesar de criar chances e não conseguiu ganhar nos 90 minutos. A derrota para o Inter expôs que o Corinthians precisa de opções, principalmente, para o Campeonato Brasileiro.

No São Paulo, Rogério Ceni adotou um modelo forte no ataque, correndo riscos na defesa. Tem jogadores de boa qualidade técnica e aproveita isso, com posse de bola e troca de passes. Agora, dá generosos espaços para os contra-ataques adversários. Já vimos o São Paulo dominar partidas, mas levar gols em momentos-chaves, pela falta de equilíbrio entre os setores. É possível agredir bastante, mas é preciso saber se recompor. Acho que isso ainda não foi encontrado por Rogério Ceni, que não abre mão da sua escolha inicial. No Brasileiro, o São Paulo será bastante atacado no Morumbi ou fora de casa e o sistema defensivo será mais exigido. No gol, Renan Ribeiro é o titular da hora, mas não duvido que o São Paulo busque um reforço para a posição.

Neste domingo, Carille ou Rogério Ceni? Um dos dois ficará pelo caminho no Estadual. Quem perder, merece ser detonado? Eu acho que não. São profissionais competentes. Podem e devem fugir um pouco das suas convicções, porque vão precisar de resultados também. Tomara que as diretorias pensem da mesma forma.


São Paulo e Corinthians. As eliminações influenciam para domingo?
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

São Paulo e Corinthians foram eliminados da Copa do Brasil e se enfrentam domingo, no jogo de volta das semifinais do Paulista, em Itaquera. O Corinthians tem a vantagem de 2 a 0 e pode perder até por um gol, que estará classificado para a decisão. O São Paulo precisará superar mais um desafio, após não conseguir passar pelo Cruzeiro, numa situação parecida. A quarta-feira terrível interfere no fim de semana?

Pelas atuações, o São Paulo ganhou moral para fazer o impossível. Fez sua melhor partida do ano. Encarou o Cruzeiro desde o início, abriu o placar e dominou o primeiro tempo. Na segunda etapa, manteve o ritmo, criou oportunidades e poderia ter ampliado. Levou um gol de falta, em desvio de Cueva, matando Renan Ribeiro. Não se intimidou e marcou o segundo gol com Gilberto, impedido. Pressionou até o fim e caiu de pé. Não sei se serve de consolo, mas o tricolor deu mostras de que pode conseguir o improvável: ganhar do Corinthians pela primeira vez, na Arena corintiana. Mas por dois gols? O ânimo mudou.

No Corinthians, em 180 minutos, o time jogou menos do que o Inter. No Beira-Rio, foi sufocado e poderia ter voltado derrotado. O empate em 1 a 1 virou uma grande vantagem em São Paulo. Marcelo Lomba fez três defesas, mas o Inter teve consistência e aumentou a dificuldade do confronto, na sua melhor performance de 2017.

Ontem, o Corinthians fez o gol cedo e esperou o Inter se abrir, para fechar a conta. Mais uma vez, confiou muito na única forma de jogar: fechado, buscando contra-ataque. Deu o campo para o Inter e sofreu o gol, após o volume muito maior da equipe gaúcha. Quem via o jogo, sentia que o Inter chegaria ao empate, pelo recuo corintiano. Depois da igualdade, parece que o Corinthians despertou, correndo como nunca e perdendo três chances claras. Marcelo Lomba defendeu, mas Cássio também foi exigido. A decisão por pênaltis foi justa pelo modelo dos dois times. Aí, veio o castigo. O Inter, se reorganizando para encarar uma Série B, eliminou um Corinthians que só sabe jogar de uma maneira. Quando precisou de qualidade e eficiência, não conseguiu, num torneio de maior expressão.

Corinthians e São Paulo, domingo. Corinthians deve carimbar a vaga, mas o São Paulo voltou a criar expectativas para dificultar as coisas para rival. Promessa de um bom duelo. A conferir.


Cássio destaca Corinthians eficiente e pede: “tem de se impor contra Inter”
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

O Corinthians vive uma semana decisiva em duas competições. Enfrenta o Inter, nesta quarta-feira, às 21h45 (de Brasília), em Itaquera, podendo empatar por 0 a 0 para se classificar para as oitavas de final da Copa do Brasil. No domingo, irá receber o São Paulo com vantagem de dois gols, para tentar confirmar sua presença na final do Campeonato Paulista. O blog entrevistou o goleiro Cássio com exclusividade. Ele projetou os dois confrontos, falou sobre a postura do time e minimizou o rótulo de “Quarta força” no Estado. Acompanhem abaixo:

O jogo contra o Inter será mais difícil do que o confronto diante do São Paulo?

“É difícil. Como a gente está pensando jogo a jogo, teve uma evolução boa nos últimos jogos, mas contra o Inter, será um jogo difícil. É na nossa casa, tenho certeza que o nosso torcedor vai lotar o estádio, vai ajudar a empurrar a equipe. O Inter é um time qualificado, mas com todo o respeito, nós vamos jogar diante da nossa torcida e temos que nos impor e buscar a classificação”.

Os resultados do Corinthians são melhores do que as atuações do time?

“Eu acho que sim. Em momentos, se tu fores considerar estatisticamente, de repente, vai te responder essa pergunta. Muitas vezes, a gente não tem a maior posse de bola. Em alguns jogos, a gente estava errando muitos passes, não estava conseguindo segurar a bola, controlar os jogos, deixava muito os adversários nos atacar. Hoje, já tem uma consistência. Contra o São Paulo e o Inter, a gente conseguiu controlar, errar menos passes, criar mais oportunidades e tendo mais chances de gols. Lógico, concordo contigo. Às vezes, têm jogos que a gente vai jogar por uma bola, se defender e fazer o gol. A gente cansou de perder partidas tendo dez chances, contra o Inter foi o jogo que a gente teve mais chances claras e conseguiu fazer um gol. Contra o São Paulo, a gente teve duas, três e conseguimos marcar dois gols. Ficamos felizes pela eficiência, porque no final das contas o que se vê são as vitórias. O que mantém a tranquilidade na equipe são as vitórias”.

É natural projetar uma final entre Corinthians e Ponte Preta, pelas vantagens obtidas?

“Muito próxima até, mas até a gente não confirmar essa classificação, a gente não pode falar. A outra semifinal, a gente tem que deixar de lado. Temos que focar na nossa decisão. Demos um grande passo, mas tem a segunda partida. Vamos respeitar a equipe do São Paulo, pensar no Inter, e no final de semana fazer o melhor para confirmar a vaga na final”.

O título paulista será uma resposta pelo rótulo de “Quarta força” do Estado?

“Não, não. A gente respeita muito, respeito tua opinião. Se fala muito, mas teoricamente o Palmeiras é a equipe que mais investiu, teoricamente é o favorito. Em outros anos, a gente contratou mais e se tornou o favorito, mas eu penso que no conjunto geral, não interessa a qualidade individual dos jogadores. Interessa o comprometimento com a equipe. Os jogadores que chegaram estão com grande comprometimento e isso faz a diferença. Muitas vezes, tu vês os 11 jogadores defendendo, um cai, o outro tenta cobrir a função. O que vale é o grupo. De maneira alguma, não é demérito nenhum, cada um tem sua opinião e nós jogadores sempre acreditamos que a gente pode chegar cada vez mais longe e trabalhamos para isso acontecer”.

Cássio é um dos líderes da equipe e remanescente do grupo campeão da Libertadores da América e Mundial, em 2012. Em 2017, levou apenas 11 gols, ajudado pela boa defesa composta por Balbuena e Pablo.