Blog do Praetzel

Arquivo : Futebol

“Menino” Neymar foi mal na Copa. O resto é bajulação
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Brasil eliminado da Copa do Mundo e vamos aos debates sobre as causas do tropeço ou fracasso, para alguns. Entre algumas escolhas equivocadas de Tite e desempenhos abaixo da média de alguns jogadores, é impossível não falar sobre Neymar. Eu sempre fui um dos que achou que era possível disputar o título sem Neymar. Sem aquela dependência natural, pela qualidade dele. E acredito que o Brasil estava bem treinado coletivamente, para conseguir jogar sem sua principal estrela, se fosse necessário.

Contra a Béglica, o Brasil perdeu na bola e Neymar foi mal. E foi mal em toda a Copa, por tudo que se esperava dele, do ponto de vista individual. Antes do começo do torneio, a projeção era de crescimento físico, a partir da terceira partida, após a lesão no quinto metatarso do pé direito. Neymar fez uma primeira fase de razoável para boa, mas sem grande destaque. Na vitória sobre o México, teve boa atuação, sem protagonismo.

Agora, na derrota para a Bélgica, ficou longe do esperado. Num confronto decisivo, o que se espera do craque é que ele assuma o jogo. Que resolva nos momentos mais complicados. E Neymar ficou distante disso. Se atrapalhou em vários lances, simulou um pênalti, não foi para os dribles e saiu com bola e tudo pela linha de fundo. Deu um bom passe para Coutinho finalizar e chutou para ótima defesa de Courtois, no final do jogo. Sofreu uma pressão absolutamente normal em cima de quem tem status para aguentar. Neymar é o melhor jogador brasileiro no futebol atual e era cotado para ser o craque da Copa e possível melhor do mundo, para encostar em Messi e Cristiano Ronaldo. Sucumbiu.

Edu Gaspar, diretor-executivo da CBF, disse que não é fácil “ser Neymar”, pelas críticas que recebe. Uma declaração bajulatória. Neymar disputou sua segunda Copa, enfrenta os principais nomes do futebol, tem tudo a sua disposição e tem dificuldades para isso? Ora, está com 26 anos e não é mais um menino. Deveria assumir a responsabilidade de liderar a seleção, mas não é capaz disso. Falta personalidade e mais senso crítico. Seu futebol regrediu, claramente. Está na hora de alguém próximo a ele ou da comissão técnica, mostrar que o futebol tem que ser tratado com mais foco, disciplina e concentração. Neymar tem muita bola, mas parece que só isso não vai melhorá-lo. E os “parças” e puxa-sacos de plantão, precisam ajudá-lo, absorvendo as críticas construtivas e buscando crescimento diário, num todo.

O resto é pura bajulação. O blog dá nota 4,5 pelo seu desempenho na Copa. Por tudo que era esperado e por tudo que ele representa.


Akinfeev, quatro anos depois. Na Espanha, Lopetegui será o tema principal
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Na Copa do Mundo de 2014, a Rússia ficou no grupo com Bélgica, Argélia e Coréia do Sul. Fez uma primeira fase horrorosa, com dois empates e uma derrota, sendo eliminada. O goleiro Akinfeev foi considerado um dos responsáveis pela má campanha, com falhas em momentos decisivos.

Quatro anos depois, Akinfeev vira herói, defendendo dois pênaltis da Espanha e colocando a Rússia nas quartas-de-final da Copa. Ainda foi seguro no tempo normal e prorrogação, ajudado pelo forte esquema defensivo, parando a favorita Espanha. O futebol é espetacular e muita coisa muda em quatro anos. Das críticas à redenção.

Akinfeev merece registro como o técnico Stanislav Cherchesov. O treinador parece não se emocionar com nada, mantendo a frieza russa. No entanto, a cada jogo, vemos uma equipe muito disciplinada, atuando dentro das suas limitações. Está entre os oito melhores e pode até ser semifinalista, contra Croácia ou Dinamarca. Um feito inimaginável, antes do Mundial.

Diante da Espanha, foi o ápice da humildade. Todos marcando e fechando espaços, assistindo o toque de bola espanhol. Só havia uma chance, levando a decisão para os pênaltis. Tecnicamente, a diferença entre as duas seleções é do tamanho da Rússia. Não dá para tirar os méritos dos donos da casa.

Do outro lado, vimos uma Espanha bastante previsível. Ótimos e bons jogadores reunidos, mas faltando alguma coisa. O poderio técnico não superou a tática adversária. Ainda foram poucas tentativas individuais, facilitando a estratégia russa. Parece que a demissão de Julen Lopetegui, dois dias antes da estreia, será muito discutida. Ele tinha renovado um pouco a forma de jogar. A Espanha vinha passando pelos adversários com certa tranquilidade e bom futebol, transformando-se na principal favorita. Com sua saída, o grupo parece que sentiu. Nenhuma atuação brilhante e dificuldades numa chave com Portugal, Marrocos e Irã. Claro que agora é fácil falar, mas não tem como dissociar uma coisa da outra.

A Espanha não mostrou o futebol das eliminatórias e amistosos. E fracassou. É o fim de um trio brilhante com Iniesta, Sérgio Ramos e Piqué, campeões mundiais e europeus.

 


CBF cobra da Fifa, algo que ela não apoia em seu próprio território
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

A CBF questionou a Fifa sobre os critérios adotados para o uso do VAR, no jogo do Brasil contra a Suiça. Dirigentes querem saber o que foi conversado entre o árbitro principal e o árbitro de vídeo e por que não houve marcação de falta de Zuber em Miranda, no gol suiço.

Ora, a atitude dos comandantes do futebol brasileiro, soa como estranha e até, hipócrita. Protestar faz parte, mas pedir algo no qual a própria entidade é contra, beira a falsidade.

No Campeonato Brasileiro, a CBF quis entregar a conta da implementação do VAR, para os clubes. Os nobres mandatários não levaram em conta, que a Confederação fatura muito com a Seleção, patrocínios e percentuais de rendas das partidas, na hora de cobrar uma posição dos presidentes. Com a recusa, a ideia foi engavetada.

No caso do Palmeiras, na final do Paulista, a CBF não deu a mínima para a reclamação sobre interferência externa e pedido do VAR. Agora, por interesses próprios, pede uma transparência que ela mesma sonegou no seu território.

É aquela história simples. Para mim, tudo. Para os outros, nada.

Quem sabe vamos tratar de cobrar mais futebol e atitude dos atletas do que buscar coisas em algo que vocês mesmos são resistentes?

O Cel. Nunes poderia ser o primeiro a dar exemplo.


Trellez, Cotia e o futebol do São Paulo
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Estive no Morumbi e acompanhei o empate de 0 a 0 entre São Paulo e Inter. Tecnicamente, um jogo fraco. Os dois times criaram poucas oportunidades de gols e o resultado acabou sendo o mais correto, pela ineficiência ofensiva.

Aguirre entrou com Trellez atuando pelo lado e Diego Souza, centralizado. Nada contra Trellez, mas se como centroavante, ele já tem dificuldades, imagine fora da sua posição.

O São Paulo pagou R$ 6 milhões por 60% dos direitos econômicos do colombiano, já com 28 anos. Será que em Cotia, não há um jogador da base que possa ser melhor do que Trellez? Uma contratação bastante discutível. Isso breca a ascensão de um jovem e já vimos esse filme, outras vezes.

Por incrível que pareça, Marcos Guilherme fez falta, apesar de Paulinho ser uma boa alternativa. O certo é que o São Paulo tem um elenco razoável, tanto que sem Nene e Hudson, o desempenho caiu. O rodízio de Aguirre não firma a garotada e acho que isso pode ser revisto.

Depois de um bom início, dois jogos bastaram para o São Paulo voltar ao debate, com duas atuações fracas. Ainda assim, tem 17 pontos em 30 disputados.


Por um Dérbi bem jogado, sem interferências e reclamações. A bola manda
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Vamos para mais um Dérbi, neste domingo. Estarei na Arena do Corinthians e espero cobrir um jogo de FUTEBOL, válido pelo primeiro turno do Brasileiro. Nos três últimos clássicos entre Corinthians e Palmeiras, viu-se muito pouco de bola.

Na fase classificatória do Paulista, vitória corintiana com um pênalti em “delay” marcado por Raphael Claus, apesar de o Corinthians ter sido superior na atitude.

No primeiro jogo da decisão, Palmeiras ganhou com eficiência, mas tivemos muitas faltas, duas expulsões e mais “pegada” do que futebol.

No confronto decisivo, a polêmica interminável da “interferência externa”, após o árbitro Marcelo Aparecido de Souza voltar atrás num pênalti a favor do Palmeiras. O Corinthians foi campeão, o Palmeiras vai até à Fifa, com todo o direito de protestar.

A história sempre começa pelos próprios jogadores. Dá para jogar mais, competir bastante e reclamar bem menos de tudo e da arbitragem. Eles são os responsáveis pela qualidade da partida, ainda que ela esteja em falta em muitos gramados espalhados pelo país.

Os treinadores adotaram discursos serenos e pediram mais respeito e foco pelo que acontece dentro de campo. Tomara que eles determinem a busca incessante pela vitória.

A torcida lotará o estádio, mesmo que seja única. Só resta a bola rolar e que Anderson Daronco esteja iluminado para não virar protagonista e estragar o espetáculo.

O Corinthians terá força máxima e apresenta Pedrinho, boa revelação do clube. O Palmeiras tem um retrospecto maravilhoso fora de casa e foi o time que mais venceu o Corinthians, na Arena.

Corinthians de Cássio; Mantuan, Henrique, Balbuena e Sidcley; Gabriel, Maycon, Rodriguinho e Jadson; Romero e Pedrinho.

Palmeiras de Jaílson; Marcos Rocha, Antonio Carlos, Edu Dracena e Diogo Barbosa; Thiago Santos, Bruno Henrique e Lucas Lima; Dudu, Borja e Keno.

Dois bons times e candidatos ao título brasileiro. O blog aposta num empate em 1 a 1.


Segunda-feira é para debater futebol, mas arbitragem não deixa
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Terceira rodada da Série A do Brasileiro com alguns jogos razoáveis e a arbitragem mais uma vez, tomando conta dos debates. Num momento em que o mundo do futebol evolui com o VAR, estamos andando para trás. A Copa do Mundo está chegando e teremos 35 câmeras e árbitros de vídeos em todas as partidas. Tudo para dar transparência à algo que ainda causa prejuízo pela cultura do “erro faz parte do futebol”. Não, erros grotescos não podem mais fazer parte disso. A tecnologia deve ajudar, mas bem estabelecida e com regras definidas. Do jeito que está, sempre haverá a suspeita e possibilidade de interferência externa.

Ontem, mais uma vez, tivemos erros que colocaram a arbitragem nas discussões em detrimento do jogo. Em Belo Horizonte, tivemos Atlético e Corinthians e o paraense Dewson Freitas validou o gol de Roger Guedes, no primeiro tempo, mas dois minutos depois, voltou atrás, porque foi avisado que a bola resvalou na mão de Ricardo Oliveira. Sim, houve o toque não intencional e o gol foi legal. Mas Dewson voltou atrás. Se houvesse o VAR, isso seria resolvido em poucos segundos e o árbitro certamente veria que Ricardo Oliveira não teve intenção. Ainda achei que Mantuan fez pênalti no próprio Ricardo, no mesmo lance, mas isso é apenas opinião. Depois, Roger Guedes marcou um gol ilegal, com falta cometida sobre Mantuan, atropelando o corintiano. Dewson, para compensar o erro, validou. Errou duas vezes.

No Maracanã, teve Fluminense e São Paulo e a bola bateu na mão de Arboleda. O árbitro Rodolpho Marques não marcou pênalti, mas outros lances iguais, recentemente, resultaram em pênalti. Lance bem discutível. O zagueiro Gum chegou a dizer que se fosse para Flamengo ou Corinthians, o pênalti seria marcado. Até os jogadores começam a ironizar.

No Allianz Parque, Palmeiras e Chapecoense e o auxiliar Felipe Costa Oliveira anulou gol legal de Antonio Carlos, em cabeceio para o gol, nos acréscimos. Ele alegou impedimento, que não houve no lance. Em 30 segundos, o árbitro veria que o gol tinha sido legal.

A CBF cansa de divulgar que difunde e apoia o futebol pelo país, mas não quer bancar algo que é fundamental para dar lisura aos seus torneios principais. Quis que os clubes pagassem a conta, para variar. Agora, lava as mãos e os árbitros entram em campo bastante pressionados.

Queremos as segundas-feiras para falarmos de gols, dribles e boas partidas. Só que do jeito que está, o sexteto de preto ou outras cores, será protagonista toda semana.


Presidente do Corinthians desvia o foco da crise financeira do clube
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Andrés Sanchez desviou o foco dos problemas financeiros do Corinthians. Chamou uma entrevista coletiva para comentar o banimento de Marco Polo Del Nero, as manobras políticas na CBF, ironizou o Palmeiras, falou sobre possibilidade de contratação, mas não explicou o fundamental, nem foi questionado. De onde o Corinthians irá tirar dinheiro para contratar reforços?

A pergunta cabe, depois da entrevista exclusiva do diretor financeiro, Wesley Melo, ao repórter Dassler Marques, no UOL Esporte. Wesley foi direto ao dizer que não dá para adquirir jogadores com o momento delicado das finanças. Ainda revelou um déficit mensal de R$ 8 milhões, uma dívida de R$ 26 milhões com o Fundo da Arena Corinthians e um endividamento bancário na faixa dos R$ 420 milhões, além de ter buscado ajuda com os empresários Carlos Leite e Giuliano Bertolucci, com empréstimos a juros entre 1,5% e 1,9%. Por acordo, todo o dinheiro de bilheteria dos jogos vai para o pagamento do Fundo da Arena. No elenco, o Corinthians ainda gasta cerca de R$ 13 milhões com a folha salarial.

O Corinthians era para ser uma potência financeira. Tem a maior cota de TV, um plano de sócio-torcedor consolidado e uma torcida apaixonada e consumidora. A Arena está quase sempre lotada. O time tem dado resposta dentro de campo, depois de uma gestão de futebol bem elaborada e produzida por Alessandro e Flávio Adauto, com o ótimo trabalho de Fábio Carille e comissão técnica. O Corinthians segue forte e tem chances de ganhar a Copa do Brasil ou a Série A do Brasileiro, até porquê a Libertadores foi colocada em segundo plano pelo presidente.

Andrés pegou tudo pronto de Roberto de Andrade. Até agora, não apresentou nada novo. Um clube do tamanho do Corinthians não tem patrocinador master. Em 2009, Ronaldo Nazário foi um grande lance, num momento de reconstrução. Hoje, passados nove anos, é inimaginável repetir algo parecido pela falta de recursos e nomes capazes de mudar o caos financeiro. Parece que o presidente não viu as palavras do seu diretor financeiro, um profissional do mercado. Gestões empresariais não suportam mais tanto amadorismo. Enquanto os resultados de campo forem bons e os títulos conquistados, tudo passa batido. Mas uma hora a conta chega.

Para quem disse que deixaria o mandato de deputado federal para se dedicar apenas ao Corinthians, Andrés não cumpriu a palavra. Em 2007, ele foi transparente, ao publicar no site do clube, os percentuais de cada “dono” dos atletas. Depois, voltou atrás. Será que agora fará o mesmo? Quem o reelegeu, que aguarde para conferir.


Por que Fernando Diniz é tão combatido? É o único a tentar algo diferente
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

O Atlético-PR eliminou o São Paulo e chegou às oitavas-de-final da Copa do Brasil. A diretoria priorizou os torneios mais importantes, colocando um time reserva e Sub-23 para disputar e ganhar o Estadual. Assim, deu tempo e preparação para sua equipe considerada principal.

Na Copa do Brasil, passou por Caxias(0x0), Tubarão-SC(5×4), Ceará(pênaltis no segundo jogo) e São Paulo(2×2 no Morumbi). Na Sul-Americana, fez um jogo, com vitória por 3 a 0 sobre o News Old Boys-ARG. No Brasileiro, estreou batendo a Chapecoense por 5 a 1. Chegamos no dia 20 de abril e o Atlético disputou apenas oito partidas oficiais com força máxima e Fernando Diniz como técnico.

Parece que Diniz encontrou o clube correto para apostar na sua filosofia de jogo. O Atlético-PR não tem nenhum jogador de exceção, mas Diniz adota a mesma prática utilizada no Audax, quando foi vice-campeão paulista, em 2016, passando por São Paulo e Corinthians. Nomes como Sidão, Yuri, Velicka, André Castro, Tchê Tchê, Bruno Paulo, Mike e Camacho, despontaram ali, num time coletivo e de muita posse e toque de bola.

Agora, Diniz comanda uma equipe de mais expressão nos principais campeonatos do Brasil. E seguimos ouvindo coisas como: “Esse Diniz não aguenta três derrotas seguidas”; “O que ele trouxe de novidade?”; “Quero ver ele num time maior, para segurar os jogadores”.

Pois bem. O zagueiro Paulo André deu a declaração que ninguém esperava, após a classificação diante do São Paulo. “Em 34 anos, finalmente tenho prazer em jogar futebol. Eu me divirto em campo”, resumiu. Paulo André já esteve em times grandes com treinadores renomados. Foi multicampeão no Corinthians. Quinze dias atrás, já tinha me dito que o grupo estava encantado com Diniz.

O lateral Carletto chegou a dizer que “vocês ainda vão ver o Diniz na Seleção Brasileira”. São afirmações de quem trabalha com ele, desde janeiro, apenas.

Eu não sei se o Atlético-PR ganhará algum título de mais repercussão, mas não dá para fechar os olhos para alguém que foi o único treinador brasileiro a tentar algo diferente nos últimos três anos. Seu time JOGA FUTEBOL. Corre risco? Sim, mas joga futebol, que é o que todo mundo quer ver.

Treinadores mais antigos, atuais e renomados torcem o nariz quando falam de Diniz. O próprio Vampeta, que comandou Diniz no Audax, acha que ele não conseguirá uma trajetória de sucesso em clubes maiores. Diniz foi carimbado como um profissional difícil de lidar e no trato com os atletas, mas isso parece que ficou para trás em Curitiba.

Parece inveja do meio futebolístico e má vontade de parte da mídia com alguém que tenta sair da mesmice e busca algo diferente num futebol cada vez mais igual e chato de se ver. Acho que Diniz merece aplausos, ao invés de vaias e críticas. No resultadismo, vai perder como todos, mas no trabalho, já mostrou que é competente.


Aguirre X Diniz. Intensidade contra posse de bola. Jogo duro para o SP
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

O São Paulo tem uma parada duríssima nesta quinta-feira, no Morumbi, pela Copa do Brasil. Enfrentará o Atlético-PR, precisando vencer o segundo jogo da quarta fase por dois gols de diferença, depois de perder o primeiro confronto por 2 a 1. Vitória por um gol, levará a decisão da vaga para os pênaltis. Lembrando que o torneio é a única competição que o São Paulo nunca conquistou.

Será o duelo de Diego Aguirre contra Fernando Diniz. O uruguaio chegou recentemente e ainda busca uma identidade para o time. Deve escalar três zagueiros e optar por uma formação mais intensa e agressiva, sem muita qualidade técnica. Se o São Paulo repetir o desempenho da vitória sobre o Paraná Clube, provavelmente, será eliminado pelo Furacão. Só uma tática física e de velocidade, não vai adiantar. É preciso jogar bola.

Fernando Diniz desembarcou em Curitiba, no início do ano, após deixar o Guarani. Comandou o Atlético-PR em sete partidas apenas, porque o clube priorizou Copa do Brasil, Sul-Americana e Brasileiro. O Estadual foi conquistado por reservas e Sub-23. Diniz implantou sua filosofia e o Atlético-PR atua com muita posse de bola e troca de passes. Nos dois últimos jogos, fez oito gols e tomou só um. Sou fã de Diniz. Muitos acham que ele não consegue emplacar um trabalho em clubes maiores, porque os jogadores não se dispõem a obedecer a metodologia do treinador. Os atletas do Atlético parecem que estão gostando e os resultados são bons.

Projeção de um embate muito interessante. O São Paulo retomando sua grandeza e dando esperanças ao seu torcedor, mas, por incrível que pareça, inferior ao adversário no futebol, mesmo que seja maior como instituição. Terá que provar dentro de campo, porque só a camisa tricolor pode não bastar.


Casares defende Raí e pede pacificação política urgente no São Paulo
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

O São Paulo estreia no Brasileiro contra o Paraná Clube, nesta segunda-feira. O tricolor não é considerado um dos favoritos ao título e muita gente vê o time ainda se formando e longe da disputa de títulos. Diego Aguirre chegou e começa a dar uma cara para a equipe. Fora de campo, conselheiros e dirigentes tentam dar respaldo e apoio a Raí e os demais integrantes do departamento de futebol para o trabalho dar certo a curto prazo. O blog entrevistou Júlio Casares, integrante do Conselho de Administração e homem do Marketing e Comunicação, na gestão de Juvenal Juvêncio. No papo exclusivo, Casares pede a pacificação política urgente no clube e defende o novo estatuto para fortalecer o São Paulo, nos próximos mandatos. Confira a seguir.

O São Paulo é anti-democrático, com um Conselho de muitos vitalícios e pouca renovação?

Eu não acho que o São Paulo é anti-democrático. Ele tem uma história em cima de muitos ilustres e abnegados são-paulinos que fizeram e construíram o patrimônio do São Paulo. Não é só o patrocínio físico com o Morumbi, área social, Cotia, Barra Funda. Construíram uma filosofia em que o São Paulo sempre teve um conselho e seus homens eram homens que discutiam internamente as questões e foi símbolo de uma postura muito importante dentro da sua história. O São Paulo, talvez, por uma contingência, não teve renovação à altura desses homens que sempre criaram princípios básicos de uma grande instituição. Mas eu sou muito otimista, porque hoje nós temos bons conselheiros, grandes lideranças, independentemente de lado, tanto na Situação quanto na Oposição. Nós temos são-paulinos com condições de sentar numa mesa e discutir o São Paulo. Aí a renovação acaba sendo uma coisa natural. Mais vale uma renovação de ideias e princípios e projetos do que apenas uma renovação etária, de idade. As vezes, você tem um jovem que pensa de forma retrógada e uma pessoa mais idosa que tem ideias avançadas. O que vale é uma renovação de princípios e o estatuto do São Paulo, que é moderno, que prevê governança, profissionalização e modernização, é um exemplo, foi um passo que foi construído pelos sócios, votado por unanimidade no Conselho Deliberativo. Teve aprovação de 84% dos sócios, foi questionado na Justiça porque judicializaram a discussão do estatuto e o estatuto teve seu vencimento judicial em todas as instâncias. Então, é um documento importante. Claro que vai passar por alguns ajustes. Isso é natural. O São Paulo está vivendo uma transição de estatuto novo, após ampla discussão, com equilíbrio, serenidade, envolvendo todos, através de um amplo debate. Toda e qualquer mudança de um documento como o estatuto, tem que ser feita como ele foi construído, de apresentação de propostas, de emenda, comissões legais que fazem parte do São Paulo, dando seu parecer. As figuras exemplares que o São Paulo tem no passado, não vou aqui nominar, se não acaba tendo injustiça, porque posso esquecer alguém, elas sinalizam um grande futuro para as pessoas que vêm adiante. É nisso que eu acredito. Tive condições de fazer um trabalho de marketing importante, numa filosofia, com Marcelo Portugal Gouveia. Lá atrás, tive uma atuação como colaborador de Fernando Casal De Rey, com o conselheiro Jaime Franco. Depois, com o Juvenal, nós contribuímos. É assim. Eu acredito que se, o Pimenta, que foi um dos presidentes mais campeões na história do São Paulo, se ele tivesse ganho, nós iríamos colaborar em nome da instituição para ajudar o São Paulo. Oposição você pode fazer na obrigação de conselheiro, que é fiscalizar, criticar de forma construtiva, equilibrada, mas garantir a governabilidade de quem quer que seja. O Leco é o presidente. Então, ele vai fazer essa transição no estatuto, e nós temos que apoiar, sem prejuízo de uma oposição que deve ser responsável e serena. O que passa para ter uma grande renovação de ideias e pessoas e uma renovação política até na gestão, é uma pacificação. Hoje, o São Paulo vive muita turbulência política e nós precisamos pacificar o São Paulo. O que é pacificar o São Paulo? É ter um projeto alicerçado, onde todos sentam à mesa e discutam o que é melhor para o São Paulo. E tentem uma convergência nessa ideia. Em cima disso, isso não significa que a Oposição não tenha que ser firme, forte, crítica, mas dentro de uma serenidade que garanta governabilidade de uma instituição tão séria como é o São Paulo. Eu já preguei isso no passado e vou continuar pregando. A pacificação é algo que todos têm que sentar desarmados. Temos que pensar menos em grupos políticos e mais num projeto. E aí vale o entendimento, sem o prejuízo das opiniões contrárias, que até é bom para a instituição. A pacificação do São Paulo é algo urgente porque é isso que vem tumultuando e não é a gestão A ou B, já vem tumultuando o São Paulo há muito tempo. Veja bem, o São Paulo tem uma eleição próxima marcada para 2020, estamos em 2018. Temos ainda uma história e o São Paulo sempre foi um time competitivo, precisa voltar a ganhar e conquistar títulos. Eu acredito muito no trabalho profissional que começa a ser delineado pelo Raí, que tem todo o nosso apoio, pelo preparo, pelo o que ele tem de preparo, qualidade no conhecimento no conteúdo de futebol. Eu acho que essa questão mais participativa e democrática, ela tem que vir com pessoas preparadas. Para isso, o São Paulo precisa pacificar, ter uma atuação política, mas não priorizando ela em cima do objetivo comum, que todos nós temos. Todos os são-paulinos que estão lá, têm a mesma intenção, o mesmo objetivo de fazer o São Paulo FC cada vez maior no patrimônio, em resultados, e, principalmente, competições esportivas. Queremos voltar a ganhar e isso depende muito de um entendimento e uma linha na área de futebol, que nós acreditamos muito, que agora está sendo trabalhada.

Quais tuas principais ideias, no caso de uma candidatura à presidência?

Fico feliz de um lado, quando sou lembrado no caso de uma eventual candidatura. Isso até aconteceu na última eleição, onde pessoas queriam que eu saísse candidato. Conselheiros, empresários até, o Abílio Diniz, uma pessoa que eu respeito muito. Acho que o São Paulo sai ganhando quando tem torcedores empresários, conselheiros tão importantes. Mas isso nunca foi a prioridade da minha atuação, até porque eu tenho compromissos profissionais, atualmente. Eu tenho 56 anos e ainda tenho uma missão para fazer nesse mundo publicitário, de marketing, e acho que esse é o objetivo, sem deixar de colaborar como estou colaborando como conselheiro e membro do Conselho de Administração. Portanto, eu acredito que quem quer ser candidato no São Paulo, não pode ter esse objetivo de querer. O candidato não escolhe ser candidato, ele deve ser escolhido. Isso deve ser um panorama natural, que conduz um projeto e ideias. Em cima de ideias, independente de eu ser candidato, gostaria muito que o São Paulo voltasse a ser a referência que foi no marketing, futebol, a ser uma instituição com suas discussões legítimas, dentro do foro adequado, que é o seu Conselho Deliberativo, mas nunca ganhar a imprensa com discussões através de blogs, que isso atrapalha, porque o São Paulo sempre se primou por ser um clube que discutia suas coisas intra-muros no Morumbi. E hoje não. Hoje é muito comum, qualquer coisa que aconteça, é o blog A, B ou C, discute o São Paulo, e pouco se importa se o São Paulo está negociando um contrato, uma parceria, e isso atrapalha. O São Paulo precisa ter no mundo financeiro e econômico, estabilidade até para que você consiga fazer grandes negócios e parcerias para o futuro. Então, eu reitero que fico lisonjeado quando sou lembrado, talvez pelo o que nós fizemos no passado, pela votação como conselheiro nas duas vezes como mais votado do São Paulo, mas eu digo que não sou candidato. Muita gente duvidava na última eleição, dizendo que eu entraria aos 48 minutos do segundo tempo. Eu garantia que se eu for candidato, eu renuncio ao meu cargo como conselheiro. Não sou. Eu tenho a minha prioridade que é hoje, trabalhar na minha área, na minha missão profissional, que ainda tem alguns anos de trabalho pela frente, eu acredito. Mas sem perder de vista, o amor da vida da gente que é o São Paulo. E isso, nós vamos colaborar, independente de cargo. Eu acho que isso é o importante. Ter um projeto, sim, para construir ao lado de tantos conselheiros, sócios e torcedores que realmente amam o São Paulo.

A política do Clube deixou o São Paulo para trás dos rivais e atrapalhou o futebol?

O excesso de atividade política atrapalha. Me lembro que o São Paulo que brilhou na década de 80, 90 e anos 2000, enfim, o São Paulo é cíclico, claro, a gente entende, mas o São Paulo e qualquer instituição precisa de uma tranquilidade e é legítima a discussão política. Mas quando a política, ela entra na questão do dossiê de uma pessoa, na questão de um ato que vai para a imprensa, blog, isso sim tumultua. O futebol não fica alheio a toda discussão do clube. A gente diz, ah, isso não chega no jogador…Chega sim. Hoje, o jogador está ligado com o celular e com as redes sociais em tudo o que acontece, principalmente, no seu clube. Não é importante para o São Paulo, não constrói você ter excesso de discussão política. Ela ocorre primeiro dentro das atribuições de cada conselheiro, diretor. Na questão puramente eleitoral, ela deve obedecer um calendário. Se você tem eleição num ano X, que a eleição seja acirrada naquele momento. Eu sempre falei. Acho que é importante a gente ter o “time” certo para discutir a questão política partidária e as pretensões. Repito. O São Paulo precisa de uma pacificação responsável e não é pacificação que anule opiniões contrárias. Pelo contrário. Nós precisamos ter a pacificação em cima de um projeto, um modelo, onde nós podemos sentar com várias pessoas, com vários segmentos porque tem gente boa de todos os lados e como tem gente que não contribui dos lados. O São Paulo precisa de um lado só e é isso que eu quero discutir com cada conselheiro que o São Paulo tem.

Um presidente remunerado pode ser dispensado por resultados ruins?

Não, não. O estatuto dá condição do presidente ser remunerado, que eu acho que é um avanço porque essa questão do presidente trabalhar e fazer do São Paulo, um bico, ou ele vai fazer do São Paulo uma gestão ruim ou ele vai ter outros interesses. Ele tem que priorizar o São Paulo. Então, ele tendo uma remuneração para sua sobrevivência, acho importante. Ele vai ser questionado em resultados ruins? Sim, mas você não tira um presidente por isso. Isso é uma questão de julgamento que ele pode ter o ônus numa renovação política, mas você tira um presidente por problemas ou atos previstos no estatuto. Claro que o resultado ruim traz um desgaste natural ao presidente e sua diretoria. Você tem que avaliar um presidente pelo seu mandato. O mandato do São Paulo é de três anos e a avaliação não pode ser feita por um, dois anos, sendo um conjunto da sua obra. Depois, ele vai ser julgado pelo que ele fez de bom ou ruim.

Como enxergas o futuro imediato do São Paulo como clube?

Eu sou otimista. Acho que o São Paulo saiu de um imobilismo. São Paulo teve muito sucesso e depois ele se afastou dos seus princípios básicos dentro do futebol, marketing, como time de vanguarda, nós já sabemos. E aconteceu isso mesmo. Com esse estatuto novo, começa a possibilitar que o São Paulo volte ao cenário da competição esportiva, sendo um clube de vanguarda. Nós estamos vivendo exatamente uma transição, de um estatuto antigo que cumpriu seu papel e de um estatuto novo, que requer mudanças a médio e longo prazo. Essa transição deve ser observada por todos os conselheiros para que no tempo certo, possa se fazer ajustes das coisas que não funcionaram bem. A profissionalização não tem volta, a governança de um clube de futebol é algo extremamente necessário e o São Paulo vai dar um passo para isso. Lá na frente, nós saberemos que o São Paulo vai ter muito orgulho de ter tido um estatuto moderno, corajoso, que discuta o futebol, sua área social e diferenciar essas ações dentro de uma gestão e, mais do que nunca, avance para que a modernização não fique apenas nos discursos e tenha resultados práticos. Eu tenho esperança e não tenho dúvida que o sócio do SP e o conselheiro que votou por unanimidade neste estatuto, ele espera o cumprimento fiel do estatuto e os ajustes necessários, mas dentro de um panorama de discussão e equilíbrio.

Eras do Marketing. O “Soberano” foi um erro?

O marketing do São Paulo teve grandes resultados. Claro que sempre ajuda o resultado positivo dentro de campo. Mas também tem que ser pró-ativo. Existe o marketing institucional, promocional e a venda pura de ativos e receitas. Na nossa época, o marketing conseguiu andar em consonância com o futebol e dá para a gente descrever inúmeras ações que fizeram o São Paulo uma referência, ganhando prêmios, fazendo grandes contratos e o futebol também ajudou. É claro que o futebol indo bem, tudo vai bem. Mas as vezes temos exemplos em alguns clubes que o marketing não corresponde a essa evolução do futebol. Essa questão do “Soberano”, muita gente faz confusão. O São Paulo ganhou tudo e ganhou através dos três títulos com o Muricy, o tri-hexa inédito, que a gente brinca. Aí foi feito um filme nos cinemas, algo na época muito inovador e o filme se chamou “Soberano”, para exatamente mostrar que o futebol do SP, naquele momento, foi o soberano em termos de resultados. Mas nunca que o São Paulo assumiu o slogan de forma taxativa. Foi um filme denominado Soberano como poderia ser “Clube da Fé”. Foi uma questão mais comercial de um DVD, mas o que interessa na ação e na prática, todos nós temos que ter a visão de que o SP não pode ter arrogância, prepotência, desequilíbrio. Tem que olhar para o futuro. E talvez isso passe um ensinamento, de quando você tem um slogan de filme, aquilo acaba ganhando o torcedor, as redes sociais. O São Paulo viveu aquele momento, mas deixou de fazer algumas lições de casa, em alguns momentos, na área de futebol, não foi feliz em algumas contratações e saiu um pouco do foco também no marketing e em outras atividades. Por isso, que o momento de agora é uma retomada necessária. O São Paulo precisa voltar a disputar títulos e para isso precisamos ter pilares e um dos pilares é a vanguarda no que ele vai produzir nas suas áreas de execução e gestão e um grande entendimento com situação e oposição responsáveis.

Como atrair mais sócios? Onde fica o Morumbi neste pensamento?

A questão do sócio-torcedor é uma questão que, infelizmente, no futebol o orçamento do torcedor no Brasil, está apertado. Ele compra camisa, paga ingresso, assina o pay-per-view, estacionamento, viaja para ver o time, come seu sanduíche no jogo, compra produtos licenciados e o dinheiro não dá. Quando o time vai mal, ele se torna inadimplente, as vezes, porque a emoção está embutida ou na adesão de um sócio-torcedor ou na regularidade do seu pagamento. Isso é uma realidade no Brasil. Eu acredito que o SP pode dar uma contribuição de ter avanços tecnológicos através de aplicativos, com bem funciona hoje o Uber da vida, o Waze na questão de trânsito e o que revolucionou a compra de ingresso e o SP tem que pensar nisso para que o torcedor possa fazer tudo pelo aplicativo, garantindo sua participação, através do uso do celular. Isso é uma ideia muito comum e o SP precisa dar esse passo. Nós não podemos mais depender de compra de ingressos por um sistema que trava ou ainda de bilheteria física. Hoje qualquer cidadão tem seu celular. Por que não comprar um ingresso pelo celular, uma camisa e ter outras inovações num plano de sócio-torcedor que revolucione a partir daí? E essa é a nossa esperança para que o Morumbi volte a ter um fluxo de pessoas nas arquibancadas, mas também que possa cada vez ter mais vida num estádio que é um patrimônio não só do SP, mas da capital e do país. A pessoa vai, pode assistir um jogo, ir no restaurante, com toda segurança. O Morumbi é um Colosso e vamos trazer mais gente, independente de dias de jogos.

Como conselheiro, quando achas que o São Paulo voltará a ganhar no campo?

Independente de conselheiro, todos nós somos conselheiros e fundamentalmente, torcedores. Eu que vi o São Paulo ganhar os primeiros títulos em 70 e 71, bicampeão paulista com Gérson, Toninho Guerreiro e Paraná. Comecei a ver o SP na década de 60, que foi uma década que o São Paulo estava construindo o estádio e ganhava muito pouco. Mas aquilo me fascinava porque eu sabia que o São Paulo estava preparando uma estrutura no Morumbi, que seria capaz de dar muitas glórias no futuro e foi isso o que aconteceu. Eu estou muito otimista porque a tão sonhada profissionalização no futebol tem acontecido. Raí, Ricardo Rocha e Lugano são pessoas que vivem o futebol. O Raí é uma pessoa extremamente preparada, que acreditamos demais. Primeiro, por ter convivido com ele como atleta e mais recente no Conselho de Administração, onde eu senti in loco e presente com ele, o conhecimento, experiência e participação efetiva dele. Raí no futebol é mais do que um simbolismo, é a esperança de que a gente retome o bom caminho. Isso não é feito do dia para a noite. O Raí assumiu há pouco tempo. A responsabilidade não é só dele, é todo um sistema que ele deve ter condições de implantar. É algo que a gente acredita que a médio e longo prazo, o São Paulo volte a disputar títulos. Acho que já houve uma melhora em alguns jogos, nas semifinais do Paulista, perdemos, com um gol nos acréscimos, mas o São Paulo jogou bem. O São Paulo está mostrando um novo conceito e uma forma de jogar, mais aguerrido, compacto e brigando pela bola. Está muito claro que é um caminho que nos dá esperança de que o São Paulo seja muito competitivo nos grandes campeonatos que nós teremos pela frente.