Blog do Praetzel

Arquivo : Grêmio

Grêmio quer união com Inter para arbitragem de fora no RS
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

O Grêmio está próximo de anunciar um novo diretor-executivo para ajudar na composição do departamento de futebol. Vários profissionais foram entrevistados e o nome já está escolhido, segundo o presidente Romildo Bolzan Jr. O blog conversou com o presidente sobre esta contratação, a avaliação do trabalho de Renato Portaluppi e as chances do time na Libertadores da América, além da polêmica com os árbitros gaúchos. Leia abaixo.

Importância de um executivo no departamento de futebol

“O Grêmio precisa de uma pessoa para acordar um nível de organização, rotina, aproximação com o departamento de futebol, com todos os processos de eficiência com começo, meio e fim. Bom diagnóstico e bom banco de dados sobre o mercado de jogadores. Não que não exista no clube, mas queremos uma pessoa que possa organizar isso conosco. O nome já está praticamente escolhido, mas ainda temos algumas definições”.

Diretoria do Inter colocou o Campeonato Gaúcho sob suspeita

“Eu acho ótimo que a gente possa somar esforços. É um momento importante para a gente pedir arbitragem de fora. Estou sugerindo uma pauta comum. O ambiente externo influencia demais. O Anderson Daronco, bom árbitro, se perdeu no Grenal do ano passado com a agressão do William ao Bolaños. É o momento de unirmos esforços e pedirmos arbitragem de fora”.

Novos reforços

“Temos um elenco montado até a metade do ano. Depois, vamos avaliar desempenhos e poderemos trabalhar algum complemento até o meio do ano. O que temos hoje é para o Gauchão. O volante Musto não está contratado. Temos que aguardar até o final de maio para retormarmos conversas com o Rosário Central-ARG. Se o negócio ficar mantido nos níveis que estão, dificilmente acontecerá”.

Renato Portaluppi

“Vai provar que é um técnico de longo prazo e tem tudo para isso. Esse ano será de trabalhos intensos com começo, meio e fim. Tem total capacidade para a montagem de um time competitivo. Vejo que ele está mais preparado para este tipo de situação e isso vai acontecer esse ano”.

Chances na Libertadores da América

“Não vejo o Grêmio nem mais ou menos do que ninguém. Nem acima ou abaixo. Todo mundo coloca os times que investiram mais, em nível superior, como Palmeiras, Flamengo e Atlético-MG. Colocaria o Grêmio num nível onde tudo pode acontecer. Só dois times brasileiros ganharam na primeira rodada, Grêmio e Chapecoense. Depois, mata- mata é outra história, conceito, disputa. Se por acaso tivermos que disputar, vamos em igualdade com qualquer time brasileiro ou sul-americano”.

Na Libertadores, o Grêmio estreou com vitória de 2 a 0 sobre o Zamora-VEN. O próximo adversário será o Deportes Iquique-CHI, dia onze de abril, na Arena do Grêmio. No Gaúcho, o tricolor é o quarto colocado com onze pontos. Enfrenta o Brasil de Pelotas, nesta quarta-feira, em Pelotas. Se vencer ou empatar, pula para a segunda colocação.


Grêmio encaminha contratação de novo executivo de futebol
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

O Grêmio está próximo de anunciar seu novo diretor-executivo de futebol. Trata-se de Felipe Ximenes. O dirigente esteve duas vezes, em Porto Alegre, conversando com o presidente Romildo Bolzan Jr. e os integrantes do Conselho de Administração.

Aos 49 anos, Ximenes já trabalhou três vezes no Fluminense e passou por Coritiba, Flamengo, Vitória e Goiás. No clube goiano, foi dispensado, depois da má campanha no início da Série B, em 2016.

Ximenes é conhecido de Renato Portaluppi e deve ocupar a função deixada por Rui Costa, no ano passado.

A composição do departamento de futebol tem o vice-presidente Odorico Roman e o diretor Saul Berdichevski.


Barrios terá que ressarcir o Palmeiras para ser liberado
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Lucas Barrios só depende de si para deixar o Palmeiras. O blog apurou que o atacante tem acerto encaminhado com o Grêmio, mas terá que ressarcir o Palmeiras, para acertar sua saída. A diretoria do Verdão quer a devolução de valores adiantados ao jogador, quando ele foi contratado, em 2015. Se Barrios aceitar, será liberado pelo Palmeiras.

A provável saída de Barrios determinará uma economia de R$ 18 milhões, entre salários e impostos. O contrato de Barrios é válido até junho de 2018. O paraguaio deixou a concentração do Verdão, ontem à noite, autorizado pela diretoria.

O blog fez contato com o vice-presidente de futebol do Grêmio, Odorico Roman, sobre o andamento da negociação entre os clubes e a possibilidade da cessão de percentuais de algum atleta tricolor ao Palmeiras.

“A contratação não está fechada. Nenhum jogador do Grêmio está envolvido no negócio, até o momento”, respondeu Roman.

Barrios está com 32 anos e deverá assinar um contrato de três anos com o Grêmio, caso a transação seja concretizada. Pelo Palmeiras, Barrios disputou 45 jogos e marcou 14 gols.


Empresário de Walace diz que valor da venda foi bem adequado ao Grêmio
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

O volante Walace foi negociado pelo Grêmio com o Hamburgo da Alemanha. O valor foi de dez milhões de euros, com o Grêmio ficando com 60% da quantia e mais 10%, em uma venda futura. O jogador já está treinando com os companheiros e espera se adaptar rapidamente. O blog conversou com o empresário de Walace, Rogerio Braun, que preferiu não comentar sobre a negociação, após dirigentes do Grêmio revelarem pressão do empresário e do atleta para fecharem a transação. Leia abaixo.

Conversas durante as negociações

“Eu não gostaria muito de falar como foi a negociação. Claro que foi relativamente normal e tranquila. Agora, um jogador importante, um dos principais da equipe, não costuma sair com todo mundo contente. É difícil que o clube venha e pague a cláusula. Então, qualquer negociação se refere a discutir valores. E os valores não são muitas vezes o que o clube deseja, no caso o clube vendedor deseja um valor e o comprador, outro”.

Primeiros dias de Walace no Hamburgo

“Walace está muito feliz. O clube é muito bem estruturado, estádio moderníssimo, super profissional. As pessoas são muito amáveis. Alguns profissionais falam português. Ele já está com visto, com a casa escolhida, organizando suas contas, preparando a vinda da família. Já treinou bem com o grupo, encarando bem o frio, isso não o intimidou. Se adaptou bem ao fuso, não reclama de nada. Está sempre muito atento e já teve aulas de alemão. É perceptível que isso passa pela realização de um sonho, algo que ele acalentava há muito tempo. Não é algo novo. É algo que ele sonhou a vida toda e depois que ele foi campeão da Copa do Brasil, achou que era o momento de ir”.

Valores

“Achei que foi um valor bem adequado. Nossa equipe fez uma pesquisa e apuramos que foi uma das cinco maiores transferências de volantes do Brasil para a Europa. Se for contar só Europa Central, sobe para uma das três maiores, segundo o Transfermark”.

Hamburgo ameaçado de rebaixamento na Bundesliga

“Talvez se não fosse a ameaça, o clube não fizesse um investimento num jogador tão importante quanto o Walace. Óbvio que o Walace não pode ser cobrado  por um eventual insucesso. A gente avaliou o risco e mesmo assim a decisão foi de vir.”

Walace está com 21 anos e foi lançado no Grêmio por Luiz Felipe Scolari, em 2014. Foi campeão olímpico pela Seleção Brasileira e já convocado para a principal. Fez 115 jogos pelo Grêmio e marcou cinco gols.

 


Estaduais vão começar. Os favoritos do blog
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Os Campeonatos Estaduais começam neste fim de semana e mais uma vez servirão como pré-temporada para muitas equipes. Alguns serão mais valorizados porque a Libertadores da América foi estendida e não vai colidir datas de mata-mata com as fases decisivas. O blog lista seus favoritos aos títulos, respeitando todas as opiniões.

Paulista

Palmeiras e Santos são mais times que Corinthians e São Paulo. Santos ganhou sete títulos de 2006 a 2016 e chegou às últimas oito decisões. Começa fortalecido novamente. A mudança de regra com dois jogos a partir das quartas-de-final deve impedir os surgimentos de zebras, como Ituano e Audax. Fico com Palmeiras ou Santos.

Carioca

Flamengo é o favorito. Resta saber se a diretoria vai levar o Estadual a sério. No papel, possui equipe e elenco superiores aos rivais. Botafogo me parece ser o principal adversário, apesar de ter perdido para o Madureira. Fluminense está em transição e Vasco ainda está indefinido, buscando reforços. Contratação do meia Wagner foi boa.

Gaúcho

Grêmio nunca foi tão favorito como agora. Deve quebrar a hegemonia colorada dos últimos seis anos, tranquilamente. Tem um time mais arrumado e pegará o rival na Série B do Brasileiro. Se não ganhar o Gauchão, será um vexame. Brasil de Pelotas pode incomodar um pouquinho.

Mineiro

Depois do título do América, em 2016, Cruzeiro e Atlético se mexeram. Vejo um equilíbrio entre os dois times, mas não ficarei em cima do muro. Acho que dá Cruzeiro, priorizando mais o torneio em relação ao Galo. Apenas palpite.

Paranaense

Atlético se reforçou muito bem, mas tem o mata-mata da Libertadores no início do calendário. É o melhor time do Estado. Coritiba será o principal adversário, com o Londrina ficando como terceira força. Acho que o Paraná Clube será coadjuvante mais uma vez.

Catarinense

Talvez o Estadual mais equilibrado. Temos Criciúma, Figueirense e Avaí bem parelhos e Joinville e Chapecoense se reformulando. Chape será a fiel da balança, para o bem ou mal. A tendência é que sofra num primeiro momento. Sem muro, aposto no Avaí.

É isso. Novos jogadores vão aparecer, times do interior aprontarão para cima dos grandes, treinadores serão dispensados e teremos as velhas discussões sobre quem manda no Estado. Competições históricas, mas que precisam ser remodeladas, com disputas maiores entre os clubes do interior, classificações para torneios nacionais e fases decisivas mais curtas, envolvendo os melhores.


Grohe não esquece de Roger e prevê novas conquistas para o Grêmio em 2017
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Marcelo Grohe é cria da base do Grêmio. Subiu ao profissional em 2005 e viveu o jejum de títulos nacionais, ora como titular, ora como integrante do grupo. Foi bicampeão gaúcho em 2006 e 2007 e campeão em 2010. Aos 29 anos, Marcelo curte a conquista da Copa do Brasil e acredita na volta natural dos grandes momentos tricolores, a partir de 2017. O goleiro conversou com o blog, com exclusividade. Acompanhem.

Significado do título da Copa do Brasil depois de 15 anos

“A ficha ainda está caindo! O jogo foi quarta-feira, então está tudo muito recente. O torcedor vinha machucado, queria uma conquista de expressão. Com certeza, significa muito. Isso já era possível dizer e sentir assim que o juiz apitou o final da partida. O Grêmio precisava dessa conquista por tudo o que representa para a sequência do trabalho”.

Conquista especial por sempre ter jogado no Grêmio

“Acho que tem um significado especial pelo momento que o clube atravessava. Tínhamos que retomar esse caminho das conquistas. Como eu estou no Grêmio há bastante tempo, vi de perto esse período sem títulos. Então, eu sei o que representa para o torcedor que vinha querendo isso. Venho atuando como titular desde 2014 e fiquei muito feliz com essa conquista”.

Volta natural aos grandes títulos

“Eu espero por isso. Nosso grupo está maduro e preparado para manter o nível de atuação que apresentamos nas fases decisivas da Copa do Brasil. Nossos enfrentamentos com Palmeiras, Cruzeiro e Atlético-MG mostram que temos condições de pensar em resultados positivos no futuro. Claro que é preciso ajustar algumas coisas, mas temos uma base que nos deixa confiantes”.

Permanência e projeção para 2017

“Espero um 2017 muito bom. Que a gente consiga manter esse ambiente positivo entre os gremistas. Meu contrato com o Grêmio vai até 2020 e agora quero curtir essa conquista importante em 2016. Espero que isso sirva de impulso para 2017”.

Importância de Renato na conquista

“Renato é um treinador que mantém o ambiente sempre muito positivo e com muita confiança. Acho que ele tem um peso importante, pela mobilização que trouxe em tão curto espaço de tempo e pela rapidez como transmitiu suas ideias táticas. Mas não podemos deixar de citar o bom trabalho que o Roger vinha desempenhando”.

Momento para destacar no título

“Eu cito dois momentos especiais para mim: a decisão por pênaltis contra o Atlético-PR e a defesa no primeiro tempo do jogo de ida da final, lá no Mineirão. Foram situações que poderiam ter mudado nossa trajetória na competição”.

Gol de Cazares na Arena

“Foi um belo gol. Eu cobrei a falta e estava voltando para o gol, mas o contra-ataque foi muito rápido. Aí entrou em cena a qualidade do Cazares, que pegou muito bem na bola e fez aquele golaço”.

Rebaixamento do Inter ajuda o Grêmio

“Esse é um tema delicado porque a rivalidade aqui no Rio Grande do Sul é muito grande. Posso falar da nossa conquista porque ela sim traz uma tranquilidade maior para todos”.

Marcelo Grohe tem mais de 300 jogos disputados pelo Grêmio.


Maicon recupera futebol no Grêmio e nega favoritismo contra o Galo
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

A decisão da Copa do Brasil começa nesta quarta-feira, no Mineirão, em Belo Horizonte. O Grêmio tenta terminar com um jejum de 15 anos sem títulos nacionais contra um Atlético-MG, que vem de conquistas importantes recentes, como a Libertadores da América, Recopa Sul-Americana e a própria Copa do Brasil, em 2014. O blog conversou com o volante Maicon sobre a projeção para os dois jogos. Acompanhe.

Grêmio favorito por decidir em casa

“Não, não tem favoritismo. Serão dois grandes jogos, jogos difíceis, mas a gente está muito preparado para poder fazer dois grandes jogos e buscar o título. A gente sabe que é uma equipe muito qualificada, mas a gente tem que respeitar e jogar nosso futebol”.

Coletivamente o Grêmio é superior

“Não, não vejo. São dois jogos iguais, 50% para cada lado”.

Episódio da Carol Portaluppi incomodou

“Não, não incomodou. Isso fica à critério da diretoria. Eles já estão procurando resolver da melhor maneira. Nós temos que estar focados para poder jogar”.

Reencontrou o futebol no Grêmio, após passar pelo São Paulo

“Sou tranquilo. Acho que eu fiz grandes partidas no São Paulo. Fui campeão, joguei 160 jogos. Se eu não tivesse qualidade, não ia jogar nem cinco jogos. No Sul, estou feliz. Procuro fazer o meu melhor trabalho como sempre fiz por onde passei  e as coisas estão acontecendo naturalmente”.

Estilo do Renato dentro do vestiário

“Estilo tranquilo. Passa confiança para todos os jogadores e isso que é importante”.

Consegue extrair o máximo de cada jogador

“Com certeza. Ele jogou e sabe o que tirar de nós jogadores”.

Maicon saiu do São Paulo muito criticado, em 2015, e virou titular absoluto do Grêmio com Luiz Felipe Scolari, Roger Machado e Renato Portaluppi. Aos 31 anos, busca seu primeiro titulo nacional. A diretoria tricolor tem convicção de que a decisão será na Arena tricolor, dia 30, garantindo o efeito suspensivo obtido no STJD, após perda do mando de campo por invasão de Carol Portaluppi, filha de Renato, depois do jogo contra o Cruzeiro, na semifinal.


Bolzan garante final em POA e vê Grêmio pronto para ser campeão
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Romildo Bolzan Jr. foi reeleito presidente do Grêmio para o próximo triênio. Político de carreira, o dirigente convenceu 85% dos sócios gremistas a apostarem em mais um mandato à frente do tricolor. O Grêmio está na final da Copa do Brasil e pode quebrar um jejum de 15 anos sem títulos nacionais, logo na sua gestão. Bolzan Jr. falou sobre a perda de mando de campo, Renato Portaluppi, Primeira Liga, rebaixamento do rival Inter e o modelo complicado do futebol brasileiro, em entrevista exclusiva ao blog. Leia abaixo.

Decisão do STJD sobre perda do mando para o Grêmio

“Não abalou. Primeira reação quando recebi a notícia, assim que encerrado o julgamento, os advogados me ligaram e o sentimento foi de uma certa revolta, mas depois explicando as fundamentações e tudo que veio, vi que era uma situação de fragilidade jurídica, não tinha sustentação, tinha recurso cabível. Já fizemos o recurso. Obtivemos efeito suspensivo. Não sei se vai ter pauta até lá, mas de qualquer maneira, se tiver pauta, acredito que reverte a decisão. Então, há um ambiente de busca de segurança jurídica, a reação à decisão foi muito grande em todo o país. Então, isso dá uma segurança, embora não seja uma situação concluída, mas também dá uma segurança que o Grêmio tem perspectivas boas de vencer essa situação”.

Invasão de Carol Portaluppi foi uma falha do Grêmio

“Não. Tu sabes que tu tens que contextualizar isso. O Renato é um gremistão e o Grêmio não disputa uma final de Copa do Brasil ou Campeonato Brasileiro há 15 anos. Estava todo mundo eufórico com a perspectiva. Dentro deste contexto, a gente tem que ter a capacidade de entender as circunstâncias. Houve uma falha, houve uma situação de irregularidade? Houve. A pena foi proporcional à falha havida? Não foi. Então, essa é a questão mais importante. Ninguém está pedindo para não ser penalizado, desde que a proporcionalidade seja observada. O Grêmio só pede isto. Houve uma situação que poderia ser contemplada? Perfeito. Mas dá uma multa, aplica uma advertência, qualquer coisa do gênero, tira a primariedade do Grêmio, mas não faça uma situação dessa natureza porque efetivamente foi abusiva a decisão e o efeito suspensivo, não é que tenha corrigido, mas minimizou a questão e agora depois do julgamento do mérito, creio que nós vamos com a proporcionalidade atendida”.

Corre risco da decisão não ser na Arena do Grêmio

“Não. Não corre não. Acho que não teria perspectiva de tempo de julgamento e mesmo que tivesse perspectiva de  julgamento, mesmo assim a pena não seria mantida. Então, eu fico tranquilo e nós da Arena portoalegrense, que administra o estádio, vamos abrir as vendas dos ingressos e trabalhar totalmente essa idéia de fazer lá”.

Surpreso com trabalho de Renato

“Não, não fiquei. Mesmo porque a situação que nós tínhamos no Grêmio era uma situação muito clara de que havia um time treinado. Nós não tínhamos um time solto, que estava numa decadência técnica. Passou um momento complicado e tinha problemas estruturais, tinha alguns problemas de ordem de correção e o Renato chegou, verificando isso, corrigiu. Teve a sensibilidade de corrigir e identificou perfeitamente todas as questões e corrigiu. Melhorou o time. Deu mais sustentação defensiva, criou mais a compactação, conseguiu fazer mais a verticalidade. Isso criou uma condição de que o time teve condições de fazer, inclusive, enfrentamentos fora. O Grêmio não ganhava fora. Passou a jogar fora, ganhar, empatar, ter enfrentamentos de igual para igual e isso melhorou muito a performance do time. Então, eu acho que o Renato aperfeiçoou o que o Roger tinha feito. E o mérito está exatamente nisso. A inteligência do processo é que um não desmanchou o que o outro fez e qualificou aquele processo e melhorou as situações que o time precisava melhorar”.

Jejum de 15 anos sem títulos nacionais

“Não ganhamos né(risos). Futebol acontece isso. Eu acho que o Grêmio teve um processo muito complicado de deficiência financeira a partir daquele dimensionamento da ISL e a não readaptação ao ganho, quer dizer, daquilo que nós tínhamos e não criar uma condição de voltar ao status anterior. Fazer pelo menos o ganho que o Grêmio tinha e gastar o que o Grêmio tinha, o Grêmio ficou com a despesa, mas não ficou com a receita. Isso, de certa forma, jogou no longo prazo um processo que acabou no rebaixamento em 2004. Na verdade, a gente, quando vê esses processos, quer ganhar, mas não examina as consequências do futuro. Então, aquilo foi muito complicado. Demorou muito tempo para ser corrigido. Eu acho que esses processos depois, o Grêmio nunca mais conseguiu chegar a uma situação, exatamente por conta de uma desestruturação. Mas o futebol correspondeu a muitas expectativas. O Grêmio, eu acho que esse é um dado extremamente importante, é bom avaliar. O Grêmio nunca deixou de estar nas pontas dos rankings nacionais. Sempre foi um time que teve regularidade também, sempre chegou. Disputou Libertadores, tudo mais. Disputou uma final de Libertadores neste meio caminho. Foi várias vezes vice-campeão brasileiro, terceiro, quarto, quinto lugar. Hoje é o segundo do ranking, mas muito próximo do primeiro e esteve na ponta, recentemente. Então, o Grêmio teve regularidade, mas não teve títulos. Está na hora de chegar aos títulos. Eu acho que é isso que nós temos que fazer agora. Nós temos que cuidar de todos os detalhes para não deixar passar absolutamente nada e chegar nesta final de Copa do Brasil com tudo atendido de modo que não deixe escapar nada para ser campeão”.

Grêmio é mais time que o Atlético-MG

“Não. Não é mais time que o Atlético-MG. São dois times um tanto diferentes. Valores individuais eu acho que se equivalem. O coletivo do Grêmio e o coletivo do Atlético também se equivalem. O que pode ter mais são peças de reposição, de mais qualidade. Acho que os dois times se equivalem, tanto nas suas peças individuais quanto no coletivo. Qualquer um pode ser campeão. Então, levando em conta tudo isso, eu acho que não é mais, mas também não acho que é menos. Estamos em condições iguais”.

Renato fica

“Fica. Não importa a questão de ser vice. O Renato, se desejar e nós conseguirmos acertar, para mim já é o nosso treinador. Renato merece um trabalho de longo prazo. Ele tem passado pelos clubes de uma maneira muito rápida. Passa pelo Grêmio rapidamente, passa pelo Atlético-PR, Fluminense, Bahia. Está na hora de um trabalho a longo prazo e o Grêmio tem uma comissão técnica permanente que estrutura tudo isso. Tem o grupo de transição, tem a base. Então, há toda uma condição para fazer um trabalho de longo prazo com ele no comando. Se ele estiver disposto, é o nosso treinador”.

Modelo de gestão brasileiro falido

“Tem um fundo de verdade nisso, mas também temos uma luz no fim do túnel. Essa legislação, essa lei que regula a responsabilidade fiscal dos clubes, o Profut, que dá uma faixa de adaptação, principalmente, no que diz respeito ao tempo para se adaptar às questões dos déficits. Tu fazeres dentro de um mês, um ano, a receita e a despesa iguais, diminuindo o déficit, até zerá-lo. Chegar nesse processo, ter responsabilidade fiscal, pagar os impostos em dia, exigir as certidões negativas para os campeonatos. Tudo isso é um processo extremamente importante. Acho que nós estamos com a legislação pronta e em vigor, de modo que se os clubes tiverem observações àquilo, nós vamos chegar num modelo de gestão novo. O Grêmio já percebeu isso há dois anos atrás e já vem procurando exatamente fazer esse tipo de ajuste e já estamos numa posição um pouquinho melhor do que estávamos. Não é exatamente tudo aquilo que queríamos estar, como o nosso projeto é de quatro anos, a gente deseja que no final de quatro anos, nós vamos conseguir regularizar definitivamente nosso fluxo, nossa estabilização, nosso processo e ter a capacidade de investimento. Então, esse processo que nos obriga a optar pelo refinanciamento, vai levar os clubes brasileiros para quem levar a sério, um certo equilíbrio e moralização nas gestões dos clubes”.

Primeira Liga é um evento passageiro

“A Primeira Liga tem dificuldades por várias razões. Não é nem pela oficialização, poderia jogar. A Primeira Liga tem muito mais um aspecto cultural, de dificuldade de entender que a auto-organização é um bem coletivo e necessário para o futebol brasileiro e qualquer futebol. A Primeira Liga não teve ainda dos clubes a visão mais coletiva, não se despiram às vezes das questões dos clubes e não conseguem entender que o coletivo pode preponderar numa situação dessa natureza. Então, os clubes levam suas culturas internas, suas dificuldades, examinam apenas suas situações prioritariamente para depois examinar o coletivo. Isso não gera um ambiente de Liga. Eu faço isso como auto-crítica, faço isso porque fui estimulador e ainda defendo e quero acreditar que o processo de auto-organização do futebol pelos clubes é um processo também que pode vir para ficar. Mas eu reconheço as dificuldades disso e acho que também posso fazer e pode ser feito por outros organismos. Reconheço que há dificuldades enormes porque não existe ambiente cultural de ceder, de consensuar, dos clubes terem essa e finalizarem um processo de auto-organização”.

Inter rebaixado será bom para o Grêmio

“Eu tenho dito e tenho sido cobrado. O que eu não quero para mim, não quero para os outros. Eu já fui cobrado demais, já disse isso publicamente e estou reiterando para ti. Eu gostaria de cuidar apenas do meu. O Internacional que se vire com seus problemas, mas eu reitero como tese o que eu não quero para mim, não quero para os outros”.

Wallace será negociado em janeiro

“Ao Grêmio, nada chegou e se tiver uma proposta que seja boa para o jogador e para o Grêmio, vamos em frente. Mas tem que ser uma proposta que contemple o Grêmio e também o jogador. Se não for assim, nós não vamos fazer negócio. Tem que ser uma coisa absolutamente razoável. O Grêmio já teve oportunidade de vender, nós mudamos o enfoque dessas questões. O jogador estourava, tinha perspectiva, parecia que ia ser craque e já era vendido. Nós mudamos o foco disso. Nós seguramos o Luan, Wallace, Pedro Rocha, Everton, seguramos vários jogadores aqui porque entendíamos que havia necessidade de um ganho desportivo com eles e depois, então, vendê-los. Estamos segurando eles. Estamos nessa política e se for possível fazer isso, melhor. Agora, chega um determinado momento que é bom para todo mundo vender. Tem que aparecer a proposta concreta, tem que ser absolutamente satisfatória para o clube e jogador. Se não, o nosso processo é ficarmos com o que temos de base, ficar com o que temos de plantel necessário e vamos qualificá-lo do que falta”.

O Grêmio fará o primeiro jogo da final, nesta quarta-feira, no Mineirão. O segundo confronto será na Arena tricolor, com a convicção do presidente Romildo Bolzan Jr. O último título nacional do Grêmio foi a Copa do Brasil, em 2001, com vitória sobre o Corinthians, no Morumbi.


Espinosa admite supresa por jejum gremista e elogia o Atlético-MG
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

O Grêmio decide a Copa do Brasil contra o Atlético-MG, a partir da próxima quarta-feira. O tricolor gaúcho busca um título nacional há 15 anos, após vencer o mesmo torneio, em 2001. Renato Portaluppi assumiu o comando do time e o Grêmio cresceu, também com o reforço de Valdir Espinosa como coordenador-técnico e sustentáculo para o amigo Renato, no vestiário. Espinosa foi o treinador campeão da América e do Mundo, em 1983, além de ex-jogador do clube, nos anos 70. Em entrevista exclusiva ao blog, Espinosa projetou confrontos equilibrados com o Galo, falou sobre o crescimento de Renato e elogiou a postura do Grêmio. Acompanhe abaixo.

Grêmio é mais time

“Não diria mais que o Atlético-MG. As duas equipes chegaram na decisão por somarem méritos e agora vão decidir realmente quem é o melhor. Vai depender dessa decisão para saber e você apontar, bom, esse foi o melhor dentro da Copa do Brasil. Isso nós vamos saber com esses dois jogos. O Grêmio está se preparando cada vez mais porque sabe a responsabilidade, sabe a importância que é acabar com o jejum de 15 anos e respeita o adversário, mas vai enfrentá-lo para vencer”.

Decidir em casa é melhor

“É muito relativo. Eu acho que vale para as discussões, quando você vai para sentar num barzinho, né. Aí começa aquele bate-papo, tal, pede um aperitivo, enfim, um tira-gosto. O bom é jogar fora. Não, o bom é jogar em casa, mas naquele jogo, naquela época, aí as histórias vêm e o salgadinho vai aumentando, o dono do bar fica satisfeito porque mais tempo você fica ali conversando. Enfim. Falando sério. Não tem essa. Lá fora, se você fizer um retrospecto, muitas vezes teve uma vantagem em jogar fora, muitas vezes jogar dentro de casa. O importante, eu sempre digo, é estar preparado para qualquer situação”.

Renato é bom técnico

“Está aprendendo cada vez mais. Eu acho que isso é que faz e o Renato me surpreende a cada dia porque ele busca aprender. Dentro desse aprendizado, ele vem num crescendo”.

Futebol mudou muito com jogadores mimados e pouco comprometidos

“Eu não diria isso. Diria até que se cobra pouco no futebol. A gente tem desculpa para tudo. A gente começa assim: eu quero disputar a Libertadores, depois reclama que está disputando. Eu quero disputar a Sul-Americana, depois reclama que está disputando. Chega em julho, estamos cansados. Estamos jogando muito. A gente só reclama, reclama, reclama, e o que é pior, eu tenho dito isso há anos, através dos meus vídeos. Vai terminando o campeonato brasileiro e a pergunta que se faz é a seguinte no Brasil inteiro em bate-papo, em debates na televisão, rádio e jornal. Como foi tecnicamente o campeonato brasileiro? A resposta sempre é a mesma: não foi bom, abaixo do nível. Olha que há anos é isso e esse ano foi de novo abaixo do nível. Só que a gente para para mudar? Não, a gente só reclama que foi abaixo do nível, mas não senta para dizer aonde está o erro, como temos que melhorar”.

Modelo de gestão brasileiro

“Eu não vou entrar nessa área. Eu vou ficar na minha área de campo, aquela que eu tenho entendimento, aquela que eu tenho experiência. É nessa área que eu busco aprender cada vez mais e nessa área que nós temos que buscar as correções. Entendo que fora de campo, muitas mudanças poderiam e deveriam acontecer, mas eu acho que a mais importante de todas ainda é dentro de campo. É dentro de campo que nós temos que melhorar mais, que nós temos que ter mais coragem, fazer mais cobranças. Vou puxar o Tite como exemplo. O que hoje e há um tempo atrás, muita gente não via jogo da seleção brasileira ou quando via, via com aquela coisa, que coisa chata que eu vou ver e quando terminava, dizia, que coisa chata que eu vi. Seis jogos do Tite e a gente ficou satisfeito. A gente viu uma coisa muito importante. Sorriso no rosto dos jogadores. Isso era alegria. Esse sorriso era um comprometimento de ajudar um companheiro e fez com que a gente sorrisse também, olhando o jogo e a gente sorrisse. Moral da história: havia um comprometimento de jogar bem. Nós temos que ter exatamente isso. O comprometimento de jogar bem. O resultado é consequência do que você fizer em campo e não buscar o resultado pelo simples fator de vencer de qualquer maneira como tem que acontecer. Acho que a maior esperança que eu estou vendo há anos no futebol foi esse momento do Tite na seleção. está fazendo a coisa com simplicidade. Outro detalhe. Num dia ele pegou, já estava treinando. Não teve tempo de treinar e não está reclamando. Simplesmente, ele está trabalhando. Essa é a seleção? Esse é o tempo de treino? Ok. Vou aproveitar bastante e não estou buscando desculpa. Até eu brinco, ele pode falar um pouquinho difícil, mas ele faz a coisa muito simples. É importante. Ele não está querendo ser o dono da verdade, nem o inventor da bola, porque a bola já foi inventada há muito tempo. Simplesmente, está fazendo a bola rolar no chão”.

Surpreso com jejum de 15 anos sem títulos nacionais

“Falo como torcedor. Claro que sim. Como torcedor, você não pode admitir que um time como o Grêmio fique um tempo desse sem ganhar título. Por isso, eu sei a importância, não só como torcedor, como profissional também, de acabar com esse jejum”.

Existe um grande jogador no Grêmio

“Eu acho que nós temos bons jogadores no Grêmio. Na defesa, Geromel, Kanneman que chegou. Grohe na seleção, Marcelo, enfim. Douglas no meio. Jogadores jovens que estão despontando, alguns que ainda não despontaram, mas são jovens, dentro de um aprendizado e buscando experiência. Acho que a equipe está bem e equilibrada”.

Atlético-MG

“Uma equipe que tem experiência, tem qualidade técnica. Uma equipe que tem qualidades e vai chegar na condição de disputante ao título por méritos conquistados. Não foi por fazer as coisas erradas, assim como o Grêmio. E como eu te disse no início. No final desses dois jogos, é que se vai dizer. Na Copa do Brasil, o melhor foi….Tomara que seja o Grêmio”.

Treinador novamente

“Serei sempre treinador”.

Além de treinar o Grêmio, Espinosa se destacou também no Botafogo, quebrando o jejum de títulos do clube, vencendo o campeonato carioca, em 1989, diante do Flamengo. Espinosa tem contrato com o Grêmio até dezembro, mas irá permanecer, se Renato ficar.

 


Roger falou sobre momento certo de deixar um clube, antes da demissão
Comentários Comente

Alexandre Praetzel

Após 16 meses no cargo de técnico, Roger Machado pediu demissão do Grêmio, depois da derrota de 3 a 0 para a Ponte Preta. O blog havia entrevistado Roger, na segunda-feira à tarde. Leiam abaixo.

É mais difícil treinar um time onde fostes vencedor como atleta?

Roger: Depende do ponto de vista. Mais fácil pela aceitação, ter sido mais tranquila pela história construída no Grêmio, mas mais difícil pela cobrança por conquistas num curto espaço de tempo.

Jogadores encaram o ex-jogador como técnico com mais respeito no vestiário?                                          

Roger: Não sei se há maior respeito, mas há maior identificação do jogador com a figura de um ex-atleta.

Corinthians e São Paulo fizeram propostas em meio ao Campeonato Brasileiro?                                        

Roger: Não.

Como defines teu perfil como treinador?                                                                                                      

Roger: Prezo pela organização da minha equipe. Que essa organização seja percebida por quem está assistindo meu time jogar. Os movimentos defensivos e ofensivos que são treinados durante a semana.

Qual o momento de deixar um clube ou aceitar um novo desafio?                                                                      

Roger: No momento em que uma das partes não esteja mais satisfeita. O melhor seria sempre ao final de um contrato e com títulos.

Grêmio atingiu seus limites ou pode ganhar Copa do Brasil ou Brasileiro?                                                    

Roger: Um time tem momentos. Difícil mensurar o limite de uma equipe. O Brasileiro, pela distância, está complicado, mas na Copa do Brasil temos boas perspectivas.

Roger foi titular do Grêmio de 1994 a 2003. Retornou ao clube como integrante da comissão técnica e assumiu o posto principal no início do Brasileiro de 2015, substituindo Luiz Felipe Scolari. Não conquistou títulos como treinador.