Blog do Praetzel

Arquivo : Flamengo

Por uma final inédita da Copa do Brasil, com a presença do Botafogo
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Nesta quarta-feira, vamos conhecer os finalistas de mais uma Copa do Brasil. Torneio que começou em 1989, sem muito interesse dos participantes, e ganhou importância, quando os clubes se deram conta de que além de um título, era um caminho mais rápido para a Libertadores da América. No início, só campeões e vice-campeões estaduais participavam. Depois, a CBF abriu aos times do ranking nacional, com o crescimento da competição. Grêmio tem cinco títulos, Cruzeiro tem quatro e o Flamengo, três.

Por isso, quero ver o Botafogo na decisão. Seria uma final inédita, contra Grêmio ou Cruzeiro. Nada contra o Flamengo, mas o Botafogo está merecendo uma conquista importante. O presidente Carlos Eduardo Pereira reconstruiu o clube, mesmo que ainda tenha uma situação financeira difícil. E o técnico Jair Ventura montou uma equipe sólida, sem brilhantismo, mas com um comprometimento de dar inveja a grandes esquadrões.

Conversei com o atacante Roger, após o jogo diante do Santos, no início do Brasileiro. Ele me disse que a maior dificuldade era o tamanho do elenco para a quantidade de partidas. Mesmo assim, deixou claro que sempre seria complicado bater o Botafogo, pela entrega e união de todos. E isso é cada vez mais claro. Não sei se o Botafogo ganhará a Copa do Brasil ou a Libertadores, mas não via um grupo ter tantos torcedores fora do Rio de Janeiro, como agora.

Gatito Fernandes; Luis Ricardo, Marcelo (Emerson Silva), Igor Rabello e Gilson; Rodrigo Lindoso, Matheus Fernandes, Bruno Silva e João Paulo; Guilherme e Roger. Quem diria que estes jogadores levariam o Botafogo a grandes momentos, em 2017? Pouca gente. Por isso, é preciso registrar o trabalho de Jair Ventura e comissão técnica, com a o apoio incondicional dos atletas.

Assim, me associo aos 10% dos torcedores presentes ao Maracanã e torço para que o símbolo mais bonito do futebol mundial esteja presente na final. Tudo por uma decisão inédita. Nada contra o Flamengo, mas seria bom o renascimento do Botafogo, em nível nacional e internacional. Afinal, o Mengão já ganhou três vezes.

Que seja um ótimo jogo para todo mundo. Mas que passe o Botafogo.

 


Quando Rueda deve ser cobrado por resultados?
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Fábio Carille se mostrou a favor da vinda de técnicos estrangeiros para o Brasil, mas questionou por que eles precisam de tempo para trabalhar e a mesma tolerância não é praticada com os profissionais daqui? É um bom debate. Acho que treinadores de fora têm mais dificuldades de adaptação ao nosso calendário e encontram outra cultura de trabalho, assim como ocorreria se algum brasileiro fosse para o exterior.

Em 2005, Vanderlei Luxemburgo foi para o Real Madrid e foi saudado por todos. Ficou um ano. Luiz Felipe Scolari trabalhou no Chelsea, em 2009, mas acabou dispensado, sem completar uma temporada. Os dois foram reféns de resultados, mesmo com currículos consagrados.

Para mim, é preciso dar tempo a todos os treinadores. Sou adepto da continuidade e entendo que as cobranças devam começar, após seis meses de trabalho. Com 180 dias, é possível apresentar um time definido, ideias de jogo e sistemas táticos. Óbvio que se a equipe for última colocada de um torneio ou estiver muito ameaçada de rebaixamento, uma mudança pode ocorrer. E isso vale em qualquer país. Em dezembro de 2015, José Mourinho caiu no Chelsea, porque estava nessa situação, mesmo tendo sido campeão, seis meses antes.

Reinaldo Rueda chegou ao Flamengo e estreou num mata-mata diante do Botafogo, numa semifinal de Copa do Brasil. É campeão da Libertadores da América e participou de duas Copas do Mundo, dirigindo Honduras e Equador. Tem experiência e qualidade, mas sua vinda gerou críticas e comparações com outros estrangeiros, que tiveram passagens rápidas pelo Brasil. Evidente que ele será cobrado, mas isso deve ser feito, a partir de 2018. Pegou o Fla mais para o fim do ano, em meio a três campeonatos importantes. Pode ser campeão? Pode, mesmo que isso seja bem difícil, com pouco tempo de trabalho.

Ninguém é milagreiro e Rueda sabe disso. A cultura imediatista precisa ser evitada e cabe a nós, jornalistas, também incentivar mais tolerância com nossos compatriotas e com quem vem de fora. E tapar os ouvidos para quem é definitivo com frases como “estrangeiros não ajudam, não sabem nada e não deixam legado nenhum”. Pura xenofobia.


Márcio Araújo respeita bronca da torcida, mas vê Flamengo bem encaminhado
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

O Flamengo dispensou o técnico Zé Ricardo, após 88 jogos no comando da equipe, desde 2016. O treinador foi campeão carioca e levou o time as semifinais da Copa do Brasil. A eliminação na primeira fase da Libertadores da América e a campanha irregular no Brasileiro, pesaram para a saída do treinador. Zé Ricardo vinha sendo muito criticado pela torcida, assim como Márcio Araújo, titular em muitas partidas e com 202 jogos pelo rubro-negro. o blog conversou com o Márcio Araújo sobre as broncas da torcida, antes da queda de Zé Ricardo. Ontem, contra o Vitória, o volante ficou no banco de reservas. Confira a seguir.

Por que a torcida do Flamengo tem tanta bronca com você?

Você acompanha minha carreira. Nunca vou falar de relação com a torcida. Falo em relação ao meu trabalho, o carinho que a gente tem de todos dentro do grupo, podendo sempre ajudar na maior parte do tempo, e é isso que a gente busca. Essa parte de torcedor a gente deixa para o torcedor. Eles têm as suas razões, a gente entende e respeita, mas sempre dentro de campo, eu tenho dado o meu melhor e na maior parte do tempo, tenho me saído bem.

Os treinadores sempre te elogiam. O fato de ser bem profissional e simples nas atitudes, o torcedor não entende esse comprometimento?

Talvez, mas eu não vou falar nada aqui, talvez até me prejudicando, mas a gente respeita a opinião do torcedor, como eu falei. A gente acaba trabalhando, respeitando a todos, fazendo aquilo que o treinador sempre pediu e a comissão técnica também, ajudando na maior parte do tempo. Espero que a gente consiga sair dessa situação, dar uma engrenada no Brasileiro. A gente está bem encaminhado numa semifinal da Copa do Brasil, tem a Primeira Liga ainda, a Sul-Americana. Então, ainda tem muita coisa pela frente. Tem que pensar em coisas boas, realizar grandes partidas no Brasileiro, com um turno inteiro pela frente.

Como você define o trabalho do Zé Ricardo?

Depois que ele pegou, desde o ano passado, a evolução que o Flamengo teve foi muito grande. Foi campeão carioca de forma invicta, ninguém fala isso. Você via o Flamengo jogando, tinha a mão do treinador e, infelizmente, talvez, no Brasileiro, a cobrança é maior, todo mundo quer que o Flamengo seja campeão. Talvez a gente tenha iniciado mal o Brasileiro e tenha pecado por causa disso, mas mesmo assim, o time está bem encaminhado. Tem uma semifinal da Copa do Brasil, oitavas da Sul-Americana, tem muita coisa para acontecer e espero que a gente possa dar continuidade no Brasileiro e nas outras competições que temos pela frente.

 

 


Rodrigo Caetano banca continuidade e acredita em arrancada do Fla
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

O Flamengo é apenas o quinto colocado do Brasileiro com 29 pontos, 15 atrás do líder do Corinthians. Na Copa do Brasil, o rubro-negro está nas semifinais, contra o Botafogo. Nas redes sociais, alguns torcedores reclamam das atuações do time e pedem a saída do técnico Zé Ricardo. O blog entrevistou o diretor-executivo, Rodrigo Caetano, com exclusividade. Rodrigo falou sobre o momento da equipe, defendeu Zé Ricardo, reclamou da arbitragem brasileira e descartou a contratação de Felipe Melo, pelo menos, por enquanto. Acompanhem a seguir.

Dá para buscar o Corinthians, 15 pontos atrás?

A visão é tentar somar pontos, tentar uma arrancada. Infelizmente, jogos onde estivemos melhor, nós não traduzimos em resultados. É só observar aí os adversários diretos. Se você for ver desempenho, Grêmio, Palmeiras, Corinthians e Santos, o Flamengo foi superior, mas não venceu. É isso que fica registrado na tabela. A distância aumentou, mas não vamos nos entregar jamais. A gente acredita que tem time, elenco e desempenho suficiente para ter uma arrancada dentro do campeonato.

As cobranças são justas pelo elenco que o Flamengo tem, apenas na quinta colocação?

Trabalhar e jogar no Flamengo, sempre haverá cobrança. O que é verdade e o Flamengo não pode ser cobrado é por ter um bom elenco, por melhorar a estrutura física do seu CT, por ter realmente diminuído demais o seu passivo, ter pago suas dívidas. Não pode ser cobrado por isso. Na minha visão, eu acho que tem que ser exaltado e até reconhecido isso. Agora, para um clube de futebol, o que vale é título. Ganhamos o Estadual, tropeçamos na Libertadores e estamos nas demais competições e vamos lutar até o final.

Por que a torcida tem tanta bronca do Zé Ricardo e Márcio Araújo?

Eu não sou adepto de rede social. Assim, eu falo o seguinte. Infelizmente, estamos num ambiente onde todo mundo entende de tudo. É uma das poucas profissões onde todo mundo nasce com a solução mágica. Na verdade, hoje, o que todos vocês e nós pregamos, é a continuidade do trabalho até um determinado limite. O que a gente observa todos os dias, são críticas pelas constantes mudanças de técnicos. Aí o Flamengo quer fazer diferente, acredita num trabalho, na continuidade, também está errado? A gente respeita a opinião do torcedor. Até um dia, eu fui mal interpretado em relação a isso. As redes sociais são para opinar, a gente respeita a opinião do torcedor, até manifestações. Mas na questão da avaliação, ela é realmente no dia-a-dia para quem está acompanhando o trabalho e a gente vê que a nossa equipe está evoluindo, joga um futebol de muita qualidade, só que isso não está se traduzindo em resultados, neste Campeonato Brasileiro. E talvez seja essa missão. Lamentavelmente, é assim. No futebol, existem alguns que são mais criticados e outros que têm mais crédito e as vezes podem errar mais. Infelizmente, desde que o mundo é mundo, é assim. Mas cabe a nós avaliar sempre de cabeça fria, para a gente tomar a melhor decisão. A continuidade, dita por todos aí, é o que mais nos aproximaria de um resultado positivo. É isso que a gente vai seguir.

Arbitragem ainda te dá dor de cabeça?

De um tempo para cá, deixei de analisar o jogo de forma isolada, retirada de um contexto. Na verdade, a gente aqui, após os jogos, lamentamos as formas como são feitas as críticas aos árbitros, que são seres humanos. Isso condiciona. Não tem como ser diferente, ou seja, o Flamengo foi criticado por todas as decisões, as quais foram voltadas atrás, com tomadas de decisões corretas. A única errada foi contra o Corinthians e parece que o jogo não acabou, em Itaquera. Continuou no jogo do Pacaembu. A forma pressionada que o árbitro apitou, somente vai atrapalhar. O próprio árbitro não terá condição de fazer uma arbitragem totalmente tranquila e isenta, depois da pressão que sofreu no jogo com o Santos, na qual, lá na Vila Belmiro, não aconteceu nada diferente do que o certo. Lamento profundamente isso, se não vai ficar um eterno condicionamento de arbitragem. E esses, lamentavelmente, que não são profissionais, acabam entrando nos jogos numa pressão absurda e aí aumentando sua margem de erro. É isso que eu lamento particularmente porque eles têm que entrar com a devida tranquilidade para fazer o melhor. Se for assim, vai ter um tal de correio para a CBF. Um dia, um manda uma carta, depois manda outra. A gente no Flamengo, faz o que nos é instruído. Quando tivermos um lance que nós entendermos que foi prejudicial ao Flamengo, a gente vai lá, manda o ofício, o vídeo, para avaliação da Comissão de Arbitragem. É dessa forma que a gente trabalha. Agora, o que aconteceu do último jogo do Santos para o do Pacaembu, é lamentável, até irresponsável, porque colocaram, inclusive, em dúvida, um profissional como o Leandro Vuaden, que nós sabemos o tanto quanto ele é profissional e muito acima da média. Está sendo constrangedor, para não usar uma palavra mais forte, sobre tudo que está acontecendo.

Felipe Melo interessa ao Flamengo?

Vou repetir o que eu já havia dito. A gente não conversou a respeito dessa possibilidade porque quando a gente avalia como boas oportunidades, tem que haver a necessidade, até uma condição financeira para isso. E o Flamengo atuou no mercado com algumas boas oportunidades. Não desenhamos a necessidade de mais um jogador para essa função, por mais que seja o Felipe Melo, que é um jogador identificado com o clube, tem sua história, importância. Mas hoje, o fato é esse. Nós não sentamos para avaliar isso. Ele é um jogador que tem vínculo com o Palmeiras e a gente não pensa nessa possibilidade, pelo menos, por hora.


Fla-Flu foi a vitória do futebol sobre FERJ e Ministério Público
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

O Fla-Flu que decidiu a Taça Guanabara foi a vitória do futebol sobre tudo de ruim que tem acontecido no Rio de Janeiro. É bom lembrar que até sexta-feira à tarde, não sabíamos se o jogo teria torcida única, duas torcidas ou nenhuma torcida, no Engenhão.

Engravatados, que adoram aparecer às custas do futebol, e os burocratas da FERJ, faziam de tudo para atrapalhar algo que já deveria estar definido há muito tempo. Mesmo com toda a bagunça e desmandos em geral, o público ainda compareceu em bom número, com a presença de mais de 27 mil pessoas. Pouco para a história do clássico. Muito para a realidade falida carioca.

Flamengo e Fluminense merecem todos os elogios. Foram dois gigantes dentro e fora de campo. Um jogaço digno da grandeza dos dois e da rivalidade imortal, com título tricolor, nos pênaltis. Parabéns aos clubes. Passaram por cima de toda a esculhambação estadual e ainda deram um pouco de esperança de dias melhores para o futebol carioca.


O enterro do “Clássico dos Milhões”
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Admito que sou saudosista e acho que o futebol brasileiro dos anos 70 e 80 era muito melhor do que o atual. Fui a vários jogos com torcidas divididas e mais de 70 mil pessoas em clássicos. Por isso, não posso esconder minha tristeza e decepção com o público de 6.979 num Flamengo e Vasco, numa semifinal da Taça Guanabara.

Pasmem. Até a quarta-feira, não se sabia onde seria o confronto, 72 horas antes. Dirigentes e funcionários burocratas eram as “estrelas” com entrevistas enfáticas e atitudes ameaçadoras. Em nenhum momento, se pensou no torcedor, na organização do torneio e num jogo deste tamanho.

A FERJ sabia que as semifinais seriam no fim de semana do Carnaval. A Polícia Militar também. Todos conheciam a situação lamentável do Maracanã e deixaram tudo para a última hora. Trataram o produto como lixo, essa que é a realidade. Moral da história: o “Clássico dos Milhões” foi enterrado, antes da quarta-feira de cinzas.

Que saudades do Maracanã lotado com públicos de 150 mil pessoas em Vasco e Flamengo. Torcedores misturados na Geral e nas cadeiras azuis. Vi bastante pela TV e depois como profissional do jornalismo esportivo.

Por isso, lamento a falência dos Estaduais, capitaneados por federações que não difundem o futebol, não trabalham em benefício dos clubes e nem ajudam na parte financeira. Entidades poderosas e com mandatários realizados, enquanto o futebol agoniza nos Estados. É só olhar e constatar.

Flamengo e Vasco para 6.979 pessoas, em Volta Redonda, numa semifinal de Taça Guanabara? Não pode. Jamais. Foi a constatação da incompetência dos organizadores e da passividade de quem participa deste circo. Uma pena.


Estaduais vão começar. Os favoritos do blog
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Os Campeonatos Estaduais começam neste fim de semana e mais uma vez servirão como pré-temporada para muitas equipes. Alguns serão mais valorizados porque a Libertadores da América foi estendida e não vai colidir datas de mata-mata com as fases decisivas. O blog lista seus favoritos aos títulos, respeitando todas as opiniões.

Paulista

Palmeiras e Santos são mais times que Corinthians e São Paulo. Santos ganhou sete títulos de 2006 a 2016 e chegou às últimas oito decisões. Começa fortalecido novamente. A mudança de regra com dois jogos a partir das quartas-de-final deve impedir os surgimentos de zebras, como Ituano e Audax. Fico com Palmeiras ou Santos.

Carioca

Flamengo é o favorito. Resta saber se a diretoria vai levar o Estadual a sério. No papel, possui equipe e elenco superiores aos rivais. Botafogo me parece ser o principal adversário, apesar de ter perdido para o Madureira. Fluminense está em transição e Vasco ainda está indefinido, buscando reforços. Contratação do meia Wagner foi boa.

Gaúcho

Grêmio nunca foi tão favorito como agora. Deve quebrar a hegemonia colorada dos últimos seis anos, tranquilamente. Tem um time mais arrumado e pegará o rival na Série B do Brasileiro. Se não ganhar o Gauchão, será um vexame. Brasil de Pelotas pode incomodar um pouquinho.

Mineiro

Depois do título do América, em 2016, Cruzeiro e Atlético se mexeram. Vejo um equilíbrio entre os dois times, mas não ficarei em cima do muro. Acho que dá Cruzeiro, priorizando mais o torneio em relação ao Galo. Apenas palpite.

Paranaense

Atlético se reforçou muito bem, mas tem o mata-mata da Libertadores no início do calendário. É o melhor time do Estado. Coritiba será o principal adversário, com o Londrina ficando como terceira força. Acho que o Paraná Clube será coadjuvante mais uma vez.

Catarinense

Talvez o Estadual mais equilibrado. Temos Criciúma, Figueirense e Avaí bem parelhos e Joinville e Chapecoense se reformulando. Chape será a fiel da balança, para o bem ou mal. A tendência é que sofra num primeiro momento. Sem muro, aposto no Avaí.

É isso. Novos jogadores vão aparecer, times do interior aprontarão para cima dos grandes, treinadores serão dispensados e teremos as velhas discussões sobre quem manda no Estado. Competições históricas, mas que precisam ser remodeladas, com disputas maiores entre os clubes do interior, classificações para torneios nacionais e fases decisivas mais curtas, envolvendo os melhores.


Wallace diz ser criticado por expor opiniões e teme extremismos à la Trump
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Wallace Reis é jogador de futebol profissional, mas não esquece de suas posições políticas. Bem articulado, o zagueiro tem opiniões formadas sobre o assunto e gosta de dividí-las, apesar de achar que existe preconceito com o atleta esportivo. Em entrevista exclusiva ao blog, Wallace revelou alguns pensamentos, falou sobre o fim do Bom Senso e os motivos que o levaram a deixar o Flamengo, antes de se transferir para o Grêmio. Leia abaixo.

Eleição de Donald Trump

“Olha, eu acompanhei muito pouco. Me desliguei um pouco de política nesses últimos quatro, cinco meses, porque eu estava me desgastando muito em relação a isso. Acabei deixando um pouco. Deixei de acompanhar tudo sobre a Lava-Jato, no cenário nacional político. Nas pesquisas estavam dizendo que a Hilary iria ganhar com uma margem pequena de dois ou três por cento na pontuação e acabou que no final, virou. Acho que isso é muito reflexo da população americana que está desacreditada nos políticos convencionais, tanto lá como aqui. Porque aqui a gente também vai vendo alguns Trumps se formando. O Bolsonaro está aí, ganhando força porque a população está um pouco desacreditada desse conservadorismo ou desse lado um tanto corrupto que nossa sociedade política tenha se embrenhado. A gente lamenta. Fico triste porque radicalismo demais nunca é bom e o Trump é um cara bem radical, pelo menos nas colocações dele. Em algumas entrevistas que eu vi, é um cara extremista demais e toda extremidade leva a ter algumas posições errôneas”.

Posicionamento político é combatido no futebol

“O futebol é natural que você crie uma certa barreira. É incômodo para todos os setores quando alguém destoa um pouco. Isso é natural para a sociedade, quando você tenta colocar suas posições. Eu sofri um pouco por isso. Fui criticado por isso. Acabou que minha família acaba sofrendo também e a gente acaba tentando se privar um pouco de certos posicionamentos, certos pensamentos ou ideologias que eu penso em relação à política, futebol, todo o contexto não só nas quatro linhas. Acho que a gente tem que passar por um processo de maturação, mas isso vai demorar para a aceitação. Costumo dizer que o jogador de futebol não é aceito, é tolerado, né. Então, enquanto você está jogando, você é tolerado. Quando você para, você passa a ser civil e já não tem mais, sua voz não é ativa. Eu não quero ser um cara que não tenha voz ativa, não como um jogador de futebol, mas como um agente da sociedade. O fato de eu ter me posicionado foi exatamente por isso. Eu ser uma referência para os meus filhos, meus amigos, meus pais que me educaram. Infelizmente, o futebol não está acostumado a lidar com isso. A gente ainda tem uma mente um tanto arcaica em relação a posicionamentos. Nosso país ainda, infelizmente, tem um conceito de que jogador de futebol é feito só para jogar. Eu acho que o atleta de futebol tinha muito mais coisas para se fazer, até porque, se você fosse perguntar para qualquer pessoa quem é o camisa dez da seleção, todo mundo vai te dizer. Se você perguntar quem é o presidente da Câmara dos Deputados e Senado, ninguém vai te falar. Ou de cada dez, dois vão te responder. O que é o segundo cargo mais importante do país. Então, a gente ainda priva para as coisas menos importantes, sendo as mais importantes”.

Fim do Bom Senso surpreendeu

“Não. Acho que o Bom Senso seguiu uma linha contrária ao que eu pensava. O Bom Senso acabou porque, a partir do momento que você não faz novas lideranças e entra muito somente na parte jurídica e os caras que têm que defender não se posicionam e não tomam à frente, isso vai perdendo força. É a coisa mais natural. Bom Senso ganhou força quando tinha Dida, Paulo André, Alex, esses jogadores. A partir do momento que esses jogadores foram parando, novas lideranças não surgiram, outros jogadores não se interessaram, até porque jogador de futebol é muito acomodado e isso é natural porque nós viemos da margem da sociedade. É educacional. Entendo isso. Infelizmente, a gente não pegou o timing da coisa. Coisa que na NBA, NFL, existe. O americano tem mais esse conceito, mais empreendedor da coisa. A gente teve a grande oportunidade e deixou passar. Agora, futebol vai continuar pragmático, estagnado, como vem ao longo desses 30 0u 40 anos no futebol brasileiro e a gente torce para que surjam novas lideranças”.

Saída do Flamengo

“O real motivo foi que eu…Aí entra mais essa questão. Não querendo me vangloriar, nada disso. Não sou narcisista nesse ponto. Mas eu sempre me posicionei. Nunca me escondi no Flamengo. O grande problema talvez tenha sido isso. O torcedor e a imprensa gostam de quem se esconde. Eu não me escondia. O time perdia, eu falava. O time ganhava, eu falava. Defendia meu ponto de vista. Muitas vezes contrário até da imprensa ou muitas vezes a favor da imprensa ou às vezes contra o elenco. Então, você vai criando uma certa barreira. Pelo fato de eu ser flamenguista, deixei aflorar demais o meu lado torcedor. Sentia muito todas as coisas que aconteciam no Flamengo e na hora que tinha que bater, eu acabava apanhando em proporções. Claro, no momento que tinha que ser criticado, entendo que a crítica vai ser feita até pelo cargo de capitão que eu exercia. Exercia um cargo de capitão no Flamengo porque eu sempre me posicionei como capitão. Não que eu quisesse, mas isso é da minha personalidade por onde eu tenha passado. Por isso, você acaba sendo alvo. No último ano que o Flamengo passou por crise, talvez eu tenha dado mais de 52 coletivas, onde outros jogadores não iam e outras pessoas do clube. Não faço crítica, nada. Cada um tem o seu posicionamento, mas o fato de você estar sempre aparecendo, te dá margem para apanhar mais. Nunca fui de me esconder e acabou que fui sofrendo. O torcedor tem uma análise um pouco passional, que é natural. A partir do momento que vocês da imprensa começam a criticar, o torcedor vai junto. Isso é normal, entendo e tenho maturidade suficiente para lidar com isso. E aí, o negócio foi virando uma bola de neve. Chegou o momento que minha família não tinha mais paz para morar no Rio. Questão de ameaças. Eu também não tinha mais uma vida social para poder levar meus filhos na escola e voltar. Então, já estava me atrapalhando. Modéstia à parte, estava jogando razoavelmente bem, sempre regular no Flamengo, como eu fui ao longo dos quatro anos. Até porque o próprio Muricy teve para me tirar do time inúmeras vezes, mas não tirou porque eu estava fazendo o que tinha que ser feito. Agora, infelizmente, a análise é por empatia. O lado da empatia pesa muito. Eu não sou um cara que você vai olhar e você vai sentir uma empatia automática por mim porque eu sou um cara sisudo, aparentemente. Isso é natural no futebol. Então, eu sempre tive que lidar com isso. Não é de agora. Desde quando eu surgi no futebol na base, fui assim. Não dar amém para tudo. Acaba que você vai criando umas certas restrições e vai desgastando com uma coisa, com outra. Mas fico feliz. Fiz uma história muito bonita no Flamengo, por onde eu passei, graças a Deus. Eu tenho 12 títulos na minha carreira. Ganhei título nacional no Flamengo. Fui referência do clube. Referência do time. Com os jogadores, eu era muito bem quisto, até hoje. Fiz amigos e mais do que qualquer coisa, saí de lá sendo homem. Agora, tive que tomar uma posição porque o clube e a gente não estava entrando num consenso de idéias e acabei optando por sair, já que o clube não me protegeu da forma que eu achava que deveria. Sou muito grato ao Flamengo por tudo que me proporcionou. Ao próprio Bandeira, ao Walim que foi o cara que me abriu as portas no Flamengo. Realizei o sonho de jogar no Flamengo. Eu tinha 11 anos e eu cansava de falar isso. Meu sonho é jogar no Flamengo. Por mais que eu tenha passado momentos difíceis, tive inúmeros momentos felizes. Então, foi uma coisa marcante na minha vida. Foi a realização de um sonho de menino. Por mais que a gente tenha esse discurso politicamente correto, eu não tenho esse perfil. Foi mágico eu ter passado esses quatro anos no Flamengo. Saber que eu vi o Flamengo ser campeão carioca em 2011 e falei: cara, um dia eu vou vestir essa camisa e vou honrar meus avós que são flamenguistas e eu consegui isso. Para mim, não tem maior alegria que isso”.

Wallace começou no Vitória e passou pelo Corinthians, antes de chegar ao Flamengo. No Grêmio, foi contratado nesta temporada. Não está disputando as finais da Copa do Brasil porque já tinha atuado no torneio, vestindo a camisa rubro-negra.


Imagino o Palmeiras campeão brasileiro. Falta definir a rodada
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Apesar de ter perdido para o Santos, ainda vejo o Palmeiras campeão brasileiro. Acredito que o time de Cuca é o mais consistente do campeonato e não irá entregar uma vantagem de cinco pontos para o Flamengo. Jogou mal na Vila Belmiro e mereceu a derrota para um adversário titular superior tecnicamente, depois de 15 jogos invicto. Serve de alerta para a reta final da temporada.

O Palmeiras terá Inter, Botafogo e Chapecoense no Allianz Parque e sairá contra Atlético-MG e Vitória. Confrontos complicados, mas o fator local pode pesar bastante. Acho difícil não fazer nove pontos.

O Flamengo enfrenta Botafogo, Coritiba e Santos no Maracanã e sai diante de América-MG e Atlético-PR.

O Santos pega Ponte Preta, Cruzeiro e Flamengo fora e recebe Vitória e América-MG.

Dos três, o Flamengo parece ter a tabela mais difícil. E ainda terá o confronto direto com o Santos.

Por tudo isso, imagino o Palmeiras campeão. Com 76 pontos, levanta a taça.

Falta definir a rodada. É apenas o meu sentimento.


Rodrigo Caetano acredita no tropeço do Palmeiras e banca Zé Ricardo em 2017
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

O Flamengo disputa o título do Campeonato Brasileiro com o Palmeiras. O rubro-negro tem 57 pontos, três atrás do Verdão. O blog conversou com o diretor-executivo de futebol do Flamengo, Rodrigo Caetano, sobre a luta pela taça, gestão do clube carioca, Zé Ricardo e a difícil convivência entre dirigentes profissionais e amadores no futebol. Acompanhem a entrevista exclusiva.

Flamengo X Palmeiras 

“Tenho a expectativa do Flamengo chegar na frente do Palmeiras. A gente sabe que é difícil porque o Palmeiras não está somente três pontos à frente, na verdade está quase a quatro pontos por conta do saldo de gols. O que anima o Flamengo, como está muito equilibrado, é como se fosse o jogo dos erros. Não só você tem que ter a performance de fazer o seu resultado, mas na esperança do teu concorrente em algum momento ter um deslize, um tropeço. Da mesma forma que o Palmeiras espera isso do Flamengo para também distanciar, nós esperamos isso do Palmeiras para que nos aproximemos deles. Claro, a gente não pode esquecer nunca do Atlético-MG também, Santos, mas no caso do Palmeiras a esperança de que em algum momento haja o deslize e nós tenhamos daqui até o final da competição, foco 100%, aproveitamento 100%. Essa é a idéia”.

Flamengo chegou pela gestão ou montagem do elenco

“Eu acho que os dois. Passou por um período de muita dificuldade porque a gestão sempre teve como objetivo sanear as dívidas, recuperar o clube, recuperar a credibilidade. O que eu vejo desse ano, principalmente, é que houve um investimento que para muitos não aparece. Investimento na tecnologia e nos equipamentos no Centro de Treinamento. Então, isso fez com que, mesmo com todas essas viagens, o Flamengo tivesse uma performance de poder bater uma liderança. Eu acredito somada à montagem de elenco e a boa performance de jogadores, viabilizada pela melhoria da infraestrutura, acho que é um somatório que vem dando resultado”.

Zé Ricardo é realidade

“Na minha visão, ele é uma realidade, dentre os bons técnicos do futebol brasileiro. Se você perguntar, ele está totalmente formado, num processo de formação porque é óbvio vem enfrentando situações as quais ele não enfrentava quando treinava as divisões de base, mas a nível de conteúdo, de metodologia de trabalho, de conhecimento, ele está preparado e se preparou para esse momento. Então, todas as demais questões, eu acredito que ele conta também com uma equipe altamente qualificada que dá o suporte que auxilia ele nessa questão da formação das outras características que um técnico tem que ter e que adquire isso com a experiência. Mas eu vejo ele sim como um dos futuros técnicos de ponta do futebol brasileiro num curto espaço de tempo”.

Zé Ricardo vira o ano como técnico ou depende do título 

“Vira, sem dúvida. Quando você consegue identificar um profissional dessa qualidade, que conhece o Flamengo, que tem conteúdo e que também se coloca como parte integrante de uma equipe multi-disciplinar e interdisciplinar, não tem porquê você modificar, já que a filosofia do Flamengo é essa”.

Flamengo vai dominar o futebol brasileiro num futuro próximo

“Olha, se tiver uma capacidade de investimento maior, é claro que a nível de mercado, vai ter uma vantagem, mas isso vai depender muito das escolhas, vai depender muito de manter essa política, não digo da austeridade, mas da responsabilidade. O Flamengo hoje tem 35% do seu orçamento destinado ao futebol. A esperança é que, com o passar dos anos, com a situação financeira mais equilibrada, reinvestimento no patrimônio, que o Flamengo consiga atingir 50%. Isso que o Profut limita em 70% ou 80%. O Flamengo trabalha com metade disso. Então, por conta justamente da oportunidade e momento de sanear o clube. Se bem gerenciado, não dá para dizer que o Flamengo vai nadar de braçada, mas se tiver uma gestão competente daqui para a frente, a possibilidade de ter equipes mais competitivas, ela óbvio que aumenta”.

Diego sobra no futebol brasileiro

“Diego não é só apenas um grande jogador tecnicamente. Ele é um grande profissional, uma surpresa altamente positiva, um dos grandes exemplos daqueles atletas que vão para a Europa e retornam. Você ter atletas como Diego, Ederson, Paolo Guerrero, eu como gestor não me limito a avaliá-lo somente pelo que ele me dá dentro de campo, mas fora dele. Exemplos positivos como comprometimento, foco, o cuidado que ele tem na parte física, clínica, o entendimento do jogo, querendo sempre estar atualizado. Isso passa um exemplo altamente positivo para os demais do elenco e facilita demais a questão da gestão do técnico e minha também”.

Reforços para 2017 e vendas de atletas

“Temos alguns jogadores no radar. A gente pretende ter uma mudança muito menor de elenco porque a gente vem se preparando para isso, mas é óbvio que o momento não é de falar sobre isso. Nós temos aí uma disputa em aberto, mas a gente vem planejando as conversas internas em relação as nossas necessidades, é o que nós projetamos para 2017 e os possíveis nomes, isso a gente já vem fazendo, mas o momento de atuar mais firmemente no mercado não é agora porque senão eu acredito que o prejuízo seria muito maior. Temos coisa grande em disputa”.

Flamengo e seu histórico de arrancadas finais para o título 

“Não tem nada disso. É claro que tem esse estigma, é o que o torcedor acredita, mas eu acredito em trabalho e os nossos concorrentes vêm realizando um grande trabalho também. A esperança, como eu disse no início, possa haver um desequilíbrio, um deslize dos nossos concorrentes para que o Flamengo possa subir. Da nossa parte, nós faremos de tudo para que não ocorra conosco, a nível de concentração, de comprometimento, de foco, não vai haver. Vão haver sim jogos dificílimos daqui para a frente, as dificuldades elas vão ser tanto para nós como Palmeiras, Atlético, Santos, principalmente, mas o Flamengo vai tentar fazer a sua parte. No que eu acredito é que se o Flamengo fizer a sua parte, em algum momento é muito difícil você manter esse índice de aproveitamento e a gente espera que o Flamengo mantenha e os nossos concorrentes não”.

Executivos X Dirigentes amadores

“Eu penso que tem papéis distintos. O grande dilema é um profissional entender a sua função, sua atribuição e da mesma forma o dirigente estatutário, amador. Quando nós vimos muitas vezes esse suposto conflito é por justamente a falta de entendimento. O dirigente profissional ou executivo, ele não vislumbra ter mais ou menos poder. Nós não queremos poder. Nós queremos as informações, digamos, o que nós temos de ferramentas para a melhor tomada de decisão seja realmente levada em consideração. Da mesma forma que no nosso entendimento, o dirigente estatutário, ele existe para estabelecer as diretrizes, cobrar as metas estabelecidas dos profissionais que vão executar. Quando esses papéis muitas das vezes se invertem ou na verdade eles se confundem, aí é que o problema na gestão do futebol brasileiro. Para isso aí realmente não há mais espaço, o sistema está falido. Enquanto determinados clubes não entenderem que o dirigente amador estabelece as diretrizes, cobra e exige que as metas sejam atingidas e quiser entrar para dentro da operação do negócio sem o devido conhecimento e a devida preparação, aí nós vamos retomar e encontrar os motivos pelos quais muitos clubes enfrentaram problemas e construíram essa dívida astronômica que a maioria deles, infelizmente enfrenta”.

Rodrigo Caetano tem contrato com o Flamengo até dezembro de 2018. Foi ex-jogador e se tornou executivo no RS Futebol Clube. Depois, trabalhou no Grêmio, Vasco e Fluminense, até chegar ao Flamengo à convite do atual presidente Eduardo Bandeira de Melo.