Blog do Praetzel

Arquivo : Base

Ex-coordenador nega que base seja tomada por empresários no Corinthians
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

O Corinthians surpreendeu sócios, torcedores e imprensa, quando mudou todo o comando das categorias de base, em março. Profissionais que participaram do título da Copa São Paulo Jr. acabaram dispensados ou rebaixados. O diretor Fausto Bittar saiu para dar lugar a Carlos “Nei” Nujud.

O ex-lateral Coelho virou técnico do Sub-20 e voltou a ser auxiliar, menos de 30 dias depois. O coordenador Rodrigo Leitão foi contratado em novembro e foi mandado embora, em março. Há quem diga no clube que a “entrega” do departamento de base a um grupo político, ocorreu em troca de apoio para assegurar a permanência do presidente Roberto de Andrade, com o fim do processo de impeachment, no Conselho Deliberativo, dia 20 de fevereiro.

O blog entrevistou Rodrigo Leitão com exclusividade sobre sua rápida passagem, os processos de avaliação e se há corrupção no setor. Leia abaixo.

Por que saíste do Corinthians tão rápido?

A nova direção optou por outro profissional. O que posso dizer é que em pouco tempo enquanto estive no Clube, em conjunto com todo o grupo de trabalho, houve muitos e significativos avanços. Continuo torcendo para a sequência do que estava em construção. Sob o ponto de vista dos processos técnicos, conseguimos por exemplo:

a) Delineamento de um planejamento de curto, médio e longo prazo (plurianual);

b) Definição de conteúdos de trabalho para cada faixa etária, de acordo com a fase sensível de desenvolvimento e      aprendizagem de cada categoria (respeitando etapas de iniciação, especialização, alto rendimento e transição);

c) Organização de treinos para o desenvolvimento das habilidades motoras, cognitivas, emocionais, sociais e     educacionais, com integração entre os profissionais de cada categoria;

d) Caracterização do perfil (físico-fisiológico-técnico-tático-psicológico) do jogador de base desejado pelo Clube;

e) Construção de Centro de Inteligência (CADI2) que além de monitorar o desenvolvimento dos jogadores de base do Clube, passou a ser um dos pontos de apoio do Departamento de Captação na avaliação prévia de jogadores de base;

f) Em conjunto com o Departamento de Captação definição de parâmetros observáveis e concretos para avaliação de jogadores (com objetivo de minimização de erros);

g) Efetivação do trabalho do Departamento de Fisiologia da base;

h) Efetivação da utilização do Centro de Treinamento da base.

(e isso tudo sem mencionar resultados esportivos: a conquista da Copa São Paulo, dos Torneios Preparatórios para o Campeonato Paulista SUB15 e SUB17).

Então estou certo de que há grande potencial para que as coisas sigam avançando exponencialmente.

A base do Corinthians está tomada por empresários? Só joga quem é indicado ou tem padrinho?

Não. Estive no Corinthians por cinco anos (na minha primeira passagem – até janeiro de 2015). Voltei agora para um projeto de caráter técnico-metodológico. Campo total.

Deve jogar quem está melhor, deve jogar quem tem merecimento para tal. E para não haver dúvida sobre a conduta de cada pessoa do grupo técnico de trabalho, é preciso ter muita clareza sobre como se dá a construção de processos, procedimentos e critérios que norteiam a decisão de todos (desde a aprovação de um jogador em avaliação até a escalação de jogadores para jogos).

Com clareza, com processo sólidos e bem construídos e com grupo de trabalho qualificado e bem treinado é quase impossível qualquer desvio da rota. Se faltam processos, procedimentos e critérios, se não há clareza técnica, haverá grande possibilidade de erro. E em um clube de tamanha grandeza o erro vai dar margem para interpretações diversas. Por isso não pode haver erro. Não aceitaria implementar um projeto técnico no Clube se houvesse qualquer chance de interferência de empresários.

Muito se fala que a gestão do Fausto Bittar, com teu apoio, estava “limpando” a base contra corrupção no departamento. Concordas com isso?

Voltei para o Clube com objetivo de ajudar a implementar ideias, processos, procedimentos, conteúdos e critérios de ordem técnica. Promover integração efetiva do grupo de trabalho no desenvolvimento dos jogadores. Meu trabalho esteve o tempo todo voltado para o campo.

Fausto tem uma visão moderna, séria e muito responsável sobre gestão e queria clareza sobre os processos e procedimentos, institucionalizá-los, tê-los com objetivos bem definidos para não dar margem para qualquer erro ou possível “desvio de conduta”.

Por que o Corinthians aproveitou poucos meninos de cinco anos para cá, mesmo com vários títulos nas categorias?

“O processo de desenvolvimento dos jogadores de base não termina quando eles são promovidos da categoria SUB20 ao profissional. Ele continua na equipe profissional com paciência e qualidade de trabalho. O Corinthians vem conquistando títulos e promovendo jogadores. O aproveitamento vai se dando aos poucos.

Esse ano em partida contra o Red Bull pelo Campeonato Paulista, seis jogadores promovidos da base do Clube recentemente iniciaram o jogo (além do Jô). O processo de formação do jogador com perfil Corinthians é aquele que quer formar jogadores vencedores esportivamente falando. Chegar longe nas competições (para garantir maior minutagem competitiva).

Disputar “finais” para garantir exposição durante o processo de formação à momentos decisivos. Não é o vencer a qualquer custo. É o vencer como consequência lógica de um trabalho muito bem feito para o máximo desenvolvimento das potencialidades dos jogadores. A maior atenção a etapa de transição base/profissional, e a consciência de que o processo de formação continua na equipe principal, vão a médio prazo aumentar cada vez mais a utilização de jogadores formados no Clube, sem dúvida”.

Como se revelam bons jogadores, na tua opinião.

Falando em linhas gerais, sem levar em conta um clube em especial:

a) Antes de mais nada: clareza no perfil de jogador que se quer desenvolver, clareza sobre o perfil do jogador que se deve captar, e claro, conexão entre essas duas coisas. Formar bons jogadores sem perfil para um clube será bom para outro clube;

b) Ambiente de aprendizagem apropriado;

c) Qualidade do trabalho (o trabalho faz sim a diferença – para isso bons profissionais);

d) Controle de qualidade preciso sobre o trabalho e sobre o desenvolvimento dos jogadores;

e) Compreensão de que o jogador, antes de ser jogador é “ser humano” que joga, como indivíduo integral e total, que tem necessidades, anseios, problemas;

f) Processo claro, definido e coerente de promoção de jogadores categoria a categoria até chegada na equipe profissional;

g) Entendimento de que o processo de desenvolvimento continua mesmo quando o jogador é promovido das categorias de base para a equipe profissional;

h) Integração efetiva nos clubes “base-profissional”;

i) Estrutura adequada para construção do Ambiente de Aprendizagem e para boas condições de treino e convívio.

Quem destacarias a médio e longo prazo, hoje.

Esse é o tipo de informação que é estratégica do Clube. Então não posso responder.

Vais trabalhar na CBF, ao lado de Edu Gaspar?

Não que eu saiba. Apesar das especulações em torno do meu nome não recebi nenhum contato da CBF sobre essa questão.

É possível ter gestão profissional na base com os clubes brasileiros envoltos em problemas financeiros e políticos?

Sim, claro! Mas essa é uma discussão longa e profunda que resultaria em horas de conversa porque passaria pelo debate sobre modelos de gestão, sobre novas soluções para problemas antigos, sobre fazer mais e melhor dentro das condições atuais dos clubes (o que é diferente de fazer “o possível”), mas não só dos clubes… do país de uma forma geral. Então proponho em nova oportunidade uma conversa sobre o tema.

Leitão já tinha trabalhado como técnico da base corintiana de 2010 a 2015. Hoje, o Corinthians tem Guilherme Arana e Maycon como titulares do profissional, além de Jô, que saiu e voltou. Léo Príncipe, Pedro Henrique, Mantuan, Pedrinho, Marciel e Léo Jabá também estão integrados.

 

*Curso de Jornalismo Esportivo em São Paulo, no mês de maio. Informações pelo cursojoresportivo@gmail.com


Carlinhos e Dellamore jogam menos que Kazim e Vilson?
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

O Corinthians conquistou a sua décima Copa São Paulo de Futebol Júnior. Dos últimos anos, talvez o melhor Corinthians já apresentado, do goleiro aos atacantes. Nomes como o zagueiro Dellamore, o volante Renan, os meias Mantuan e Pedrinho e o atacante Carlinhos se destacaram na competição.

Agora, eu deixo a pergunta. Será que Dellamore é inferior a Vilson? Carlinhos pode produzir mais do que Kazim? Não são piores do que alguns contratados. São mais baratos e ainda teriam o apoio do torcedor. Para quê o Corinthians tem categorias de base? Apenas para servir a empresários? Um absurdo.

O Corinthians levanta taças, mas não aproveita ninguém. De 2007 a 2015, só Dentinho e Malcom foram escalados como titulares, com bom número de jogos. É inadmissível o que a diretoria faz com a base. Jovens promessas bem trabalhadas poderiam render mais ao clube, além do fato de serem criadas de acordo com as normas da instituição. Sempre haverá uma identificação. Mas o Corinthians prefere gastar ao invés de lapidar. É mais fácil.

Ninguém aceita mais desculpas de que os meninos não têm talento e não aguentam pressão. Ora, invistam e tratem a garotada com calma e precisão. É obrigação das comissões técnicas trabalharem para prepará-los como os próximos titulares dos profissionais. Tudo dentro do seu tempo. E com o Corinthians ganhando mais do que supostos “parceiros”.


Técnico do Corinthians Sub-20 elogia nova postura com a base no clube
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

O Corinthians subiu quatro jogadores das categorias de base para o profissional, na última semana. O volante Ameixa, os meias Rodrigo e Matheus e o atacante Léo Jabá começaram a trabalhar com Fábio Carille. O blog entrevistou o técnico do Sub-20, Osmar Loss, sobre a filosofia do clube e o desafio de revelar e aproveitar futuros garotos. Leiam abaixo.

É importante revelar jogadores ou ganhar títulos

“Sem dúvida nenhuma, o mais importante é revelar jogador. Agora, o tem que ficar muito claro, que não, necessariamente, uma exclui a outra possibilidade, principalmente, se a gente botar como foco principal a revelação de talentos. Para a gente revelar, a gente terá que formar bons jogadores e formando bons jogadores, normalmente, se consegue chegar nas decisões, nas partes decisivas das competições. Em contraponto, se a gente começar a pensar em só chegar às decisões, a gente não formará jogadores com alta qualidade e também corre o risco de não chegarmos nos momentos decisivos das competições”.

Momento de subir um garoto para o profissional

“A questão de estar pronto ou não estar pronto, eu não vejo esta palavra como bem colocada para a base. Eu acho que um atleta, ele efetivamente, está constantemente em evolução. Alguns atingem a maioridade emocional e a qualificação técnica mais cedo do que outros, mas mesmo assim, continuam em evolução. Então, acho que esse é um chavão que a gente deveria começar a deixar de lado. O que se coloca, talvez, seja a necessidade pelo fato de com 20 anos o jogador não pode mais jogar na base. Tem um limite etário e não um limite técnico na maioria dos casos. Os principais quesitos que a gente observa para ver se um jogador está melhor preparado do que outro são o componente técnico, o entendimento do jogo e muito importante, se emocionalmente ele está bem equilibrado.

Poucos foram aproveitados no Corinthians, após muitos títulos

“Eu não vejo como tão poucos assim sendo aproveitados nestas três temporadas que eu estive no clube. Comparado com que o Corinthians aproveitava antes da minha chegada, acho que a gente até está superando bem as expectativas. Eu acho que nós estamos passando por um processo de reformulação, o Corinthians está fazendo um bom investimento na base, fruto disso é o CT , que está em fase final de construção e o espaço que a cada temporada a base vem ganhando no time profissional. É uma mudança bastante brusca, talvez, de filosofia, passar a usar a base com maior incidência. Acho que é um processo natural. Nada a gente consegue mudar de uma hora para a outra. Não podemos deixar o fato histórico de que o Corinthians é um time comprador. Jamais vai deixar de ser, até pelo potencial financeiro que tem, mas eu acho que o espaço que a gente vem tendo da base para o profissional, ele vem evoluindo de acordo com a mudança de filosofia que o Corinthians vem fazendo. Acho que nos próximos três, quatro anos, quem sabe a gente não vai estar tratando deste assunto como uma novidade. O Corinthians mantendo esta idéia e esta filosofia de formação de atletas e integração base/profissional, vai ser um processo muito natural estar dentro do profissional do Corinthians”.

Nomes que se tornarão realidades

“É muito difícil a gente poder apontar jogadores nesta fase de maturação. Até porque nos dois últimos anos a gente tem tentado trabalhar no Corinthians com jogadores jovens, tentando diminuir até um pouquinho a margem de 20 para 19 anos, deixando sempre pelo menos um ou dois anos de evolução. A gente teve os jogadores que foram promovidos agora recentemente. Certamente, há alguns jogadores ali que podem num futuro próximo se destacar, mas apontar nomes é até uma chance muito maior de errar do que acertar, até porquê o controle não está conosco”.

Técnico da base tem o objetivo de ir para o profissional

“Tem. Eu acredito que todo treinador de base tem o objetivo de ser treinador de equipe principal, profissional. Por mais que hoje as categorias de base venham tendo um investimento e uma conotação tão profissional quanto o futebol profissional, da equipe principal, ainda assim eu acredito que todos os treinadores têm este intuito de um dia se tornarem treinadores das equipes principais dos seus clubes. Para mim, não é diferente. Eu tenho sim e estou me preparando cada vez mais, me qualificando cada vez mais, buscando me aperfeiçoar, cada dia mais, conhecendo muitas filosofias de jogo e as estruturas de clubes do futebol brasileiro e mundial”.

Osmar Loss comandou o Bragantino, no início da Série B de 2015, na parceria do clube com o Corinthians. Ficou pouco tempo e retornou para a base. Na sua gestão, despontaram nomes como Léo Príncipe, Maycon, Matheus Pereira, Guilherme Arana, Marciel e Gabriel Vasconcellos. No entanto, apenas Arana teve aproveitamento maior no time principal.

 


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>