Blog do Praetzel

Arquivo : técnicos

Jair Ventura e Odair Hellmann merecem críticas. Trabalhos são fracos
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

A cultura de dispensar treinadores voltou a ser debate neste momento. No futebol brasileiro resultadista, basta uma sequência ruim para as atenções voltarem aos técnicos. Particularmente, avalio trabalho e resultado e os dois devem caminhar juntos. Após o último domingo, dois nomes ficaram na berlinda: Jair Ventura e Odair Hellmann.

O Santos foi goleado impiedosamente pelo Grêmio, escancarando sua deficiência tática e a insistência equivocada de Jair, num esquema de jogo sem padrão e cheio de buracos, facilitando para os adversários. Jair insiste em três atacantes, com um meio-campo aberto e apenas um marcador de ofício. Tem um bom goleiro e boa defesa, que sucumbem com tanta pressão do outro lado. O Santos lidera seu grupo na Libertadores, é verdade, mas não teve nenhuma grande atuação. Está vivendo de brilhantismos individuais, com o menino Rodrygo resolvendo em alguns lances. Coletivamente, o Santos não funciona. Acho que não é a hora de demitir Jair Ventura, mas ele precisa rever conceitos e deixar claro que gosta de times defensivos, sem querer agradar a torcida, distante das suas convicções. Até agora, não soube armar a equipe de forma compacta e competitiva. Já pode ser cobrado, sim

Em Porto Alegre, o Inter apostou em Odair Hellmann, funcionário do clube e auxiliar fixo. Assumiu no final da Série B do Brasileiro, em 2017. Em 2018, foi sexto colocado no Campeonato Gaúcho, caiu para o Vitória na quarta fase da Copa do Brasil e tem início fraco na Série A. São quatro pontos em 12 disputados e desempenhos apenas razoáveis. Contra o Grêmio, foi facilmente batido em dois clássicos e venceu um, quando o Grêmio tinha vantagem de três gols. Pouco. O Inter tem uma folha salarial altíssima, fez várias contratações e não tem um time formado. Dentro de campo, é uma equipe de cabeça baixa e preocupada só em não perder. Quando isso acontece, olha-se para o comando técnico. Odair é bem intencionado, mas suas observações pós-jogos, muitas vezes não condizem com a realidade. Teve dias livres de trabalhos e o Inter não apresentou nada de novo. Acredito que o Inter precisa de alguém mais experiente para convencer e controlar um vestiário recheado de nomes experientes e resistentes a novidades. A tendência é o Inter lutar para não cair e ser derrotado facilmente pelo Grêmio, no próximo sábado. Aí, Odair não resistirá.

Antes que alguém venha dizer que Fábio Carille não ganha há quatro jogos com o Corinthians, ele é o técnico campeão brasileiro e bi paulista. Não dá para comparar as situações.

 


Santos e Corinthians fizeram bom clássico. Árbitro prejudicou o Santos
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Santos e Corinthians fizeram um bom jogo no Pacaembu, para mais de 35 mil torcedores. Apesar do apagão no estádio pela quinta vez em 2018, prejudicando o clássico, os dois times mantiveram o ritmo e fizeram uma disputa até o último minuto.

No primeiro tempo, o domínio foi corintiano. O time de Carille marcava pressão e forçava o erro santista. Em duas vezes, saiu na cara do gol e não abriu o placar por detalhes. Renê Jr., Jadson e Rodriguinho dominavam o meio-campo e criavam oportunidades de gols. Renê Jr. fez 1 a 0 em chute de longe com desvio em Léo Citadini, superando Vanderlei. Estava atrás do gol e me pareceu falha do goleiro santista. Justa vantagem corintiana diante de um Santos tímido e pressionado. A única chance santista foi com Eduardo Sasha de cabeça, em saída errada de Cássio.

Veio o segundo tempo e o Santos mudou a partida. Arthur Gomes substituiu Copete e deu novo ânimo à equipe. O Santos aumentou a velocidade, equilibrou as ações no meio e avançou os laterais. Foram 20 minutos de domínio, até a falta de luz.

Depois da paralisação de 49 minutos, o jogo recomeçou. Jair Ventura mexeu bem de novo e o Santos seguiu em cima. Vitor Bueno armava, com Alison e Citadini como guardiões. Daniel Guedes e Jean Mota apoiavam e cruzavam bastante para a área. O empate veio após erro de Cássio e Diogo Vitor enchendo o pé na grande área. Resultado correto pelo desempenho santista, ainda que Jadson tenha perdido a chance de marcar o segundo do Corinthians. O Santos teve a chance da vitória, mas o árbitro Luiz Flávio de Oliveira não marcou um pênalti claro a favor do Santos, no final do jogo.

O blog deu suas notas para os jogadores e técnicos. Primeiro o Santos. Confira abaixo.

Vanderlei – Impressão de falha no gol do Corinthians. Depois, foi seguro como de costume. Nota 6.

Daniel Guedes – Sofreu com Clayson e Romero. Forte no apoio e erros nos cruzamentos. Evitou o segundo gol do Corinthias. Nota 5,5.

Lucas Veríssimo – Alguns erros nas saídas de bola. Depois, melhorou. Nota 5,5. 

David Braz – Melhor que o companheiro. Líder do time. Nota 6,5.

Jean Mota – Boa atuação. Cruzou a bola do gol santista. Nota 6,5.

Alison – Jogou bastante e marcou forte. O melhor santista. Nota 7,5.

Léo Citadini – Errou muito no primeiro tempo. Melhorou no segundo. Nota 5,5.

Vecchio – Tem habilidade, mas é lento. Regular. Nota 5.

Copete – Caiu muito de rendimento. Lutou, mas foi mal. Nota 4,5.

Eduardo Sasha – Competiu muito e perdeu um gol. Nota 6.

Rodrygo – Tem talento e incomodou. Sentiu o ritmo do jogo. Nota 5,5. 

Arthur Gomes – Mudou o time do Santos. Ganhou quase todas da defesa corintiana. Nota 7. 

Vitor Bueno – Entrou bem. Tem qualidade e será titular novamente. Nota 6,5.

Diogo Vitor – Entrou e empatou o jogo. É bom jogador. Nota 7.

Jair Ventura – Escalou a formação que todos queriam. Mexeu bem. Nota 6,5.

Corinthians

Cássio – Duas saídas erradas pelo alto e uma boa defesa. Nota 5,5.

Fagner – Bom primeiro tempo. Sofreu com Jean Mota e Arthur Gomes no segundo. Nota 6.

Balbuena – Seguro como sempre. Espanou todas as bolas. Nota 6.

Henrique – Atrapalhou Cássio no gol do Santos. Nota 5,5. 

Maycon – Se firmou na lateral, mas passou trabalho com Rodrygo e Arthur Gomes. Nota 5,5.

Gabriel – A regularidade de sempre. Nota 6. 

Renê Jr. – Bom jogador. Parece que está há anos no time. Fez  o gol. Nota 7. 

Rodriguinho – Dominante no primeiro tempo, caiu no segundo. Nota 6. 

Jadson – Podia ter matado o jogo no segundo tempo. Atuação equilibrada. Nota 6.

Clayson – Bom primeiro tempo. Depois, sumiu. Bem substituído. Nota 5,5.

Romero – Aplicação tática e perigoso nos contra-ataques. Nota 6,5.

Fábio Carille – Manteve a força máxima e dominou a primeira etapa. No segundo tempo, poderia ter reforçado o meio-campo. Nota 6.


Qual o critério para contratar um técnico? Galo e Botafogo parecem perdidos
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Nos últimos cinco dias, Atlético-MG e Botafogo demitiram seus técnicos. Oswaldo de Oliveira caiu pelo mau desempenho do time e a briga com o repórter Léo Gomide, da Rádio Inconfidência de Belo Horizonte. Felipe Conceição perdeu o emprego pelas eliminações na Copa do Brasil e Taça Guanabara. A curiosidade é que esses dois nomes foram bancados por dois novos presidentes. Sérgio Sette Câmara preferiu não mexer em Oswaldo e Nelson Mufarrej efetivou Felipe, achando que teria o mesmo sucesso de Jair Ventura, ex-auxiliar e técnico do time.

Um início de temporada capenga acabou com as convicções dos dois mandatários. Agora, buscam novos profissionais no mercado. E aí eu pergunto. Qual o critério para contratar um treinador?

Para mim, valem currículo, títulos, competência e, principalmente, trabalho. Oswaldo tinha os dois primeiros, mas perdeu os outros dois quesitos. Felipe só tinha o último e precisava de respaldo.

Hoje, existem vários nomes disponíveis, mas onde Galo e Botafogo fizeram contatos? O Galo sondou Cuca e Abel Braga e ouviu dois nãos. Dois nomes vitoriosos e com lastros para comandar vestiários e elencos experientes. Com as recusas, parece que o Galo ficou sem opções.

O Botafogo consultou Cuca e Marcelo Oliveira, de trajetórias recentes ruins, mas com três brasileiros e uma Copa do Brasil, de 2013 a 2016. Nessa, os currículos falaram mais alto, mas Cuca recusou e Marcelo pediu um salário fora da realidade botafoguense. Cuca indicou Alberto Valentim, ex-auxiliar do Palmeiras. Valentim é um pouco mais experiente do que Felipe. Será que vão apostar em outro auxiliar? Soaria bem incoerente, aos olhos da torcida.

E nessas horas, o torcedor tem muita influência nas decisões diretivas. Alguns jogam nomes na rede social para ver a repercussão. Dependendo do barulho, positivo ou negativo, contatos avançam ou não. O mercado oferece todo tipo de treinador. Adilson Batista, Vanderlei Luxemburgo, Jorginho, Dunga, Celso Roth, Felipão, Milton Mendes, Cuca, Marcelo Oliveira, Falcão, Jorginho “Cantinflas” e outros, estão à espera de propostas. A maioria já passou por vários clubes e querem grandes salários e garantias de trabalho.

Quantos desses nomes, a galera aprovaria? Alguns têm história, títulos e competência, mas esqueceram do trabalho. Outros trabalham muito, mas não conseguem resultados. Então, a escolha do técnico depende muito hoje da simpatia dos torcedores, uma certa identificação com o Clube e muito mais resultados do que trabalhos. É assim que eu vejo.

Se não houver nenhuma opção livre, vai da intuição do presidente ou do valor que ele pode pagar. Carille e Jair Ventura surgiram assim, com paciência e respaldo. Sem isso, podem colocar qualquer um, que permanecerá se vencer ou será mais um na conta dos demitidos, se acumular derrotas. Esse é o Brasil.


Auxiliares viraram solução. A maioria não será um Carille ou Jair Ventura
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Em dezembro de 2016, o Corinthians efetivou Fábio Carille como técnico do time. O ex-auxiliar chegou ao cargo principal, depois de ser interino no mesmo ano. Obviamente, Carille assumiu com desconfiança, após o Corinthians passar em branco naquela temporada, mas tinha uma trajetória de nove anos de clube, acompanhando Mano Menezes e Tite.

Veio 2017 e o Corinthians foi campeão paulista e brasileiro com autoridade e um jogo coletivo muito bom. Carille foi escolhido o melhor treinador, merecidamente, e renovou contrato por mais dois anos.

Jair Ventura não ganhou títulos no Botafogo, mas viveu a mesma condição. De número dois na comissão técnica de Ricardo Gomes, Jair passou à função principal, quando Ricardo foi para o São Paulo. Levou o Botafogo à Libertadores e seguiu com o bom trabalho até às quartas-de-final do torneio e às semifinais da Copa do Brasil. Hoje, comanda o Santos.

Citei os dois porque eles viraram referências para dirigentes efetivarem alguns auxiliares como treinadores principais, pelos salários menores e conhecimentos dos clubes. O próprio Botafogo promoveu Felipe Conceição, ex-jogador do time. Elogiado e querido pelo grupo, Felipe levou o Botafogo à semifinal da Taça Guanabara, mas deixou sua situação delicada com a eliminação para a Aparecidense-GO, na primeira fase da Copa do Brasil. O resultado pode ser a origem de uma demissão, caso caia para o Flamengo também. Se tivesse ganho a vaga no torneio mais rentável do Brasil, teria muito mais tranquilidade.

No Inter, Odair Hellmann substituiu Guto Ferreira. Abriu o ano com três vitórias, um empate e duas derrotas. Passou pelo Boavista-RJ com um futebol pobre e um empate na Copa do Brasil. Até agora, não definiu uma formação titular e o time não mostra padrão de jogo. Precisa de paciência, mas vem sendo criticado pela torcida. Se não passar pelo Remo, pode abreviar sua passagem. Lembrando que o Inter esteve na Série B, em 2017.

No Palmeiras, Alberto Valentim trabalhou nos últimos dez jogos de 2017. Largou bem, mas a derrota para o Corinthians e escolhas equivocadas, técnica e taticamente, liquidaram suas chances. O Verdão o dispensou e preferiu trazer Roger Machado.

No Sport, Daniel Paulista foi e voltou como interino e salvou o Leão do rebaixamento, quando Vanderlei Luxemburgo foi demitido. O Sport preferiu contratar Nelsinho Baptista e não o efetivou. Antes, o Sport apostou em Eduardo Baptista, que pulou da preparação física para a boca do túnel. Está fazendo carreira e dirige a Ponte Preta, pela segunda vez.

No São Paulo recente, Milton Cruz era o funcionário-tampão, quando a direção dispensava um treinador. Nunca quis assumir o tricolor. Saiu e virou técnico do Figueirense.

Zé Ricardo e Claudinei Oliveira foram bem nos times Sub-20 de Flamengo e Santos. Alçados às posições principais, se firmaram e foram para o mercado. Zé está no Vasco e Claudinei comanda o Avaí.

Novos nomes surgem por emergência e falta de dinheiro, também. A maioria não confirma porque sofre com o resultadismo e imediatismo dos clubes. Se começar ganhando, vai ficando, mas na primeira sequência negativa, pode cair, por não haver lastro e experiência. No fim do ano, teremos novos exemplos, sem dúvida. Nem todos serão como Carille e Jair Ventura. A caminhada é árdua e longa, e muitas vezes, ingrata.


Treinadores x Clubes. Fernando Diniz é mais um exemplo
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Sou fã de Fernando Diniz. O futebol apresentado pelo Audax, sob seu comando, foi uma das últimas novidades que vimos no futebol brasileiro. Um time com constante toque de bola e ofensividade, superando grandes adversários. O Audax foi vice-campeão paulista em 2016, jogando mais que o campeão Santos, depois de passar por São Paulo e Corinthians. Em 2017, a equipe foi rebaixada para a Série A2. Parece que o modelo se esgotou.

Sempre quis ver Fernando Diniz comandando um clube grande e sempre fiquei em dúvida, se ele conseguiria implantar o mesmo modelo de jogo numa equipe com muito mais pressão. Ele sempre respondeu que sim. Só precisava de uma oportunidade.

Agora, apareceu o Atlético-PR. Uma instituição com grande pensamento e estrutura, mas práticas ruins. Diniz chegará num lugar que estava sendo guardado para Seedorf, num projeto expurgado pelo “Coronel” Mário Celso Petraglia, irritado com a demora do holandês em responder à oferta atleticana. Tomara que Diniz receba o crédito e a paciência merecida, algo que é bom ver para crer.

O detalhe é como Fernando Diniz desembarca no Furacão. Deixou o Guarani às portas da estreia na Série A2, num projeto protagonizado por ele. O elenco foi montado de acordo com a característica de Diniz. E ele saiu de uma hora para outra. Ok, o Atlético tem um calendário maior e integra a Série A do Brasileiro. Mas Fernando Diniz volta ao noticiário mais pelo fato de ter largado o Guarani do que ter assumido o clube paranaense. Já o rotulam de intempestivo, por algumas atitudes com atletas. Agora, terá que matar um leão por dia, sem dúvida.

A decisão de Diniz expõe um velho debate. Treinadores reclamam que são dispensados com pouco tempo de trabalho, mas não hesitam em abandonar o barco, na primeira proposta superior que aparece. Alguns recusam e preferem terminar trabalhos. Outros, ficam pulando de clube em clube, em troca de um reajuste salarial. Não dá para reclamar. Não faça com os outros, o que eu não gostaria que fizessem comigo, é a máxima dessa relação. E isso não vai acabar. Criaram a Federação Nacional dos Treinadores e como a entidade pretende se posicionar? Se fosse o inverso, a gritaria seria grande.

Torço pelo sucesso de Fernando Diniz, mas acho que nessa situação ele poderia ter mantido o trabalho no Guarani, em respeito ao clube que o recolocou no mercado. A conferir.


Você torce para a Seleção Brasileira?
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Em 1982, tinha 11 anos e foi a última vez que chorei por futebol na derrota do Brasil para a Itália por 3 a 2, na Copa da Espanha. Um jogo dramático e espetacular até o final, com vitória dos futuros campeões, infelizmente. Os anos passaram e eu sempre quis ser jornalista esportivo. Até concluir o curso e começar a trabalhar na área, via a Seleção Brasileira com grande impacto sobre os torcedores e imprensa. Convocações e jogos paravam o país, com amistosos e competições oficiais tendo muita importância para todos.

Depois, já como profissional, comecei a cobrir a Seleção. Minha estréia foi em Brasil e Polônia, em janeiro de 1997, com Romário e Ronaldo juntos. Placar de 4 a 2 para o Brasil, com o comando de Zagallo, em Goiânia. Foi muito legal, apesar de achar o ambiente em torno, bastante político. Muitos tapinhas nas costas de todos e bastante vaidade. Ainda assim, havia bastante proximidade entre jogadores e jornalistas. O tempo foi passando e a Seleção virou propriedade da CBF. Se distanciou da torcida e passou a mandar seus jogos longe do Brasil, por gordos cachês e filas de patrocinadores. O dinheiro superou a paixão. De Ricardo Teixeira a Marco Polo Del Nero, a Seleção se transformou num produto comercial. Até nas convocações, sempre houve controvérsias.

Com as quedas de Teixeira e Marin por corrupção e com Del Nero proibido de sair do país para não ser preso, a CBF conseguiu atrair uma oposição da opinião pública e uma antipatia pelo nosso selecionado. A Seleção foi muito vaiada e só ganhou apoio total, quando sediou a Copa do Mundo, em 2014. O 7 a 1 para a Alemanha foi a pá de cal, forçando mudanças no pensamento de futebol praticado por técnicos e dirigentes brasileiros. Del Nero segue no poder e o Brasil retomou sua importância, depois da chegada de Tite. Com Dunga como substituto de Felipão, corremos o risco de eliminação da Copa, algo contornado e corrigido com a contratação de Tite. Hoje, a Seleção pode não encantar, mas parece mais integrada e comprometida em relação a anos anteriores. Ainda assim, não houve um treino aberto para a torcida, mesmo com o Brasil classificado. Só convidados e patrocinadores tiveram acesso. Isso precisa acabar.

Claro que na Copa do Mundo, a história é outra. O país para e entra em campo, representado por 23 atletas. Mas fora isso, você torce para a Seleção Brasileira? Eu tenho respeito, mas fico profundamente irritado com a distância que existe entre Seleção e torcida. A maioria dos convocados vive no exterior e não faz nenhum esforço para agradar a massa brasileira. Ficou um abismo e isso causou um esfriamento na relação.

Não me surpreendi com a declaração do prefeito de Belo Horizonte, o ex-presidente do Atlético-MG, Alexandre Kalil. Perguntado sobre Seleção, no programa “Bola da Vez” na ESPN Brasil, Kalil disse que nunca ligou e nunca torceu para a Seleção. Uma resposta clara de quem eternamente prioriza o clube. E isso me parece cada vez mais frequente. Afinal, você torce para a Seleção Brasileira? Hoje tem jogo e com público de 40 mil pessoas, mas há um sentimento verdadeiro pela Seleção? Eu tenho minhas dúvidas. Quando eu era criança, achava que sim.


O fiasco do Galo em 2017
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

O Atlético-MG é uma das maiores decepções da temporada. No início do ano, o Galo foi cotado como favorito para a Libertadores da América e candidato ao título do Campeonato Brasileiro. Roger Machado chegou com grande cartaz e teve um grupo qualificado à disposição. Ganhou o Mineiro, mas o time nunca convenceu nas competições mais importantes.

Roger alegava desgaste pelo calendário e os jogadores reclamavam da maratona de partidas, esquecendo que todo mundo estava passando pelo mesmo problema. Roger foi demitido dia 20 de julho, após a derrota para o Jorge Wilsterman-BOL, no primeiro confronto das oitavas-de-final. Foi a quarta vítima do presidente Daniel Nepomuceno, degolador de técnicos, desde o começo da sua gestão, em janeiro de 2015. Antes caíram Levir Culpi, Diego Aguirre e Marcelo Oliveira.

Rogério Micale assumiu dia 24 de julho e caiu dois meses depois. Foi eliminado da Libertadores e não conseguiu boa sequência na Série A. Não aguentou a pressão de comandar uma equipe principal e também sucumbiu como o quinto dispensado por Nepomuceno. Veio Oswaldo de Oliveira para fechar o ano e segurar o Galo na primeira divisão. Estreou com vitória fora de casa, mas perdeu o título da Primeira Liga para o Londrina, 10º colocado na Série B do Brasileiro. Mais um vexame de um elenco com ares de descomprometimento.

Não venham dizer que a Primeira Liga não importava. Oswaldo escalou força máxima e não conseguiu vencer nos 90 minutos. Uma formação com Victor; Alex Silva, Gabriel, Fellipe Santana e Fábio Santos; Adilson, Elias, Cazares(Marlone) e Valdívia(Clayton); Robinho e Fred(Rafael Moura) deve e pode jogar mais, mas parece que o ano terminou e os atletas estão cumprindo meras formalidades. Um fiasco para um time caro e desinteressado.

Depois de Alexandre Kalil, seu discípulo e sucessor não deixará saudades. Tanto que não irá concorrer à reeleição. A torcida do Galo merece ver mais gestão, organização, trabalho e competitividade. Provavelmente, o Atlético mudará bastante em 2018.


Quando Rueda deve ser cobrado por resultados?
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Fábio Carille se mostrou a favor da vinda de técnicos estrangeiros para o Brasil, mas questionou por que eles precisam de tempo para trabalhar e a mesma tolerância não é praticada com os profissionais daqui? É um bom debate. Acho que treinadores de fora têm mais dificuldades de adaptação ao nosso calendário e encontram outra cultura de trabalho, assim como ocorreria se algum brasileiro fosse para o exterior.

Em 2005, Vanderlei Luxemburgo foi para o Real Madrid e foi saudado por todos. Ficou um ano. Luiz Felipe Scolari trabalhou no Chelsea, em 2009, mas acabou dispensado, sem completar uma temporada. Os dois foram reféns de resultados, mesmo com currículos consagrados.

Para mim, é preciso dar tempo a todos os treinadores. Sou adepto da continuidade e entendo que as cobranças devam começar, após seis meses de trabalho. Com 180 dias, é possível apresentar um time definido, ideias de jogo e sistemas táticos. Óbvio que se a equipe for última colocada de um torneio ou estiver muito ameaçada de rebaixamento, uma mudança pode ocorrer. E isso vale em qualquer país. Em dezembro de 2015, José Mourinho caiu no Chelsea, porque estava nessa situação, mesmo tendo sido campeão, seis meses antes.

Reinaldo Rueda chegou ao Flamengo e estreou num mata-mata diante do Botafogo, numa semifinal de Copa do Brasil. É campeão da Libertadores da América e participou de duas Copas do Mundo, dirigindo Honduras e Equador. Tem experiência e qualidade, mas sua vinda gerou críticas e comparações com outros estrangeiros, que tiveram passagens rápidas pelo Brasil. Evidente que ele será cobrado, mas isso deve ser feito, a partir de 2018. Pegou o Fla mais para o fim do ano, em meio a três campeonatos importantes. Pode ser campeão? Pode, mesmo que isso seja bem difícil, com pouco tempo de trabalho.

Ninguém é milagreiro e Rueda sabe disso. A cultura imediatista precisa ser evitada e cabe a nós, jornalistas, também incentivar mais tolerância com nossos compatriotas e com quem vem de fora. E tapar os ouvidos para quem é definitivo com frases como “estrangeiros não ajudam, não sabem nada e não deixam legado nenhum”. Pura xenofobia.


Carille e Ceni merecem crédito, independente de quem seja eliminado domingo
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Fábio Carille e Rogério Ceni começaram a temporada como grandes apostas de seus clubes. O ex-auxiliar virou técnico no Corinthians, após maus trabalhos de Cristóvão Borges e Oswaldo de Oliveira, num intervalo de quatro meses. Rogério Ceni assumiu com pompa e circunstância e enorme expectativa pelo seu grande passado no futebol e por ideias inovadoras. Quatro meses de trabalhos e os dois se encontram na semifinal do Paulista, decidindo uma vaga na decisão. Dá para compará-los? Acho que sim.

Carille tem mais experiência em comissão técnica e aproveitou bons ensinamentos táticos de Tite, na passagem vitoriosa pelo Corinthians. Definiu uma forma de jogar, mas acho que ainda demora para buscar outras alternativas, durante as partidas. O Corinthians tem padrão defensivo definido e venceu adversários assim, fazendo um gol e se fechando com eficiência. Agora, quando precisou atacar e variar seu esquema, não conseguiu. Cito o confronto diante do Brusque-SC, quando quase perdeu, e a eliminação contra o Inter, onde fez 1 a 0 e se retraiu, quando poderia ter matado o jogo. Depois de levar o empate, se desesperou, apesar de criar chances e não conseguiu ganhar nos 90 minutos. A derrota para o Inter expôs que o Corinthians precisa de opções, principalmente, para o Campeonato Brasileiro.

No São Paulo, Rogério Ceni adotou um modelo forte no ataque, correndo riscos na defesa. Tem jogadores de boa qualidade técnica e aproveita isso, com posse de bola e troca de passes. Agora, dá generosos espaços para os contra-ataques adversários. Já vimos o São Paulo dominar partidas, mas levar gols em momentos-chaves, pela falta de equilíbrio entre os setores. É possível agredir bastante, mas é preciso saber se recompor. Acho que isso ainda não foi encontrado por Rogério Ceni, que não abre mão da sua escolha inicial. No Brasileiro, o São Paulo será bastante atacado no Morumbi ou fora de casa e o sistema defensivo será mais exigido. No gol, Renan Ribeiro é o titular da hora, mas não duvido que o São Paulo busque um reforço para a posição.

Neste domingo, Carille ou Rogério Ceni? Um dos dois ficará pelo caminho no Estadual. Quem perder, merece ser detonado? Eu acho que não. São profissionais competentes. Podem e devem fugir um pouco das suas convicções, porque vão precisar de resultados também. Tomara que as diretorias pensem da mesma forma.


Empresário brasileiro revela bastidores de Jadson, Luxa e Felipão na China
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

O mercado chinês segue tirando os melhores jogadores das principais ligas do mundo. Na última janela de transferências, o Shanghai Shenhua tirou Carlitos Tevez do Boca Juniors e pagará a ele cerca de US$ 40 milhões anuais (cerca de R$ 136 milhões) por temporada, segundo informações da imprensa chinesa. O blog entrevistou o empresário gaúcho, Eduardo Ponticelli, radicado há dez anos na China. Ponticelli trabalha com importações no país asiático, mas também lida com o futebol no local. Ele falou sobre os planos e próximos passos da liga chinesa, jogadores brasileiros e a tentativa dos chineses em montar um grande time no Brasil. Leia abaixo.

Futebol na China

“O fenômeno do futebol na China se dá por alguns motivos. O primeiro é a vontade pessoal do presidente chinês em ver o esporte crescer. Ele visualiza que o futebol é um esporte popular e que chama a atenção das pessoas. O que é uma verdade, tu crias uma rivalidade entre os clubes, cria aquela vontade de ir para o estádio, ver o time dele com grandes jogadores, reúne amigos e também movimenta a economia do país, de uma certa forma – venda de camisas, marketing. Na China, o futebol era o quinto ou sexto esporte mais popular. Hoje, já é o quarto, mas tende a subir ainda mais. O outro motivo é completamente político. Eles levam os grandes jogadores para China para atrair a mídia para o país de uma forma positiva. Por exemplo, dizendo que um clube pagou 60 milhões pelo Oscar e que um time de lá quer ser campeão da Ásia e jogar o Mundial de Clubes. Eles têm um plano de tornar o futebol chinês o maior do mundo. Chegam ao delírio de dizer que existirá um modo chinês de se jogar futebol como já existiu o brasileiro e agora existe o alemão”.

Futuro do futebol chinês

“Na China, tudo é planejamento. Se amanhã a Fifa chegar e dizer: “precisamos fazer a Copa do Mundo aqui”, não tenha dúvidas de que a China é capaz disso. O país tem os melhores estádios e os melhores centros de treinamentos. Eles nunca se candidataram para receber a Copa porque estão esperando montar uma seleção capaz de fazer frente as melhores equipes do mundo. O país já fez tudo no esporte. Já recebeu Olimpíadas, X Games, Copa do Mundo de natação, Masters de tênis. O que você pensar ela já fez”.

Jogador brasileiro na China

“O jogador brasileiro se adapta em qualquer circunstância e visualiza sempre o dinheiro. Então ele vai para a China, se tiver que passar um ano lá, num ambiente que não é tão bom, o jogador vai pelo dinheiro e pela possibilidade da independência financeira, enquanto os jogadores europeus e argentinos não dão tão certo porque não se adaptam bem. Ele só entra em campo no domingo, mas o resto da semana é totalmente diferente”.

Jadson

“Ele e o Luís Fabiano faziam parte de um projeto do Tianjin Quanjian para subir para a primeira divisão. Para os chineses, jogador que joga na segunda divisão não pode jogar na primeira. Até pouco tempo, eles diziam que para jogar na primeira o cara não ia aguentar correr porque corria menos na segunda. Uma coisa tosca. Pelo que fiquei sabendo, já estava acertado com o Corinthians, quando saiu da China. Além disso, o Canavarro entrou no lugar do Luxemburgo e optou por tirar a maioria dos jogadores contratados pelo brasileiro”.

Luís Fabiano

“Foi um pedido do Vanderlei Luxemburgo. Tinha só um ano de contrato. Foi um dinheiro muito bem investido na minha opinião. Foi goleador da segunda divisão. Fez sua independência financeira. Agora, ele pode jogar onde quiser. Até mesmo de graça”.

Vanderlei Luxemburgo

“Ele enfrentou problemas culturais lá na China. Por exemplo, levou 15 profissionais do staff dele para a comissão técnica. O médico do Flamengo foi para lá, mas os caras não estavam acostumados. Isso causou estranheza. E isso começou a causar problemas para ele. Até porque todo mundo sabe que o Vanderlei não é uma pessoa fácil de lidar. Na verdade, os chineses fizeram um complô. As pessoas do segundo escalão derrubaram ele”.

Felipão

“Ele tem uma seleção de jogadores na mão. O time dele é hexacampeão na China. No entanto, ele teve um problema de relacionamento no clube. Vez e outra, surge um ranço, estilo Celso Roth no Felipão. Ele implicou com o Elkeson e tirou o jogador do time. O Felipão chegou a ser demitido do clube, que ia assinar com o Marcelo Lippi, mas aí veio a seleção chinesa e levou o italiano. Então por isso que o Felipão ainda está lá”.

Jadson já retornou ao Brasil, mas ainda não definiu seu futuro. Luís Fabiano aguarda pela sua liberação do Tianjin Quanjian para voltar ao futebol brasileiro. Dos novos negócios, Marinho é a principal novidade, desembarcando em solo chinês.

Assim como já é na Europa, o futebol chinês deve chegar ao Brasil nos próximos anos. Segundo Ponticelli, os planos dos empresários chineses são de comprar um clube por aqui. Times já são especulados no interior de São Paulo e também no Rio Grande do Sul. O objetivo é criar a melhor equipe do país. Além disso, os times e agentes FIFA licenciados na China têm um aplicativo para o acerto de transações. Para que uma proposta seja autorizada o agente tem que ter uma autorização assinada pelo jogador e enviar uma foto com o mesmo.

*colaborou João Praetzel.