Blog do Praetzel

Arquivo : técnicos

Você torce para a Seleção Brasileira?
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Em 1982, tinha 11 anos e foi a última vez que chorei por futebol na derrota do Brasil para a Itália por 3 a 2, na Copa da Espanha. Um jogo dramático e espetacular até o final, com vitória dos futuros campeões, infelizmente. Os anos passaram e eu sempre quis ser jornalista esportivo. Até concluir o curso e começar a trabalhar na área, via a Seleção Brasileira com grande impacto sobre os torcedores e imprensa. Convocações e jogos paravam o país, com amistosos e competições oficiais tendo muita importância para todos.

Depois, já como profissional, comecei a cobrir a Seleção. Minha estréia foi em Brasil e Polônia, em janeiro de 1997, com Romário e Ronaldo juntos. Placar de 4 a 2 para o Brasil, com o comando de Zagallo, em Goiânia. Foi muito legal, apesar de achar o ambiente em torno, bastante político. Muitos tapinhas nas costas de todos e bastante vaidade. Ainda assim, havia bastante proximidade entre jogadores e jornalistas. O tempo foi passando e a Seleção virou propriedade da CBF. Se distanciou da torcida e passou a mandar seus jogos longe do Brasil, por gordos cachês e filas de patrocinadores. O dinheiro superou a paixão. De Ricardo Teixeira a Marco Polo Del Nero, a Seleção se transformou num produto comercial. Até nas convocações, sempre houve controvérsias.

Com as quedas de Teixeira e Marin por corrupção e com Del Nero proibido de sair do país para não ser preso, a CBF conseguiu atrair uma oposição da opinião pública e uma antipatia pelo nosso selecionado. A Seleção foi muito vaiada e só ganhou apoio total, quando sediou a Copa do Mundo, em 2014. O 7 a 1 para a Alemanha foi a pá de cal, forçando mudanças no pensamento de futebol praticado por técnicos e dirigentes brasileiros. Del Nero segue no poder e o Brasil retomou sua importância, depois da chegada de Tite. Com Dunga como substituto de Felipão, corremos o risco de eliminação da Copa, algo contornado e corrigido com a contratação de Tite. Hoje, a Seleção pode não encantar, mas parece mais integrada e comprometida em relação a anos anteriores. Ainda assim, não houve um treino aberto para a torcida, mesmo com o Brasil classificado. Só convidados e patrocinadores tiveram acesso. Isso precisa acabar.

Claro que na Copa do Mundo, a história é outra. O país para e entra em campo, representado por 23 atletas. Mas fora isso, você torce para a Seleção Brasileira? Eu tenho respeito, mas fico profundamente irritado com a distância que existe entre Seleção e torcida. A maioria dos convocados vive no exterior e não faz nenhum esforço para agradar a massa brasileira. Ficou um abismo e isso causou um esfriamento na relação.

Não me surpreendi com a declaração do prefeito de Belo Horizonte, o ex-presidente do Atlético-MG, Alexandre Kalil. Perguntado sobre Seleção, no programa “Bola da Vez” na ESPN Brasil, Kalil disse que nunca ligou e nunca torceu para a Seleção. Uma resposta clara de quem eternamente prioriza o clube. E isso me parece cada vez mais frequente. Afinal, você torce para a Seleção Brasileira? Hoje tem jogo e com público de 40 mil pessoas, mas há um sentimento verdadeiro pela Seleção? Eu tenho minhas dúvidas. Quando eu era criança, achava que sim.


O fiasco do Galo em 2017
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

O Atlético-MG é uma das maiores decepções da temporada. No início do ano, o Galo foi cotado como favorito para a Libertadores da América e candidato ao título do Campeonato Brasileiro. Roger Machado chegou com grande cartaz e teve um grupo qualificado à disposição. Ganhou o Mineiro, mas o time nunca convenceu nas competições mais importantes.

Roger alegava desgaste pelo calendário e os jogadores reclamavam da maratona de partidas, esquecendo que todo mundo estava passando pelo mesmo problema. Roger foi demitido dia 20 de julho, após a derrota para o Jorge Wilsterman-BOL, no primeiro confronto das oitavas-de-final. Foi a quarta vítima do presidente Daniel Nepomuceno, degolador de técnicos, desde o começo da sua gestão, em janeiro de 2015. Antes caíram Levir Culpi, Diego Aguirre e Marcelo Oliveira.

Rogério Micale assumiu dia 24 de julho e caiu dois meses depois. Foi eliminado da Libertadores e não conseguiu boa sequência na Série A. Não aguentou a pressão de comandar uma equipe principal e também sucumbiu como o quinto dispensado por Nepomuceno. Veio Oswaldo de Oliveira para fechar o ano e segurar o Galo na primeira divisão. Estreou com vitória fora de casa, mas perdeu o título da Primeira Liga para o Londrina, 10º colocado na Série B do Brasileiro. Mais um vexame de um elenco com ares de descomprometimento.

Não venham dizer que a Primeira Liga não importava. Oswaldo escalou força máxima e não conseguiu vencer nos 90 minutos. Uma formação com Victor; Alex Silva, Gabriel, Fellipe Santana e Fábio Santos; Adilson, Elias, Cazares(Marlone) e Valdívia(Clayton); Robinho e Fred(Rafael Moura) deve e pode jogar mais, mas parece que o ano terminou e os atletas estão cumprindo meras formalidades. Um fiasco para um time caro e desinteressado.

Depois de Alexandre Kalil, seu discípulo e sucessor não deixará saudades. Tanto que não irá concorrer à reeleição. A torcida do Galo merece ver mais gestão, organização, trabalho e competitividade. Provavelmente, o Atlético mudará bastante em 2018.


Quando Rueda deve ser cobrado por resultados?
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Fábio Carille se mostrou a favor da vinda de técnicos estrangeiros para o Brasil, mas questionou por que eles precisam de tempo para trabalhar e a mesma tolerância não é praticada com os profissionais daqui? É um bom debate. Acho que treinadores de fora têm mais dificuldades de adaptação ao nosso calendário e encontram outra cultura de trabalho, assim como ocorreria se algum brasileiro fosse para o exterior.

Em 2005, Vanderlei Luxemburgo foi para o Real Madrid e foi saudado por todos. Ficou um ano. Luiz Felipe Scolari trabalhou no Chelsea, em 2009, mas acabou dispensado, sem completar uma temporada. Os dois foram reféns de resultados, mesmo com currículos consagrados.

Para mim, é preciso dar tempo a todos os treinadores. Sou adepto da continuidade e entendo que as cobranças devam começar, após seis meses de trabalho. Com 180 dias, é possível apresentar um time definido, ideias de jogo e sistemas táticos. Óbvio que se a equipe for última colocada de um torneio ou estiver muito ameaçada de rebaixamento, uma mudança pode ocorrer. E isso vale em qualquer país. Em dezembro de 2015, José Mourinho caiu no Chelsea, porque estava nessa situação, mesmo tendo sido campeão, seis meses antes.

Reinaldo Rueda chegou ao Flamengo e estreou num mata-mata diante do Botafogo, numa semifinal de Copa do Brasil. É campeão da Libertadores da América e participou de duas Copas do Mundo, dirigindo Honduras e Equador. Tem experiência e qualidade, mas sua vinda gerou críticas e comparações com outros estrangeiros, que tiveram passagens rápidas pelo Brasil. Evidente que ele será cobrado, mas isso deve ser feito, a partir de 2018. Pegou o Fla mais para o fim do ano, em meio a três campeonatos importantes. Pode ser campeão? Pode, mesmo que isso seja bem difícil, com pouco tempo de trabalho.

Ninguém é milagreiro e Rueda sabe disso. A cultura imediatista precisa ser evitada e cabe a nós, jornalistas, também incentivar mais tolerância com nossos compatriotas e com quem vem de fora. E tapar os ouvidos para quem é definitivo com frases como “estrangeiros não ajudam, não sabem nada e não deixam legado nenhum”. Pura xenofobia.


Carille e Ceni merecem crédito, independente de quem seja eliminado domingo
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Fábio Carille e Rogério Ceni começaram a temporada como grandes apostas de seus clubes. O ex-auxiliar virou técnico no Corinthians, após maus trabalhos de Cristóvão Borges e Oswaldo de Oliveira, num intervalo de quatro meses. Rogério Ceni assumiu com pompa e circunstância e enorme expectativa pelo seu grande passado no futebol e por ideias inovadoras. Quatro meses de trabalhos e os dois se encontram na semifinal do Paulista, decidindo uma vaga na decisão. Dá para compará-los? Acho que sim.

Carille tem mais experiência em comissão técnica e aproveitou bons ensinamentos táticos de Tite, na passagem vitoriosa pelo Corinthians. Definiu uma forma de jogar, mas acho que ainda demora para buscar outras alternativas, durante as partidas. O Corinthians tem padrão defensivo definido e venceu adversários assim, fazendo um gol e se fechando com eficiência. Agora, quando precisou atacar e variar seu esquema, não conseguiu. Cito o confronto diante do Brusque-SC, quando quase perdeu, e a eliminação contra o Inter, onde fez 1 a 0 e se retraiu, quando poderia ter matado o jogo. Depois de levar o empate, se desesperou, apesar de criar chances e não conseguiu ganhar nos 90 minutos. A derrota para o Inter expôs que o Corinthians precisa de opções, principalmente, para o Campeonato Brasileiro.

No São Paulo, Rogério Ceni adotou um modelo forte no ataque, correndo riscos na defesa. Tem jogadores de boa qualidade técnica e aproveita isso, com posse de bola e troca de passes. Agora, dá generosos espaços para os contra-ataques adversários. Já vimos o São Paulo dominar partidas, mas levar gols em momentos-chaves, pela falta de equilíbrio entre os setores. É possível agredir bastante, mas é preciso saber se recompor. Acho que isso ainda não foi encontrado por Rogério Ceni, que não abre mão da sua escolha inicial. No Brasileiro, o São Paulo será bastante atacado no Morumbi ou fora de casa e o sistema defensivo será mais exigido. No gol, Renan Ribeiro é o titular da hora, mas não duvido que o São Paulo busque um reforço para a posição.

Neste domingo, Carille ou Rogério Ceni? Um dos dois ficará pelo caminho no Estadual. Quem perder, merece ser detonado? Eu acho que não. São profissionais competentes. Podem e devem fugir um pouco das suas convicções, porque vão precisar de resultados também. Tomara que as diretorias pensem da mesma forma.


Empresário brasileiro revela bastidores de Jadson, Luxa e Felipão na China
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

O mercado chinês segue tirando os melhores jogadores das principais ligas do mundo. Na última janela de transferências, o Shanghai Shenhua tirou Carlitos Tevez do Boca Juniors e pagará a ele cerca de US$ 40 milhões anuais (cerca de R$ 136 milhões) por temporada, segundo informações da imprensa chinesa. O blog entrevistou o empresário gaúcho, Eduardo Ponticelli, radicado há dez anos na China. Ponticelli trabalha com importações no país asiático, mas também lida com o futebol no local. Ele falou sobre os planos e próximos passos da liga chinesa, jogadores brasileiros e a tentativa dos chineses em montar um grande time no Brasil. Leia abaixo.

Futebol na China

“O fenômeno do futebol na China se dá por alguns motivos. O primeiro é a vontade pessoal do presidente chinês em ver o esporte crescer. Ele visualiza que o futebol é um esporte popular e que chama a atenção das pessoas. O que é uma verdade, tu crias uma rivalidade entre os clubes, cria aquela vontade de ir para o estádio, ver o time dele com grandes jogadores, reúne amigos e também movimenta a economia do país, de uma certa forma – venda de camisas, marketing. Na China, o futebol era o quinto ou sexto esporte mais popular. Hoje, já é o quarto, mas tende a subir ainda mais. O outro motivo é completamente político. Eles levam os grandes jogadores para China para atrair a mídia para o país de uma forma positiva. Por exemplo, dizendo que um clube pagou 60 milhões pelo Oscar e que um time de lá quer ser campeão da Ásia e jogar o Mundial de Clubes. Eles têm um plano de tornar o futebol chinês o maior do mundo. Chegam ao delírio de dizer que existirá um modo chinês de se jogar futebol como já existiu o brasileiro e agora existe o alemão”.

Futuro do futebol chinês

“Na China, tudo é planejamento. Se amanhã a Fifa chegar e dizer: “precisamos fazer a Copa do Mundo aqui”, não tenha dúvidas de que a China é capaz disso. O país tem os melhores estádios e os melhores centros de treinamentos. Eles nunca se candidataram para receber a Copa porque estão esperando montar uma seleção capaz de fazer frente as melhores equipes do mundo. O país já fez tudo no esporte. Já recebeu Olimpíadas, X Games, Copa do Mundo de natação, Masters de tênis. O que você pensar ela já fez”.

Jogador brasileiro na China

“O jogador brasileiro se adapta em qualquer circunstância e visualiza sempre o dinheiro. Então ele vai para a China, se tiver que passar um ano lá, num ambiente que não é tão bom, o jogador vai pelo dinheiro e pela possibilidade da independência financeira, enquanto os jogadores europeus e argentinos não dão tão certo porque não se adaptam bem. Ele só entra em campo no domingo, mas o resto da semana é totalmente diferente”.

Jadson

“Ele e o Luís Fabiano faziam parte de um projeto do Tianjin Quanjian para subir para a primeira divisão. Para os chineses, jogador que joga na segunda divisão não pode jogar na primeira. Até pouco tempo, eles diziam que para jogar na primeira o cara não ia aguentar correr porque corria menos na segunda. Uma coisa tosca. Pelo que fiquei sabendo, já estava acertado com o Corinthians, quando saiu da China. Além disso, o Canavarro entrou no lugar do Luxemburgo e optou por tirar a maioria dos jogadores contratados pelo brasileiro”.

Luís Fabiano

“Foi um pedido do Vanderlei Luxemburgo. Tinha só um ano de contrato. Foi um dinheiro muito bem investido na minha opinião. Foi goleador da segunda divisão. Fez sua independência financeira. Agora, ele pode jogar onde quiser. Até mesmo de graça”.

Vanderlei Luxemburgo

“Ele enfrentou problemas culturais lá na China. Por exemplo, levou 15 profissionais do staff dele para a comissão técnica. O médico do Flamengo foi para lá, mas os caras não estavam acostumados. Isso causou estranheza. E isso começou a causar problemas para ele. Até porque todo mundo sabe que o Vanderlei não é uma pessoa fácil de lidar. Na verdade, os chineses fizeram um complô. As pessoas do segundo escalão derrubaram ele”.

Felipão

“Ele tem uma seleção de jogadores na mão. O time dele é hexacampeão na China. No entanto, ele teve um problema de relacionamento no clube. Vez e outra, surge um ranço, estilo Celso Roth no Felipão. Ele implicou com o Elkeson e tirou o jogador do time. O Felipão chegou a ser demitido do clube, que ia assinar com o Marcelo Lippi, mas aí veio a seleção chinesa e levou o italiano. Então por isso que o Felipão ainda está lá”.

Jadson já retornou ao Brasil, mas ainda não definiu seu futuro. Luís Fabiano aguarda pela sua liberação do Tianjin Quanjian para voltar ao futebol brasileiro. Dos novos negócios, Marinho é a principal novidade, desembarcando em solo chinês.

Assim como já é na Europa, o futebol chinês deve chegar ao Brasil nos próximos anos. Segundo Ponticelli, os planos dos empresários chineses são de comprar um clube por aqui. Times já são especulados no interior de São Paulo e também no Rio Grande do Sul. O objetivo é criar a melhor equipe do país. Além disso, os times e agentes FIFA licenciados na China têm um aplicativo para o acerto de transações. Para que uma proposta seja autorizada o agente tem que ter uma autorização assinada pelo jogador e enviar uma foto com o mesmo.

*colaborou João Praetzel.

 


Falcão vê Inter complicado no Brasileiro e ainda lamenta saída do clube
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Paulo Roberto Falcão foi o maior jogador da história do Internacional. Como técnico, comandou o time gaúcho em três oportunidades. A última foi neste ano de 2016, onde foi dispensado depois de cinco partidas. Em entrevista exclusiva ao blog, Falcão falou sobre isso, a situação díficil do Inter na Série A e o momento dos técnicos brasileiros. Acompanhem abaixo.

Postura da diretoria do Inter

“Não sei se foi uma questão de me tratar mal. Não consegui ainda imaginar, mas, enfim, não esperava ter saído naquela situação depois de cinco jogos. É muito pouco. Cinco jogos são 26 dias e não tem como a gente fazer alguma coisa. Mas, as coisas caminham aí e a gente tem que estar preparado. A vida é essa. A gente tem que ter uma couraça, às vezes, para suportar algumas coisas. Vida que segue”.

Inter será rebaixado 

“Difícil. O Inter terá que fazer uma poupança no Grenal e no jogo com o Santa Cruz. São dois jogos que não serão fáceis pela história do Grenal e o Santa Cruz é muito bom time, embora não esteja numa situação confortável, mas é um time que tem ótimos jogadores. Enfrentei lá com o Sport. Depois, o Inter tem jogos complicadíssimos contra Palmeiras, Corinthians e Fluminense fora e dois jogos difíceis em casa contra Ponte Preta e Cruzeiro. Enfim, os adversários que estão brigando para não cair também têm jogos complicados. Então, o Inter e todo o time que está nesta situação precisa fazer os pontos, principalmente, em casa, para garantir. Todo o time que vive uma situação como essa, tem que se preocupar”.

Grenal

“Grenal é sempre um jogo muito complicado, muito difícil. Os dois times chegam em situações diferentes. O Grêmio beirando a condição de classificação de Libertadores no G6 e o Internacional fugindo da zona de baixo, no Z4. Dentro desse quadro, embora seja sempre importante ganhar Grenal, independentemente de qualquer coisa, parece que o resultado é muito mais importante para o Internacional pela situação na tabela”.

Grandes craques como técnicos têm dificuldades em lidar com jogadores atuais

“Não tem tantas dificuldades. Pelo contrário, até acho que facilita. Depende muito mais de cada um, do que possa passar com sua experiência profissional. Eu evito falar da minha vida passada como atleta. Não faço comparações. Evito comparações. Uso apenas meu passado como atleta, se isso for facilitar a vida ou ajudar meu jogador, o jogador que eu esteja treinando na oportunidade. Então, não vejo assim grandes dificuldades”.

Decepcionado com sistema

“Tem que mudar um pouquinho nossa gestão porque tem algumas situações que são amadoras. Aí depende de profissionais da área, da própria imprensa esportiva em dar uma mão nisso. A gente tem que ter um crescimento geral neste aspecto”.

Treinadores brasileiros desatualizados em relação aos estrangeiros

“Na realidade, o que acontece, o futebol europeu sempre teve uma preocupação tática, desde que o mundo do futebol começou. Sempre tiveram esse cuidado de valorizar o aspecto tático e no Brasil, procurava-se muito a qualidade técnica, até porquê não se tinha uma cultura tática. Ainda estamos bem inferiores à cultura tática do europeu, por razões óbvias. A gente sempre teve a qualidade técnica e nunca se preocupou muito em entrar em detalhes com o aspecto tático, coisa que o europeu faz, desde as categorias de base. Isso faz uma diferença. Claro que hoje as coisas se aproximaram um pouco mais. Os treinadores brasileiros estão com uma preocupação tática maior e o futebol europeu com a técnica, tendo um crescimento dos times do continente”.

Tite na Seleção Brasileira

“É o momento dele. Fez um bom trabalho no Corinthians e a escolha foi dentro daquilo que se esperava. Todos esperamos que ele possa fazer um bom trabalho na Seleção, também”.

Falcão treinou a Seleção em 1990 e 1991. Trabalhou como comentarista, antes de retornar à função de técnico. Foi campeão estadual pelo Inter, em 2011, e pelo Bahia, em 2012, acabando com um jejum de dez anos sem título estadual. Trabalhou no Sport, em 2015 e início de 2016, antes de voltar ao Inter.

 


Vágner Mancini critica modelo de gestão e quer curso qualificado no Brasil
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Vágner Mancini é o presidente da Federação Brasileira de Treinadores de Futebol. Após 15 meses à frente do Vitória da Bahia, Mancini conversou com o blog sobre a situação complicada da categoria no futebol brasileiro com demissões em massa e sem uma carreira definida para os profissionais. Acompanhem abaixo.

Federação inexiste para os profissionais pelo alto número de demissões

“A FBTF, Federação Brasileira de Treinadores de Futebol, existe graças a cinco treinadores: Zé Mário, Alfredo Sampaio, Marcos Bocatto, Dorival Jr. e eu. Os treinadores são dispensados em grande quantidade por dois motivos: primeiro porque os dirigentes que comandam nosso futebol não suportam pressão e mudam projetos anunciados a qualquer momento e segundo porque nossa cultura aponta para a troca do treinador quando um time não obtém sucesso, mesmo sabendo que o mesmo muitas vezes não é o culpado”.

Modelo de gestão brasileiro se esgotou

“Todos sabem que o modelo é ultrapassado, mas somos impotentes para mudar esse panorama. Precisamos de apoio, principalmente da imprensa, e muitas vezes não temos”.

Há renovação ou um grupo comanda as vagas disponíves nos clubes

“Como teremos renovação se não há limites de transferências para treinadores para a mesma série no Brasileiro. Isso está errado. Ninguém pode impedir ninguém de trabalhar, mas esse profissional deveria terminar um limite de transferências e depois ir para outra série. Seria uma forma de oxigenar o mercado”.

Brasileiros inferiores a estrangeiros e por que não há espaço na Europa

“O treinador brasileiro é muito competente. Temos um grupo no Brasil altamente qualificado, porém perdemos espaço no exterior porque não temos um curso que seja respeitado e aceito no exterior. Temos poucos espaços na Europa, primeiro por causa do idioma. Segundo por causa da falta de qualificação profissional e terceiro porque nossos atletas que brilham por lá, quando param, retornam ao Brasil”.

Disputas entre ex-jogadores e acadêmicos

“Jogador respeita quem conhece e sabe comandar, seja ele ex-jogador ou não. O ex-jogador leva vantagem por ter vivido dentro de campo situações que ele compartilha com o atleta, mas temos ótimos técnicos que não jogaram e se deram bem na carreira. Não é porque o cara jogou futebol que se dará bem na carreira de treinador. O bom profissional sempre terá espaço”.

Vágner Mancini foi jogador nas décadas de 80 e 90. Passou por clubes como Atlético-MG, Guarani e Grêmio. Como técnico, seu maior título é a Copa do Brasil 2005, conquistada pelo Paulista de Jundiaí contra o Fluminense.


Geninho vê preconceito com técnicos mais velhos no Brasil
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

O técnico Geninho pode recolocar o ABC de Natal na Série B, nesta sexta-feira. O time potiguar enfrenta o Botafogo-SP no jogo decisivo das quartas-de-final da Série C. No primeiro confronto, houve empate em 0 a 0. Em conversa com o blog, Geninho acha que há preconceito com treinadores mais velhos e não tem idéia porque não é mais procurado por um grande clube. Acompanhe abaixo.

Acesso pode te reconduzir a um time grande

“Acho que não tem nada a ver. Será apenas mais um trabalho. Com certeza, reconhecido, mas acho que não vai mexer em nada em voltar a um grande ou não”.

Mais fácil trabalhar no Nordeste pela paixão do torcedor

“Não. Trabalhar no Nordeste é tão difícil como trabalhar no Sul, Sudeste ou outro lugar. As dificuldades são as mesmas. Aqui, as financeiras ainda maiores do que em outros lugares”.

Principal razão para não ter trabalhado em times grandes nos últimos anos

“Não sei dizer o motivo exato. Talvez por acharem que estou um pouco mais velho. Talvez pelo fato de eu ficar trabalhando em outros lugares, no Nordeste, basicamente. Difícil dizer o porquê de não ter recebido um convite de uma grande equipe”.

Preconceito com técnicos mais velhos 

“Com certeza, existe. Está vindo aí uma safra nova e muita gente acha que o técnico mais velho está desatualizado, está defasado, o que não é uma verdade. Todos esses técnicos quando têm oportunidades dão conta do recado, têm conquistado objetivos aqueles se propõem, mas é difícil você mudar a cabeça das pessoas”.

Clube nordestino campeão nacional é utopia

“Não acho que seja utopia, mas também não acho que seja fácil. Mas nós vemos hoje um Sport com uma estrutura semelhante às equipes do Sul, Sudeste. Vitória e Bahia tentando a mesma coisa. Acho que pode acontecer. Das equipes do Norte/Nordeste, a quem mais tem chance, de repente em conquistar uma coisa maior é o Sport”.

Aos 68 anos, Geninho foi campeão brasileiro pelo Atlético-PR, em 2001 e comandou Corinthians, Santos, Vasco, Botafogo e Atlético-MG, entre outras equipes. Em 2016, foi campeão potiguar com o ABC.


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>