Blog do Praetzel

Arquivo : zagueiro

A. Carlos vê Palmeiras mais unido e titularidade fortalecida por bom início
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

O Palmeiras enfrenta o Mirassol, neste sábado, tentando manter os 100% de aproveitamento no Paulista. Até o momento, são cinco vitórias em cinco partidas. O técnico Roger Machado pretende escalar força máxima e manter os jogadores que vêm atuando. O blog entrevistou Antonio Carlos, titular desde o início da temporada. O zagueiro ressaltou a união do grupo, o respeito e o fortalecimento do seu futebol na equipe. Acompanhem.

Presidente Galiotte disse que o Palmeiras não precisa de um novo zagueiro. Isso é uma boa notícia?

Uma boa notícia, mas como eu já frisei e já deixei bem claro. Quem chegar, vai chegar para ajudar, somar e ajudar a evoluir para quem está jogando. Se tiver que buscar outro zagueiro ou não tiver, tenho certeza que os onze que começarem os jogos, vão evoluir muito para a gente conquistar coisas nesse ano.

Cinco vitórias em cinco jogos fortalecem você e o Thiago Martins como titulares?

Sim, fortalece. As vitórias nos fortalecem. Com muita humildade, trabalhando bastante, a gente pode chegar muito mais longe. Esse é o foco. A gente está 100%, mas a gente tem que ter humildade para que a gente possa se sair bem durante todos os jogos, cada vez melhor.

Roger revelou que o time titular do momento é esse que vem jogando. Faz diferença em campo?

Muita diferença. Eu acho que com a sequência, a gente vai se conhecendo mais. Agora, tenho certeza que quem está no banco, esperando sua oportunidade, quando entrar, vai dar a vida. É uma família que está se formando. Eu olho para trás e vejo grandes jogadores. Vejo o Edu, Luan, Juninho e todo mundo fazendo seu trabalho, farão com que eu evolua, como eu estou fazendo eles evoluírem também. Isso é muito importante para que o trabalho seja bem feito.

Essa união de hoje faltou no ano passado?

Não é que faltou. Teve, mas poderia ter tido mais. A gente conversou quando começou o ano e a gente sabia que essa camisa era muito pesada e tínhamos que buscar mais, até porque pelo investimento que foi feito, a gente precisava de mais. Espero que seja esse ano, com o professor Roger e com todos ali. Estou muito feliz de estar aqui, vestindo essa camisa e espero que a gente consiga mais coisas no final do ano.

Revelado no Corinthians, Antonio Carlos foi pouco aproveitado entre os profissionais. Ganhou espaço no Avaí, por duas temporadas, com 91 jogos disputados e cinco gols marcados. Esteve na Ponte Preta com Eduardo Baptista e foi indicado pelo treinador, quando ele chegou ao Palmeiras.

Em 2017, Antonio Carlos participou de apenas oito jogos. Teve o contrato renovado até dezembro de 2018 e já esteve em cinco confrontos com um gol anotado.


Palmeiras avalia zagueiro colombiano para o lugar de Mina
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

O Palmeiras vai ao mercado para contratar mais um zagueiro, depois da saída de Mina para o Barcelona. O blog apurou que os responsáveis pelo departamento de análises e estatísticas buscaram números e informações sobre Felipe Aguilar, defensor do Nacional de Medellín da Colômbia.

Aguilar tem 1,90m e fará 25 anos, dia 20 de janeiro. Em 2011, foi revelado no próprio Nacional. De 2012 a 2015, o colombiano passou quatro temporadas no Alianza Petrolera, retornando para Medellín, no ano seguinte. Em 2016, fez 32 partidas, atuando com Guerra e Borja, como titulares. Em 2017, Aguilar disputou 24 jogos, sem marcar gols. Na Seleção colombiana, Aguilar teve participações em três confrontos.

Na primeira consulta feita pela diretoria, o Nacional pediu U$ 6 milhões por 80% dos direitos econômicos. Aguilar tem contrato até dezembro de 2020.

No elenco, o Palmeiras tem Edu Dracena, Luan, Juninho, Emerson Santos, Antonio Carlos, Thiago Martins e o garoto Pedrão.


Mina tem dia decisivo no Palmeiras. Tendência é ir para o Barça agora
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Mina e o seu tio e empresário, Jair Mina, estarão na Academia de Futebol, nesta sexta-feira. Os dois terão uma conversa com o diretor-executivo, Alexandre Mattos, sobre o futuro próximo do jogador. O blog apurou que o zagueiro gostaria de sair para o Barcelona, neste mês de janeiro. A diretoria já admite essa possibilidade.

O clube espanhol tem a prioridade na aquisição do colombiano e sinalizou com uma oferta de 13 milhões de euros(R$ 50,5 milhões). O Palmeiras tem 80% dos direitos econômicos e o Santa Fé da Colômbia, os outros 20%. Caso o negócio seja concretizado, o Verdão ficará com R$ 40,4 milhões. Lembrando que Mina foi adquirido por R$ 12 milhões, pagos pelo ex-presidente Paulo Nobre, em 2016.

Mina deverá ser convocado pela Seleção colombiana para a data Fifa de março e para a Copa do Mundo, se apresentando no final de maio. Como depois do Mundial, a saída já está prevista, o Palmeiras deve finalizar a transação, acatando a vontade do atleta.

Mina está com 23 anos. Disputou 49 jogos e marcou nove gols pelo Palmeiras. Foi Campeão Brasileiro, em 2016, como um dos destaques da competição.


Palmeiras negocia contratação de Pablo
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Dia 06 de dezembro, postei neste mesmo espaço que o empresário de Pablo tinha confirmado uma reunião com Alexandre Mattos, na Academia de Futebol. Fernando César disse que estava tratando de uma negociação de um atacante do Palmeiras para o futebol chinês.

Mas o blog apurou que, na realidade, Fernando desconversou. No encontro, foram os primeiros contatos sobre a possibilidade do Verdão contratar o zagueiro.

A diretoria pretende pagar R$ 30 mil a mais de salário, em relação ao que Pablo recebia no Corinthians, num contrato de cinco anos. Os direitos econômicos do jogador custam três milhões de euros ao Bordeaux da França.

O blog encaminhou mensagens aos dirigentes de futebol do Palmeiras para confirmar a negociação, mas não houve respostas.

O Palmeiras já contratou o zagueiro Emerson Santos, ex-Botafogo, e tem Edu Dracena, Luan, Juninho, Mina e Antonio Carlos no elenco. O último não deve ter o contrato renovado e Mina pode seguir para o Barcelona, em janeiro, a pedido do clube espanhol.


Balbuena desconversa sobre saída e divide méritos com grupo corintiano
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Fabián Balbuena chegou ao Corinthians, em 2016, sem muito alarde. Contratado do Libertad-PAR, se adaptou rápido ao futebol brasileiro e virou titular absoluto do time. Em 2017, destacou-se e foi o melhor zagueiro da Série A. Em alguns jogos, não cometeu nenhuma falta, lembrando o ex-ídolo Gamarra. Em entrevista exclusiva ao blog, Balbuena não descarta a saída do clube, admite que foi um ano maravilhoso e divide todas as honrarias com o grupo de atletas. Confira a seguir.

Foi o melhor ano da tua carreira?

Eu acho que sim, um dos melhores. Porque conseguir tudo isso com um time como o Corinthians é algo muito lindo. Então, acho que foi uma temporada muito boa, além do time conseguir os objetivos, também a nível pessoal, me senti muito bem nos jogos e acho que eu fiz uma boa temporada para fechar esse ano.

Ganhar o Brasileiro foi uma surpresa para vocês, internamente?

Logicamente, todo o grupo aspira ganhar coisas, mas a gente sabia que ia ser difícil. Logicamente, a gente não imaginava que a temporada iria ser assim, mas a gente trabalhou para que isso acontecesse. Acho que o trabalho e o sacrifício que a gente fez durante todo o ano, a gente conseguiu ser recompensado com dois títulos. Então, independentemente do que se falava no começo de temporada, o mais importante foi que a gente acreditou no trabalho e conseguiu chegar aos objetivos.

Qual a projeção para você? Ideia de sair em janeiro ou ficar mais um tempo no Corinthians?

Minha projeção é entrar em férias com minha família, descansar e recarregar a bateria para o ano que vem. Como eu sempre falo, o futuro é muito incerto. Ninguém pode assegurar que vai ficar ou vai sair, ainda mais no futebol, que muda muito rápido. Então, eu prefiro curtir e aproveitar esse momento com minha família e descansar um pouco também.

A saída do Pablo te surpreendeu?

Surpreendeu não, porque era uma das possibilidades. Nas negociações, pode acontecer isso, ficar ou ir, mas na situação que ele estava só até o final do ano. Enfim, a gente só pode torcer para ele, onde for que esteja bem e possa fazer o melhor dele. Ele é um cara muito legal. Fez muita coisa para nós esse ano. É uma coisa que foge das nossas mãos, negociações entre jogadores e diretoria, mas a gente fica feliz porque ele foi parte desta temporada também e a gente vai torcer pelo sucesso dele na carreira.

Zagueiro Marllon da Ponte Preta é um bom nome para o Corinthians? Você conhece?

Estão falando em muitos nomes. Logicamente, não posso falara em nenhum. Não sei se vai vir alguém ou não, é uma coisa que é questão da diretoria. Como eu falei, a única coisa que eu posso falar é que eu vou curtir essas férias merecidas pelo trajeto dessa temporada, que é muito corrido. Então, a gente fica mais tempo nas concentrações, treinos do que em casa e é tempo de curtir a família e recarregar a bateria para o ano que vem.

Pedro Henrique e Léo Santos são realidades no Corinthians?

Acho que o Pedro Henrique é uma realidade hoje, tem mais experiência que o Léo Santos, mas o Léo Santos tem muita qualidade. Acho que, a curto prazo, será um dos jogadores importantes do Corinthians. Tomara que eles possam seguir nesse caminho que estão, aprendendo e se esforçando para conseguirem coisas importantes no clube.

Você imaginava ser escolhido o melhor zagueiro do Brasileiro em dois anos atuando por aqui?

Não penso muito nisso. Sempre tento fazer um bom trabalho, ótimo dentro de campo, ajudando minha equipe. O objetivo sempre é o grupo. Conseguir os objetivos do grupo e sempre estar por cima de qualquer prêmio individual. Se eu for premiado por alguma coisa, a nível individual, será também graças a minha equipe porque quando o time está bem, tudo é visto de boa forma.

Balbuena está com 26 anos e tem contrato com o Corinthians até dezembro de 2018. Em julho, já poderá assinar um pré-contrato com outra equipe. Por isso, ele pode ser negociado em janeiro para o Corinthians lucrar com a transferência.

O zagueiro já disputou 99 jogos e marcou oito gols pelo Corinthians.


Permanência de Pablo vira dúvida no Corinthians
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

A renovação de contrato de Pablo com o Corinthians, virou novela. Depois de tudo encaminhado, no meio do ano, uma postagem do empresário do jogador, nas redes sociais, azedou a relação. Na ocasião, Fernando César fez críticas à proposta dos dirigentes em parcelar luvas e comissão por mais de três anos. A atitude de Fernando desagradou a direção, congelando as negociações. O Corinthians precisa depositar o valor de três milhões de euros ao Bordeaux da França, para contratar o atleta, até o dia 31 de dezembro.

O blog fez contato com Fernando César, que não quis conceder entrevista, apenas ressaltando que tudo depende do Corinthians, com um acordo de quatro anos e meio encaminhado, válido a partir de 01 de julho. Se o Corinthians não pagar, Pablo voltará para o Bordeaux. O zagueiro e seu empresário negam que já exista um pré-contrato encaminhado com outro clube brasileiro. O Flamengo seria um interessado para 2018.

Pablo foi enfático e colocou uma previsão para definir o assunto. “Não conversamos mais sobre isso. Temos mais dois ou três meses ainda até o final do contrato. Acho que vamos, talvez, definir até o final do contrato, mesmo”, afirmou.

Talvez, palavra do zagueiro. Pelo que o blog apurou, no início de outubro, deve haver uma reunião para encerrar a questão. Hoje, a tendência é não renovar, também pela situação financeira delicada do clube.

Pablo tem 26 anos. Disputou 43 jogos e marcou dois gols.


Luan: “Palmeiras é o maior time do Brasil. Ninguém quer derrubar o Cuca”
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

A semana começa com o Palmeiras acreditando numa arrancada para ainda sonhar com algo maior, no Campeonato Brasileiro. Os jogadores acreditam na qualidade do elenco e na recuperação técnica da equipe, para encostar definitivamente, nos primeiros colocados. O zagueiro Luan acha que os melhores estão na Academia de Futebol e que todo mundo quer atuar pelo Verdão. O blog entrevistou o jogador sobre a retomada do bom futebol, o ambiente no clube e a busca por resultados imediatos, esperados pela torcida. Confira a seguir.

Palmeiras tem time para ficar em segundo lugar no Brasileiro, pelo menos?

Claro. Na minha opinião, os melhores jogadores estão aqui. As vezes, as coisas não acontecem, não encaixam, mas não é porque aqui ninguém sabe jogar, é porque as coisas não acontecem mesmo. Mas tenho certeza que a partir de um clássico, que te dá confiança, que você ganha, jogando bem, as coisas podem começar a acontecer para nós. Aproveitar que a gente tem esse tempo para trabalhar, entrosar, não sofrer esses gols bobos que a gente vem sofrendo e conseguir mais vitórias no campeonato.

No clássico contra o São Paulo, você jogou por toda a defesa?

Não. Não vejo assim. Todo o time tem os seus méritos. Aqui no Palmeiras é assim, o mérito é de todos, inclusive da direção e do treinador. Aqui não tem ninguém, como algumas pessoas dizem, de corpo mole, querendo derrubar o Cuca, o Mattos ou o presidente. A gente é muito amigo aqui, só que as vezes, as coisas não acontecem e as pessoas procuram problemas. Eu creio que resultado alimenta ambiente e só ganhando que a gente afasta essas coisas daqui.

Vitória em clássico é bom também para retomar convicções que ficaram abaladas com as eliminações recentes?

É óbvio. Os jogadores que chegaram ou os que estão aqui, querem mostrar seu trabalho. Eu sou um deles e os que estão aqui também querem permanecer jogando bem, porque o Palmeiras é a maior equipe do Brasil e todo mundo quer estar aqui, jogadores que atuam em outros times, querem estar aqui. A gente sabe que precisa melhorar muito ainda para buscar nossos objetivos na competição.

Há um arrependimento por vocês terem largado um pouco o Brasileiro?

Ninguém largou. É um campeonato muito difícil. É verdade que com mais cinco ou seis pontos, estaríamos buscando o Corinthians e se estivéssemos com cinco ou seis pontos a menos, estaríamos perto da zona de rebaixamento. O campeonato é muito difícil. Nós perdemos um jogo para a Chapecoense, que estava na zona e ganhamos do Sport, fora de casa, que estava mais acima. A gente não pode oscilar. Tem que manter uma regularidade boa e fazer grandes jogos para a que a gente possa ganhar.

O Palmeiras está na quarta colocação com 36 pontos, 14 atrás do Corinthians, sete do Grêmio e dois do Santos. O time enfrenta o Atlético-MG, sábado, em Belo Horizonte.


Dracena comemora desarme salvador no clássico e mantém fé no Brasileiro
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Edu Dracena foi aplaudido pela torcida e reverenciado por muitos palmeirenses, após a vitória de 4 a 2 sobre o São Paulo, no Allianz Parque. O zagueiro desarmou Marcos Guilherme num ataque de três contra dois do São Paulo. O lance salvou o Palmeiras e originou o ataque do terceiro gol do Verdão. Em entrevista ao blog, Dracena mostrou toda sua felicidade pela importância da defesa e pelo resultado que dá um novo ânimo ao time e elenco. Acompanhem.

Você tirou a bola do jogo do São Paulo, no lance com o Marcos Guilherme, salvando o Palmeiras, quando estava 2 a 2?

Eu fico muito feliz, principalmente, para nós, ali da defesa. Quando a gente tira uma bola, ou em cima da linha, ou da maneira como foi, para nós é como se fosse um gol. E mais feliz ainda, porque logo em seguida a gente faz o gol. Acho que isso tira um peso muito grande. Fiquei muito feliz. Sempre que eu entro em campo, procuro ajudar meus companheiros da melhor forma possível, ou tirando essas bolas, ou orientando, e fiquei muito feliz com esse desarme e mais feliz ainda com a vitória do Palmeiras.

Vocês pensam nos oito pontos perdidos recentemente no Brasileiro? Poderiam estar com 44 pontos.

Muito. Também teve um jogo contra o Atlético-MG no Allianz, quando perdemos um pênalti e poderíamos ter ganhado. Então são pontos, que como a gente fala sempre antes de começar o campeonato, que não podemos perder pontos dentro de casa e isso faz uma diferença muito grande lá na frente e está fazendo agora para o Palmeiras. Mas eu acho que às vezes as derrotas acontecem para você crescer e analisar o que você está fazendo de errado. Acho que nada acontece por acaso, nada por acontecer e sim, de uma forma que tem para acontecer e você aprender. Acho que o Palmeiras vem aprendendo. Tomara que a gente consiga dar alegrias para o torcedor da melhor maneira possível, como a gente deu contra o São Paulo. Aniversário do clube, 103 anos. Sair com uma derrota ia ser muito dolorido para nós. Agora, uma bela vitória como foi, o palmeirense deve estar muito feliz.

Houve o discurso interno de que não dava mais para lutar pelo Brasileiro, em algum momento?

Não. Em nenhum momento aconteceu. Até porque a meta que a gente traçou, quando a gente saiu da Libertadores, é tentar ser campeão do segundo turno do Brasileiro. Acho que tentar ser campeão do segundo turno para ver onde a gente pode chegar. Se você vai chegar para brigar pelo título no final, ok. Se não, você está ali entre os primeiros para tentar uma vaga na Libertadores. Então, acho que o Campeonato Brasileiro te mostra que, quanto mais você acreditar até o final, de repente, pode até alcançar. É isso que a gente está procurando fazer, com os pés no chão. Não é porque ganhou o clássico, que vai brigar pelo título. Não, calma. Foi uma bela vitória, temos que comemorar sim, mas pensar jogo a jogo, para no final, ver onde podemos chegar.

Em nove pontos no segundo turno, o Corinthians somou três. E aí?

Então, o futebol é isso aí. Não tem muita lógica. O primeiro pega o último e perde, só aqui no Brasil que isso acontece. Então não pode deixar de acreditar em nenhum momento. Procurar fazer sempre o seu melhor e com essa camisa, é uma responsabilidade muito grande, um clube centenário, fazer sempre o seu melhor.

O Palmeiras é o quarto colocado com 36 pontos, 14 atrás do Corinthians. O time volta a campo, dia 9 de setembro, contra o Atlético-MG, em Belo Horizonte.

 


Tobio é emprestado de novo. Zagueiro tem bola para jogar no Palmeiras
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Tobio foi emprestado para o Rosário Central da Argentina, até junho de 2018. O zagueiro foi liberado pela diretoria do Palmeiras e viaja nesta quinta-feira. Tobio chegou ao Verdão, em 2014, indicado pelo técnico Ricardo Gareca. Desembarcou com cartaz, após boas atuações pelo Velez Sarsfield.

No Palmeiras, fez 33 jogos e marcou um gol. Sua situação começou a mudar, quando procurou Alexandre Mattos, pedindo para deixar o Palmeiras. Mattos mal tinha chegado ao clube e não gostou da postura do argentino. Tobio foi emprestado para o Boca Juniors, onde disputou 50 jogos, sem fazer gol. O Boca não exerceu a opção de compra e Tobio retornou ao Brasil.

Particularmente, acho Tobio um bom zagueiro, superior a Juninho e Antonio Carlos e igual a Luan. Poderia fazer parte do elenco palmeirense, tranquilamente. Mattos poderia contornar a situação e reintegrá-lo, contando com a concordância do atleta, claro.

Tobio fará 28 anos, em outubro, e tem contrato até junho de 2019. Se for negociado, o ex-presidente Paulo Nobre receberá R$ 1,4 milhão. Nobre pagou do próprio bolso para contratar o zagueiro.


Henrique valoriza molecada do Flu e acha que Richarlison fica no clube
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

O Fluminense está em oitavo lugar no Brasileiro com 15 pontos em 30 disputados. O time tem chamado a atenção pela qualidade de alguns jovens, como Wendell, Marquinhos Calazans e Richarlison, além da afirmação do meia Gustavo Scarpa. O blog entrevistou o zagueiro experiente Henrique, com exclusividade, sobre as possibilidades do Fluminense buscar algo maior e a capacidade da garotada, misturada aos nomes mais consolidados do grupo. Confira a seguir.

Até onde vai o Fluminense com essa garotada e o suporte dos experientes?

“Eu acho que tem muita coisa para acontecer ainda no campeonato, mas a molecada está dando conta do recado, diante de um campeonato difícil, complicado. Eu acho que essa base do Fluminense é uma base forte, já vem com um pouco de experiência. Eles estão dando conta do recado. Ainda tem muita coisa para acontecer, melhorar e isso vem acontecendo naturalmente, até mesmo dentro do campeonato”.

Fluminense tem capacidade para ficar entre os quatro primeiros?

“Com certeza. Esse é o nosso objetivo e pensamento. Tem que pensar jogo por jogo. No último contra o São Paulo, dentro do Morumbi, fomos buscar a vitória e quase conseguimos”.

Alguém pode buscar o Corinthians, líder com 26 pontos e 11 à frente do Flu?

“Eles estão numa fase boa também. As vezes, contam com um pouco de sorte, mas tem um elenco de potencial também. Como eu disse, no futebol acontece muita coisa, ainda mais no Brasileiro. Tem muito chão pela frente ainda e muita coisa para acontecer. A gente vai em busca dos objetivos”.

Richarlison fica no Flu ou ainda pode sair?

“A gente não conversa, nem comenta muito. É mais coisa interna do Fluminense. Isso é uma coisa dele, particular, e a gente acompanha, que ele vem se dedicando e nos ajudando. Então, isso aí é um pensamento dele. Acho que ele está pensando no Fluminense”.

A saída de Richarlison ainda não está descartada. Representantes do atleta acreditam que o Ajax da Holanda pode apresentar uma oferta de dez milhões de euros pelo jogador.

O Fluminense volta a campo, nesta segunda-feira, recebendo a Chapecoense, no Maracanã. Na Copa Sul-Americana, o tricolor carioca fez 4 a 0 na Universidad de Quito e encaminhou a classificação para as oitavas-de-final do torneio.